Carregando...
Eventos

[AF 2014] Conheça o “Desafio dos 30 Dias” realizado pela Escola SAGA!

IMG_20140720_191229060

Durante o Anime Friends, que aconteceu nos dois últimos fins de semana no Aeroporto Campo de Marte em São Paulo; passamos no estande da SAGA: Escola de Artes, Jogos e Animação.

Além de contemplarmos as belas esculturas à mostra, que referenciavam a cultura pop num geral; abordamos alguns coordenadores e também alunos, para saber mais a respeito do “Desafio dos 30 Dias”, uma competição organizada entre as unidades da escola em São Paulo (Santo Amaro, Guarulhos, Lapa e Tatuapé), e iniciada justamente trinta dias antes do Anime Friends ter início. O objetivo era justamente criar um jogo, de qualquer gênero, em exatos trinta dias ou menos, e colocar a obra para ser testada durante o evento.

Começamos nosso tour pelo estande da empresa, conversando com Caio Cipó, de 26 anos, coordenador pedagógico da unidade da Saga Tatuapé e environment designer do jogo Cyberpunk X-01, um sidescrolling em plataforma 2D, que se inspira em títulos como Megaman e Blade Runner. Ainda em fase inicial, o game demonstrava ter mecânicas bem simples, porém efetivas, e a personagem principal, April, terá upgrades e enfrentará chefes ao final de cada fase, enquanto desvenda uma complexa trama política e luta pela liberdade. Do pouco que eu vi, fiquei com muita vontade de colocar as mãos em uma versão finalizada do game!

CYBERPUNKX01-4  CYBERPUNKX01-2 CYBERPUNKX01-1

Em seguida, conversamos com Kleidson Rodrigues de Abreu, de 27 anos, coordenador pedagógico da unidade de Guarulhos da Saga e coordenador de projeto e trilha sonora do jogo The Ancient Battle, um belo adventure 3D com over the top view, cuidadosamente estilizado em cel shading. Vale ressaltar quão caprichada é a arte do game, que teve envolvimento de 7 pessoas, sendo que o projeto inteiro contou com a participação de 15. Na história, a personagem principal vem de uma família de nobres feudais, e lutará contra forças obscuras para defender a sua honra e a honra do seu reino. Os controles fluem bem e as mecânicas são simples e objetivas. Os desenvolvedores pretendem finalizar a criação, ampliar o número de fases no modo história e acrescentar um modo multiplayer (offline) competitivo para até dois jogadores.

1  3  5

O próximo foi The Myth of R’lyeh, um curioso e sombrio jogo de ação totalmente modelado em 3D. Jogamos na pele do Professor Van Helsing, em uma Londres vitoriana caótica, em que monstros assombram as ruas, e os segredos dos imortais são expostos. Com inspirações retiradas de obras como The League of Extraordinary Gentlemen, nos divertimos bastante imaginando as figuras da literatura fantástica que poderiam aparecer no decorrer do game.  Trabalharam no projeto apenas 9 pessoas, e isso, multiplicado por trinta dias, é um trabalho impressionante, considerando que a demonstração possuía começo, meio e fim. Podendo alternar entre uma espada ou uma pistola, as mecânicas de combate pareceram um pouco estranhas a primeira vista, já que o personagem não ataca desenfreadamente o inimigo. Só então percebemos que o combate exige táticas, e logo impõe não ser um smash button qualquer. O projeto também caprichava na parte artística, contendo dublagem, trilha e efeitos sonoros, e uma bela arte em hachura, que ilustrava as cutscenes. Um salve para Lucas Silva, de 29 anos, coordenador pedagógico da unidade Lapa da Saga, e produtor e character designer deste título, que eu estou bem ansiosa por jogar, logo que finalizado!

The Myth of R'lyeh  - SS1 The Myth of R'lyeh - SS3 The Myth of R'lyeh - SS4

Por fim, jogamos Remote Race. Quem conversou conosco foi Rafael Menezes, de 25 anos, professor de 3D e unreal da Saga de Santo Amaro e environment designer do título em questão. Inspirado por games como Mario Kart e Toy Story, a idéia é que o jogador controle carrinhos de controle remoto, em um playground bem iluminado. Há ainda power-ups espalhados durante o trajeto que o jogador pode utilizar para atrapalhar o competidor. Os controles são bem simples e funcionam bem, e também poderá ser jogador em modo multiplayer (offline).

Untitled-1 Untitled-2 Untitled-3

Depois de torrar a paciência dos coordenadores, abordamos Gabriel Gil, de 17 anos, que fez o jogo Mirtilo, para iPad. Ele desenvolveu o jogo com mais três alunos: Mateus Augusto (19), Handreas (16) e Pedro Cruz (23). Todos eles entraram na SAGA em maio de 2012 e atualmente são formados. Em Mirtilo, a personagem percorre um trajeto obscuro, em nonstop, e o jogador deve capturar o número máximo de mirtilos incandescentes, para iluminar o caminho.

10155836_786268868057699_5692026921568537547_n 10309482_793198234031429_8565594723458504060_n 10574394_814082358609683_8706481479266501234_n

Para finalizar o passeio pelo estande da SAGA, entrevistamos Rogério Félix, gerente da unidade de negócios Game da Saga. Ele nos contou que a idéia do “Desafio dos 30 Dias” partiu dele: um desafio que ele mesmo propôs aos seus coordenadores, para estimular os alunos do curso “PlayGame” e mostrar a eles o que é possível criar em apenas trinta dias, utilizando a nova versão da Unreal Engine.

Com duração de 25 meses, o curso “PlayGame” tem como principal diferencial estimular continuamente os alunos já inicialmente através da prática, ao invés de aplicar primeiramente toda a teoria. Desta forma, os alunos são desafiados pelo menos uma vez por semestre a apresentar um projeto de jogo, o que é ótimo também para sua grade curricular. “Faz parte do curso, a gente incentivá-los a participar de eventos. O jovem de hoje não agüenta esperar, então a cada quatro meses, no mínimo uma vez por semestre, o aluno tem uma cápsula, um projeto, alguma coisa para apresentar… Senão ele não se convence de que está aprendendo”, diz Rogério, que é inclusive o coordenador do curso.

Rogério Félix / Foto: Reprodução

Quando questionado sobre os cursos superiores voltados a área de criação de jogos, Rogério comentou: “Nós não competimos com universidades, somos complementares. O diploma que a faculdade dá ao aluno abre várias portas. O portfólio que nossos alunos são, digamos assim, obrigados a fazer, abrem outras portas”. Por fim, o coordenador comenta sobre o cenário crescente dos jogos indies, e apóia a causa, apesar de em alguns casos o projeto ser muito de nicho; e comenta ainda que o jogo ideal para ele tem que ser aquele que estimula o jogador a se desafiar mais e mais.

E vocês, o que acharam? Comentem aí! E caso queiram saber mais sobre o curso PlayGame da SAGA, acessem este link!

Geronimo!

Um comentário
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *