Carregando...
Eventos

[BGS 2015] Street Fighter V é vigoroso, versátil e viciante!

sfv_beta_restart

Não é à toa que Street Fighter V foi eleito por muitos veículos como um dos melhores jogos que estavam presentes na BGS 2015. O novo título exclusivo de PC e PlayStation 4; brilhou durante todos os dias da feira, desde antes da memorável apresentação do produtor Yoshinori Ono onde ele revelou oficialmente a lutadora brasileira Laura, até a final da seletiva da Capcom Cup que levará o jogador Keoma para a final em São Francisco em 6 de dezembro.

Entre as andanças do evento, conseguimos parar e sentar devidamente no estande da Warner Bros. para jogarmos com mais calma e tirarmos algumas dúvidas sobre os novos personagens e também sobre o game em si.

Começamos obviamente pela novata Laura Matsuda, que roubou a atenção na feira – e com razão. A linda lutadora é a irmã mais velha do lutador Sean, que deu as caras pela primeira vez em Street Fighter III: New Generation. Além da descendência japonesa, Laura também herdou o estilo de luta Jiu-Jítsu Matsuda, o que por si só explica muito do seu modo de combate.

Laura utiliza agarrões e também lança projéteis elétricos, além de ter um gingado que lembra bastante a Capoeira. Não parece uma mistura agradável, mas funciona como nada visto antes. A bela lutadora parece bastante simples de ser utilizada, mas ela exige certa técnica para ser dominada, já que seus golpes são mais efetivos se aplicados em Follow-Up, isto é, ações emendadas que formam interessantes seqüências de dano.

Outra personagem que segue com este mesmo recurso é a veterana Karin. A herdeira da rica família Kanzuki está de volta e tão elegante e incisiva quanto antes. Os golpes da eterna rival de Sakura estão mais precisos e causam um melhor estrago se emendados em seqüências (Follow-Up). O interessante de Karin é que ela é extremamente versátil e possui inúmeras combinações que podem variar dependendo apenas da direção em que for feito determinado golpe.

street-fighter-v-laura-matsuda-images-and-video-shows-moves-v-skill-v-trigger-494129-2

Rashid e Necalli também foram testados e nos chamaram atenção por motivos distintos: o primeiro pela velocidade e pelos golpes potentes e o segundo pela força em seus socos e chutes, que tiram um considerável dano.

Falando agora de aspectos mais técnicos, entre os quais pudemos ver como realmente funciona, está o V-System – V de Variable, mas nos nossos corações pode ser de número 5 também, viu?! De acordo com Fabio Santana, nosso querido Gerente de Relações Públicas da Capcom no Brasil que nos auxiliou antes, durante e após a jogatina na BGS, “a idéia por trás do V-System é extrapolar a personalidade e as características únicas de cada personagem, fazendo com que cada membro do elenco seja verdadeiramente único ao mesmo tempo em que a jogabilidade fica mais acessível para mais jogadores”.

Portanto, esta inédita mecânica (o V-System) integra 3 diferentes recursos: o V-Reversal, que é um contra-ataque que gasta um nível da barra chamada V-Gauge (lembra dos Alpha Counters da série Alpha? Pois então… :D); a V-Skill, que pode ser usada a qualquer momento durante a partida sem gasto de V-Gauge e, além disso é uma habilidade única para cada personagem (por exemplo, o de R. Mika é a performance no microfone onde ela faz um discurso que, se for concluído e ela conseguir agarrar o oponente logo em seguida, tira de 80 a 100% do HP; enquanto que o de Zangief, faz seus músculos ficarem avermelhados e ele ganha a habilidade de absorver os golpes do inimigo, o que isso abre brecha para um contra-ataque letal); e o V-Trigger, que é o recurso mais poderoso e também único para cada lutador, e que por sua vez, consome toda a V-Gauge e age diferente em praticamente todos os personagens.

Ainda sobre o V-Trigger, ao ser acionado a habilidade pode transformar o lutador em um personagem temporariamente mais poderoso (como no caso do Ryu, Chun-Li ou Laura) ou dependendo de quem o jogador utilizar, pode ser também um movimento especial de uso único (como acontece com o Nash ou o Vega).

Lembrando que os V-Skills e V-Triggers são acionados da mesma maneira com todos os personagens (apertando os dois botões médios ou os dois fortes, respectivamente), e para serem utilizados, primeiramente deve-se encher a V-Gauge (a barra que fica no canto inferior da tela), o que pode ser feito de duas maneiras: ao que se leva dano do oponente ou ao se executar uma V-Skill (como quando o Nash absorve um projétil ou o Birdie come uma rosquinha).

karin-street-fighter-v

Depois de testar toda esta nova mecânica, acho importante mencionar como a jogabilidade está mais simples. Não que antes não fosse, mas depois de jogar uma ou duas partidas é perceptível que os golpes fluem naturalmente, e isso, em conjunto com a sensibilidade balanceada dos controles e a flexibilidade e variedade dos lutadores, torna tudo muito divertido e viciante.

Por fim, os jogadores também poderão acumular Fight Money, que será a moeda corrente do título. Este recurso poderá ser utilizado para adquirir conteúdo de jogabilidade (como personagens adicionais), em alternativa à aquisição via dinheiro real. E se você se pergunta se haverá roupas extras, bem… Elas estarão lá, mas “não irão afetar a jogabilidade e poderão ou não ser comprados com Fight Money (é possível que algumas só estejam a venda com dinheiro real, por exemplo)”, nos explicou Fabio.

Street Fighter V será lançado em 2016, ainda sem data certa confirmada, mas por aqui é certo que chegará com legendas em português. Dos 16 jogadores iniciais, 14 já foram revelados e ainda faltam 1 novo personagem e o retorno de 1 velho conhecido. O game não receberá outras versões como o seu predecessor (SFIV, que ganhou as versões Super e depois Ultra), mas ganhará atualizações periódicas (as atualizações de sistema e de balanço serão gratuitas, yay!) e com isto, possivelmente a inclusão de mais personagens também (esta informação ainda carece de detalhes).

Bom… Tudo que nos resta agora é aguardar a continuação da busca pelo mais forte!

PS.: Agradecimentos mais que especiais ao Fabão! 😀 <3

3 comentários
  1. Marcelo Sarmento

    Tá lindão esse SF! Pelos videos o jogo parece ser muito técnico e rápido. Gostei bastante da Laura. Acho que jogos de luta mainstream tendem a repetir a fórmula de mulheres muito sexualizadas e homens com aspectos exagerados. Eu gostaria que SF tivesse histórias mais bem feitas. Sei lá…

  2. PH!

    É interessante que as grandes produtoras escutem seus clientes, e essa decisão de não fazer continuações repetidas do mesmo jogo veio porque eles deram ouvidos a essa grande comunidade apaixonada por Street Fighter. Um grande passo pra mercenária Capcom!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *