Carregando...
Notícias

Go Go indies: veja alguns destaques do cenário indie brasileiro

toren-girlsofwar

O cenário de jogos independentes no Brasil está a cada dia mais forte. É claro que ainda temos um longo caminho pela frente, mas o resultado de tanta dedicação já está sendo bem positivo. Jogos como Toren, da desenvolvedora gaúcha Swordtales, e Chroma Squad, da Behold Studios, por exemplo, terão seus lançamentos já para o Playstation 4.

Nessa onda de gente que está fazendo e acontecendo no cenário indie brasileiro, hoje eu gostaria de destacar dois jogos em específico: um mais hardcore e outro casual.

Primeiramente, vamos falar sobre o game Odallus, do estúdio JoyMasher, que já passou aqui pelo Girls of War. Odallus, que já está em pre-order, é um jogo de exploração inspirado em clássicos no NES com muita ação. O game será divido em estágios, mas cada um deles é alinear e terá caminhos diversos, com diferentes itens e upgrades. Entretanto, os caminhos em Odallus estão infestados de demônios e armadilhas, de forma que o jogador deve estar sempre atento. Ah, só um detalhe, o jogo é difícil como andar descalço no asfalto, durante o verão aqui no Rio – tenso mesmo! Fazendo a reserva de Odallus, por USD$14,99, o jogador já tem disponível o beta mais recente do jogo para sentir o gostinho do desespero.

odallus-girlsofwar

Se você também curte um game mais casual e mobile, daqueles que são ótimos para se distrair nos engarrafamentos do dia a dia ou em almoços de família (que tem sempre aquela tia chata perguntando da sua vida), recomendo o viciante Cave Coaster, do também estúdio brazuca Smyowl.

Em Cave Coaster (disponível de graça para Android – mas também em breve para iOS, Windows 8 e Windows Phone), o jogador controla um carrinho e percorre os trilhos de uma misteriosa caverna tentando coletar o maior número de pedras preciosas e se manter vivo por mais tempo. Além das missões principais, o usuário enfrenta uma série de desafios e pode desbloquear joias, carrinhos mais poderosos e novos power-ups, que ajudarão a superar os obstáculos. Destaque para os mineradores, que parecem muito com as simpáticas e infames minhoquinhas da série Worms.

smyowl-girlsofwar-1
Mauricio Alegretti, diretor de tecnologia da Smyowl.

Conversei um pouco com Mauricio Alegretti (Malegra), diretor de tecnologia da Smyowl, sobre a start-up e o Cave Coaster. Umas das minhas perguntas foi sobre o fato do game ser do tipo “corrida infinita” – gênero este já massivamente explorado no universo mobile. A questão que levantei foi o que Cave Coaster tem de diferente?

Alegretti afirma que “o maior diferencial do Cave Coaster – e nosso grande motivo de orgulho – é que neste game duas partidas nunca são iguais, pois absolutamente todos os elementos do jogo são gerados de forma aleatória – cada plataforma, mineiro, obstáculo e item são criados de forma dinâmica e em tempo real”, explica. “Para nós, este é o maior motivo pelo qual as pessoas não se cansam de jogar. É sempre um desafio novo e o jogador tem aquela sensação de que poderá avançar mais na próxima tentativa. Além deste recurso, também ficamos bastante contentes com a direção de arte que aplicamos neste jogo, pois todos os elementos seguiram uma linha de ilustração muito divertida”.

A Smyowl, que iniciará em breve uma campanha no site Kickstarter para levantar fundos para seu primeiro jogo de tabuleiro: Kron, deixa um recado para quem quer começar a desenvolver jogos no Brasil, mas ou não sabe por onde começar ou tem medo de não dar certo.

cave-coaster-girlsofwar (2)
Cave Coaster

“Nossa maior dica é ‘aprender a andar antes de correr’, isto é, começar desenvolvendo e publicando jogos simples e casuais, já que muitas vezes o próprio processo entre terminar um jogo e disponibilizá-lo ao consumidor é o maior desafio”, aponta Alegretti. “Também recomendamos sempre estudar, pois este é um mercado em frequente evolução em que novas técnicas e ferramentas são constantemente criadas. E, finalmente, nunca deixe de terminar e publicar seu jogo, por mais simples que seja. Disponibilizar um game finalizado no mercado, além de ser extremamente motivador é a maior escola que um desenvolvedor de jogos pode ter!”, conclui.

Então galera, fica a dica e não deixem de clicar nos links do posts para saber mais sobre os jogos, as desenvolvedoras e dar uma moral para esse pessoal gente boa! é isso aí, até a próxima.

2 comentários
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *