Carregando...
Colunas

Dica de Quadrinho: “The Strain”

the-strain

Depois que terminei de ler todos os arcos da graphic novel “Hellraiser”, de Clive Barker, me senti um pouco órfã de uma boa narrativa de terror e suspense, que particularmente eu adoro. Por um acaso cósmico do destino, vi na minha timeline do Facebook alguém comentando sobre uma nova série do canal FX – chamada de “The Strain” – e fiquei curiosa a respeito. Mesmo assim, não dei tanta importância a princípio, mas após saber que ela foi criada pelo diretor Guillermo Del Toro (O Labirinto de Fauno) a história, que antes tinha a minha curiosidade agora havia ganhado minha atenção (parafraseando Leonardo DiCaprio em Django Livre).

the-strain-6The Strain é, de forma muito resumida, uma narrativa de ficção sobre vampiros. Mas limpe a sua mente de qualquer referência com histórias como “Entrevista com o Vampiro”, “Vampire Diaries”, “True Blood” e muito menos “Crepúsculo” – que, sinceramente, desconsidero como história de vampiros, mas deixa isso quieto por enquanto. Guillermo Del Toro, durante uma entrevista, foi categórico ao afirmar que “não há romances entre humanos e vampiros nessa história”.

Os vampiros de Del Toro seguem a essência maligna dessa espécie mística: eles são predadores extremamente cruéis e desprovidos de todo e qualquer tipo de sentimento humano. Alguns são bestas incontroláveis, movidos apenas pelo instinto de matar para se alimentar, outros (mais antigos) são até intelectualizados – vivendo à sombra da humanidade por opção ou se misturando aos humanos, para tirar algum proveito dessa “interação”. Mas isso não os fazem menos diabólicos e manipuladores.

Outra curiosidade é o aspecto físico desse vampiro. Visualmente, eles parecem uma mistura de humano, morcego e lagarto. Ao invés de atacar as vítimas com mordidas (como o vampiro clássico), eles projetam uma espécie de língua, assim como um lagarto, só que com um ferrão na extremidade – por onde se alimentam e inoculam suas larvas para criar novos vampiros.

the-strain-sketch

Sim, larvas (ou algo do tipo). The Strain trata o vampirismo como uma espécie de doença infecto-contagiosa transmitida por larvas sanguinárias que vivem nos corpos desses monstros. A transmissão acontece por inoculação ou pelo simples contato com essas larvas, que rapidamente entram na pele da vítima e se reproduzem com uma velocidade assustadora (além de ser muito nojento). Até o presente momento da história, não há uma cura. Uma vez infectado você irá se tornar um deles.

Ciência e misticismo andam juntas na narrativa desde o início, numa sincronia que dá muito certo. De um lado, o Doutor Ephraim “Eph” Goodweather (chefe do Centro de Controle de Doenças de Nova Iorque), protagonista da história, tenta encontrar uma resposta científica para o que está acontecendo e conta, principalmente, com a ajuda de sua colega de trabalho e bioquímica, Doutora Nora Martinez, para isso. Por outro lado, existe um sobrevivente dos campos de concentração – durante a Segunda Guerra Mundial – e agora dono de uma casa de penhores, chamado Abraham Setrakian. Este senhor, de saúde já bem frágil, parece conhecer bem o que está realmente acontecendo e tentará, de todas as formas, alertar Goodweather sobre o mau que ele está lidando.

Alguns dos personagens da série de TV: Ephraim Goodweather, Vasiliy Fet, Nora Martinez e Abraham Setrakian.
Alguns dos personagens da série de TV: Ephraim Goodweather, Vasiliy Fet, Nora Martinez e Abraham Setrakian.

Outros personagens secundários importantes irão aparecer ao longo da narrativa, bem como explicações mais apuradas sobre a origem desses vampiros, como eles se comportam e, mais importante, como a humanidade poderá lutar contra o domínio do “Mestre” – como é conhecido o vampiro líder ancestral e incrivelmente poderoso. Mas isso eu vou deixar para vocês descobrirem, senão perde a graça.

 

Onde encontrar “The Strain”?

1- Graphic Novel:

Os dois primeiros arcos da trilogia “The Strain” e “The Strain: The Fallen” já foram lançados. Cada um possui 11 e 9 edições, respectivamente. O último arco, chamado “The Strain: The Night Eternal” já começou a ser publicado. Há também o spin-off “The Strain: The Silver Angel”, que é gratuito no site da editora Dark Horse (via app no Android e iOS), onde você também encontra as demais edições dos quadrinhos para comprar.

2- Livros:

A trilogia também foi lançada em livros e você pode adquiri-las digitalmente, por meio de e-books, ou em livrarias.

3- Série de TV:

A primeira temporada de “The Strain” já está no ar e é exibida pelo canal FX todos os domingos, às 22h. Não sei afirmar, no entanto, se já passa oficialmente aqui no Brasil. Tenho assistido por streaming.

 

Veja alguns trailers da série da FX:

8 comentários
  1. Eder Black

    Essa análise foi no mínimo com o perdão da palavra “tesuda”…
    Tô interressadissimo em conhecer todo o conteúdo, só esbarro no inglês “capenga” que eu uso kkkkk…
    Parabéns pela análise

      1. Roberto Vasconcelos

        Quando vi a sinopse num site de streamming que utilizo, nem dei bola pra série. Mas aí vi esse post aqui, resolvi dar uma chance, e… THAT’S WHAT I WAS TALKING ABOUT, BI(*PIIII!*)! AGORA SIM um trabalho atual com vampiros de verdade, e não com fadas purpurinadas “olha mamãe como sou malvado e perigoso”! Valeu a dica, Vivi! o/

  2. Alex

    Obrigado Vivi por mais essa dica!
    Faz uma semana que um amigo me recomendou a série, mas acabei deixando de lado sem nem ver. Os livros e hqs contam a mesma história ou são histórias diferentes?

    1. Vivi Werneck

      A história e o desenrolar dela são iguais. O que muda, obviamente, é a forma que são contadas. No quadrinho, por exemplo, é desnecessário detalhar textualmente o ambiente porque você está vendo – do contrário do livro. Mas tudo depende do que você gosta mais. Eu estou lendo os quadrinhos, mas vou pegar os livros também.

  3. Sputnik

    Cara, adorei o post! Descreveu muito bem a série, uma coisa que eu falhei miseravelmente em fazer ao tentar contar para os meus amigos. Estou assistindo a série (por indicação sua no Facebook <3) e estou amando de paixão. Eu estou com medo de ler o quadrinho porque geralmente eles avançam muito rápido na história e eu acabo tomando spoilers gratuitos da série. Sou do raro tipo que prefere assistir primeiro e ler depois (julguem).

    1. Vivi Werneck

      “Eu estou com medo de ler o quadrinho porque geralmente eles avançam muito rápido na história e eu acabo tomando spoilers gratuitos da série.”

      Então é melhor nem chegar perto. Só pra você ter uma ideia, o que está atualmente acontecendo na série de TV é contado em duas ou três revistas no máximo. Mas é claro que rola algumas pequenas adaptações que não estão nos quadrinhos, mas nada que saia muito do roteiro original.

      PS: mostra o post para os seus amigos então! ^_^

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *