Jogos Point-and-Click que merecem remakes

Tags: Adventures Point-and-Click, Análises, Cyan Worlds, Full Throttle, Gabriel Knight, George Lucas, Grace Nakamura, Grim Fandango, Henry Stauf, hideo kojima, indiana jones, Indiana Jones and the Fate of Atlantis, konami, Loom, LucasArts, Maniac Mansion – Day of The Tentacle, Monkey Island, Myst, NASA, Nintendo World, Phantasmagoria, Point-and-Click, Return to Zork, Sam & Max, Shivers II - Harvest of Souls, Sierra, Snatcher, Steven Spielberg, Telltale Games, The 7th Guest, The Beast Within, The Beast Within: A Gabriel Knight Mystery, The Curse of Monkey Island, The Dig, The Legend of Kyrandia, The Legend of Zelda: Wind Waker, Victoria Morsell, Virgin Interactive, Westwood, Wii

Por Bruna Torres
*(Publicada na época que eu estava na Nintendo World, saiu na edição #112, com alterações)

Quem não se lembra dos fantásticos jogos de aventura para PC? Quem não pedia dinheiro aos pais para poder comprar aquele CD-ROM do mais novo adventure que o melhor amigo jogava? Para aqueles que passaram por isso, saberão do que essa matéria se trata, e para aqueles que não passaram, leiam, pois vocês nem imaginam o que perderam.

Os famosos jogos de Adventures surgiram na década de 80, e representavam mais de 50% do mercado de jogos nos EUA. Hoje em dia, representam cerca de 6%. No mercado europeu atingem 12%, enquanto no brasileiro não há dados suficientes, pois a pirataria compromete o mercado de jogos. No Brasil, o gênero surgiu na década de 90, quando começou a febre de jogos para PC. Mas com a existência da pirataria, esses jogos raramente são lançados no país com tradução para o português.

Os adventures são aqueles jogos aonde o jogador conduz o protagonista no decorrer de todo o enredo. Raciocínio lógico para resolver puzzles e enigmas, exploração de cenários, interação com outros personagens e foco em histórias envolventes são características do gênero. Diversas empresas fizeram sucesso com jogos de aventura, entre elas estão Sierra e LucasArts.

Os chamados Adventures Point-and-Click foram os que fizeram mais sucesso na época. O jogador apontava e clicava com o mouse onde o protagonista deveria investigar, por isso o nome point-and-click. Jogos como Full Throttle, Myst, Phantasmagoria, Maniac Mansion – Day of the Tentacle, The Dig, as séries de Monkey Island, entre outros, tiveram momentos de glória e fizeram com que muitos comprassem computadores.
Muitos se perguntam o porquê do sumiço de um gênero tão envolvente. A resposta está no lançamento das placas de vídeo 3D. Como os jogos de Adventure eram 2D, as novas VGAs mostraram que eram capazes de rodar jogos cada vez mais potentes, o que deu lugar aos jogos de gênero FPS.

Na nova geração de consoles, os Point-and-Click parecem ter sumido de vez, mas isso não é verdade. Diversos games do estilo ainda são lançados no mercado de jogos, como as séries de Sam & Max, com diversos episódios novos que a empresa Telltale Games lança, o remake de Myst para Nintendo DS, entre outros.

Quem já conhece os episódios de Sam & Max, sabe que os jogos da dupla de detetives freelancers são repletos de diálogos inteligentes e engraçados, inúmeros puzzles e muito tempo para conversar com os personagens. Em Season 1, os seis capítulos da primeira temporada, originalmente lançada para PC entre 2006 e 2007, foram, por exemplo, reunidos num só DVD para o WII.

 

Para relembrar os jogos que merecem remakes, um Top 10 foi preparado para você, leitor da NW. Vamos recordar ótimos jogos point-and-click mais bacanas que poderiam sair novamente?

 

1º Full Throttle

Criado pela LucasArts em 1995, Full Throttle conseguia reunir todas as características que os fãs de jogos de aventura sempre quiseram encontrar em um mesmo jogo: muita ação, roteiro de filme, trilha sonora especial e legendas em português. A trama mantém o mesmo nível de desafio e humor, típico das outras aventuras da LucasArts.
O protagonista do jogo é Ben, líder de uma gangue de motoqueiros conhecidos como “Polecats”. O enredo gira em torno da idéia de que Ben é o responsável pela morte de Malcolm Corley, dono da Corley Motors, uma fábrica de motos. No decorrer da história, ele descobre que existe uma conspiração feita contra Corley criada por Adrian Ripburger, o vice-presidente da empresa, que odeia motos e quer transformar a Corley Motors em uma fábrica de caminhões.

2º The Curse of Monkey Island

A série Monkey Island, também da LucasArts, sempre fez sucesso. Foram quatro jogos repletos de humor, sarcasmo e situações hilárias: The Secret of Monkey Island, Monkey Island 2: LeChuck’s Revenge, The Curse of Monkey Island e, por fim, Escape from Monkey Island.
Em The Curse of Monkey Island, que merecia um remake, Guybrush Threepwood pede Elaine, o amor da vida dele, em casamento. Mas ao colocar o anel de noivado no dedo dela, Elaine vira uma estátua de ouro. Com todo esse brilho dourado, ela é roubada por piratas e a missão do protagonista é procurar a amada e trazê-la de volta a forma normal. Durante todo o jogo, Guybrush é perseguido pelo inimigo LeChuck. Todos valem à pena, principalmente pelo Murray, a caveira diabólica, como ele mesmo se intitula.

3º The Dig


Muitos podem não saber, mas The Dig foi escrito por Steven Spielberg. A intenção do cineasta era de que a história fosse um episódio da série de televisão Amazing Stories e mais tarde, um filme. Mas foi concluído que seria muito caro, e foi aí que a LucasArts transformou The Dig em um dos jogos mais longos e esperados da época. A narrativa começa em uma missão espacial comandada pelo astronauta Boston Low. Juntamente com o geólogo Ludger Brink e a repórter Maggie Robbins, destacada pela NASA para cobrir a expedição, Low tem o objetivo de desviar um enorme asteróide para que não colida com a Terra.
A primeira parte do plano da NASA para a equipe cumprir a missão é completada com êxito. Mas quando os três vão coletar algumas amostras do asteróide para retornar à Terra, eles encontram passagens abertas na rocha e resolvem entrar no corpo celeste. Lá, encontram um puzzle e ao resolvê-lo, o asteróide vira o que realmente ele é: uma nave alienígena cristalina que os leva a outro mundo.
A partir daí o enredo começa. Segundo o chefe de projeto, a LucasArts até considerou a hipótese de usar seqüências capturadas em vídeo, mas abandonou a idéia por concluir que esta técnica não combinava com o estilo animado e realístico do jogo. “Não somos escravos, seja qual for a tecnologia inovadora. Somos escravos do que é melhor para o projeto. E isso pode ser animação, 3D ou 2D. Pode até mesmo ser vídeo. Mas não colocamos vídeo em um jogo somente porque hoje isso é o máximo”, explica Clark .

4º Grim Fandango


Grim Fandango foi o primeiro game da LucasArts feito em 3D. O mundo de Grim Fandango combina elementos da crença Asteca sobre vida após a morte com estilos de filmes de drama. O nome é derivado do “dia dos mortos” ou finados, e é explicado por um poema lido por um dos personagens do jogo. A trama está centrada no protagonista Manuel ‘Manny’ Calavera, um agente de viagens na Terra dos Mortos, em uma jornada para salvar a Mercedes ’Meche’ Colomar. A missão de Manny é levar pessoas do Mundo dos Vivos para a Terra dos Mortos e vender pacotes da viagem que todas as almas devem fazer para chegar ao local do repouso final. De acordo com a crença dos Astecas, a Terra dos Mostos é a primeira parada da alma após a morte e o descanso eterno só vem depois de quatro anos.
Manny só pode sair da Terra dos mortos assim que a cota de vendas for atingida, mas ele não consegue vender muitos pacotes. Desconfiado de que algo o está impedindo, ele se mete em diversas confusões. O jogador tem quatro anos pra desvendar mistérios entre crimes, corrupção e cobiça, obter pistas, recolher objetos, resolver enigmas e diversos quebra-cabeças para ser salvo.

5º Maniac Mansion – Day of The Tentacle


A seqüência de Maniac Mansion foi lançada em 1993, pela empresa de George Lucas, a LucasArts, e traz como protagonista Bernard Bernoulli, o único personagem jogável do primeiro jogo. Ele divide espaço com a insana Laverne e o roqueiro Hoagie. Uma das criações do Dr. Fred Edison bebe água contaminada com radiação de um lago, o que o leva a uma mutação com o desejo de dominar o mundo.
Bernard e os amigos planejam voltar no tempo usando uma máquina do tempo criada pelo doutor, para que possam impedir a criatura de beber a água infectada. Mas um problema durante a viagem acontece, separando os amigos em diversas eras.

6º Indiana Jones and the Fate of Atlantis

Publicado pela LucasArts, Fate of Atlantis foi lançado em 1992, mas a história do jogo se passava no ano de 1939, quando Indiana Jones enfrenta, com a ajuda de Sophia Hapgood, o oficial nazista Klaus Kerner. O jogo disponibiliza três caminhos diferentes para chegar até uma parte central do jogo.
No primeiro caminho, Wits Path, Indiana tem que usar muito o cérebro para solucionar problemas. O segundo, Fists Path, tem quebra-cabeças mais fáceis e muitas lutas. O terceiro e último percurso, Team Path, tem a Sophia e outros quebra-cabeças. Cada um dos caminhos possui personagens diferentes, novos objetos e lugares para serem descobertos.
Para os jogadores que terminarem todos os quebra-cabeças em todos três trajetos e todas as formas de soluções de problemas, recebe 1000 pontos de QI.

7° Loom

Loom é um jogo do início da década de 90, feito pela LucasArts. Trata-se de uma fantasia envolvente e complexa, que mostra um mundo com uma mitologia original. No início, o personagem principal descobre que sua mãe alterou a harmonia da realidade, trazendo caos ao mundo. Com um final surpreendente, Loom não é um jogo como os outros. O enredo não mostra a luta do bem contra o mal. E por ser muito mais complexo do que isso merece ser jogado.
Inicialmente, a idéia era de que o game fosse uma trilogia épica, assim como Senhor dos Anéis, mas nunca existiu mais do que um Loom.

8° Return to Zork

Esse game faz parte da série Zork, originalmente lançada nos anos 80 pela Activision. Em Return to Zork, o personagem ganha uma promoção que dá viagem de férias para o Valley of the Sparrows. Ao chegar lá, ele descobre que o lugar está coberto pela escuridão. Todos os edifícios parecem ter desaparecido, urubus e abutres infestam o lugar, as pessoas que lá moram têm pesadelos com um inimigo que parece ser o responsável por toda a desgraça. O objetivo do protagonista é sobreviver aos perigos incontáveis enquanto explora o vale. Ele deve investigar as causas dos poderes que tomaram conta da terra, para acabar com toda a influência sinistra.

9° The Legend of Kyrandia

Lançado em 1992, pela empresa Westwood, foi o primeiro de uma trilogia de sucesso. Com elementos de comédia, The Legend of Kyrandia começa quando um personagem maligno, Malcolm, assassina o rei William e a esposa dele. O príncipe Brandon, filho do casal, é escondido na floresta por Kallak, conselheiro do rei. Malcolm destrói a floresta e encontra o conselheiro, transformando-o em pedra. O príncipe, após desvendar suas origens, descobre que Malcolm roubou um artefato místico que contém energia para reinado. Com a pedra em mãos, Malcolm se torna rei.
O jogador entra na pele de Brandon, e deve fazer uma jornada por toda Kyrandia e coletar vários itens para abrir o castelo e derrotar o inimigo. Durante o percurso, diversos quebra-cabeças, mistérios, e criaturas fantáticas são encontrados.

10° Snatcher

Escrito e dirigido por Hideo Kojima e produzido pela Konami, esse game saiu em 1988. Ele segue influências de filmes de ficção científica, como O Exterminador do Futuro e Blade Ruuner. O jogador entra na pele de Gillian Seed, que foi encontrado juntamente com a esposa, Jamie Seed, na Zona Neutra Siberiana. Os dois, em estado de amnésia, são levados em custódia pela 17ª Força de Investigação Siberiana. Um ano mais tarde, perdido mentalmente e após tentar reatar em vão seu casamento, Gillian se separa de Jamie. Gillian recebe treinamento militar e é ordenado a se apresentar na Sede da J.U.N.K.E.R., um projeto criado para combater uma misteriosa forma de vida artificial, os Bio-roids, que assassinam os humanos para tomar conta da sociedade.

 

Além desses adventures, alguns jogos de mistério e terror point-and-click também poderiam ser re-lançados para WII.  Eis o Top 5 de jogos de mistério/terror:

1º Phantasmagoria

Lançado em 1995 pela Sierra, Phantasmagoria foi um dos primeiros jogos de aventura a usar um ser humano como personagem principal. A atriz Victoria Morsell passou meses gravando as centenas cenas de ações que os jogadores podiam fazer com que ela fizesse.
Phantasmagoria mostrava violência e sangue gráfico, além de uma cena de estupro. O jogo trouxe muitas controvérsias sobre restrições de idade e sobre os públicos-alvos. Foi banido na Austrália, e grandes lojas dos EUA se recusaram a vendê-lo. O jogo tem uma boa história que é contada de forma interessante e faz com que o jogador fique muito curioso em saber o que acontecerá a seguir.

2º The 7th Guest


Publicado em 1993 pela empresa Virgin Interactive, The 7th Guest conta a história de Henry Stauf, um homem que perde todo seu dinheiro. Em uma noite ele resolve roubar, e mata uma mulher para pegar a bolsa dela. Após o assalto, ele acaba dormindo e sonha com uma boneca. Ao acordar ele produz a boneca, que é vendida ao dono de um bar. Com o sucesso pela venda, Stauf não para de produzir bonecas baseadas nos sonhos que tinha toda noite. Mas alguma coisa começa a matar todas as crianças que brincavam com os bonecos de Stauf. As pessoas começam a perseguir Henry, que se esconde em uma velha casa, onde tem sua última visão, a de uma mansão enorme feita unicamente para assustar as pessoas. Ele então constrói a casa e quando termina, convida seis pessoas para passar a noite. Depois daquela noite, todos desaparecem, mas os rumores se espalharam de que haveria um sétimo convidado.
Como jogador, sua tarefa é desvendar os jogos de Stauf, vasculhar a mansão, observando as aparições fantasmagóricas que contam os acontecimentos daquela noite e finalmente descobrir o que aconteceu naquela casa.

3º Shivers II – Harvest of Souls

A continuação de Shivers saiu em 1997, pela Sierra. O game começa com o jogador chegando em um hotel. Ao entrar no quarto do hotel, ele recebe a mensagem “estou com seus amigos e só um guerreiro pode libertá-los”. Após ver a mensagem, o protagonista dorme e tem um sonho estranho que envolve a destruição de um carro e de um corpo. Quando acorda, tudo começa. A missão do jogador é explorar a cidade vazia e ver o que está acontecendo na cidade e onde estão todos.
Shivers II – Haverst of Souls é repleto de puzzles e enigmas a serem desvendados. Os lugares a serem explorados são vários, como banco, barbearia, casas e até um cemitério. É de prender a atenção de qualquer um.

4º The Beast Within: A Gabriel Knight Mystery

Mais um game lançado pela Sierra, em 1995. Ele conta a história de um caso de lobisomens pela Alemanha. Os protagonistas são Gabriel Knight e Grace Nakamura. Diversas cenas são feitas com base em fotografias digitais de lugares reais. Esse segundo game da série Gabriel Knight acompanha novas cenas de assombração e muito mistério. A missão do jogador é descobrir o que está causando uma séria de assassinatos.

5° Myst


Lançado em 1995 pela empresa Cyan Worlds, Myst fez muito sucesso e já teve até um remake para o Nintendo DS. O grande problema de jogar nas telinhas do portátil é que, como as imagens do jogo não foram tão melhoradas, algumas coisas são difíceis de ler.
Myst é um jogo de mistério que se passa em um mundo diferente do que conhecemos, que foi criado por um homem com poderes de transformar os livros que escreve em realidade. O protagonista começa o jogo nesse novo mundo, cheio de enigmas.Trata-se de uma ilha isolada e desconhecida, composta por três grandes construções. Mas algo está errado, e o personagem foi enviado com o objetivo de desvendar toda a trama e mistério que envolve o mundo de Myst.

 

Pessoal, encham a caixa de e-mail de todas as empresas que gostariam que lançassem remakes dos jogos que mais marcaram a vida de vocês. Imaginem só um Full Throttle todo em Cel Shading, assim como The Legend of Zelda: Wind Waker. Não seria o máximo?

Nos siga no Twitter das Girls of War

Bruna Torres
Share on Tumblr
Feed do Post
44 Comentários em "Jogos Point-and-Click que merecem remakes"
  1. 24/02/2010

    Full Throttle, Monkey Island, Grim Fandango… Wow! Boa, Bruna!

  2. Jay
    24/02/2010

    Interessante notar que o gênero está passando por um período de renascimento, mesmo que em pequena escala. Alguns jogos bons para PC (se não me engano saiu um novo Monkey Island ano passado) e outros aproveitando das interfaces novas do Wii e do DS, com destaque para a série Ace Attorney no segundo.
    Até que não tá ruim, mas não é nem metade do que o gênero já foi, infelizmente. =/

  3. Moisés
    24/02/2010

    Sniff… Caiu uma lágrima de nostalgia aqui…

    Aprendi inglês com esses jogos.

  4. Juliana
    24/02/2010

    Saudades de Full Throttle e Phantasmagoria, que me matava de medo, eheheh! Bons tempos! Deu até vontade de jogar esses dois de novo!!!

  5. 24/02/2010

    Se você não tivesse comentado ainda eu iria comentar “a Bebs NEEEEM deve ser LOUCA por Snatcher, sendo produzido pelo maledeto…”
    xD~

    Eu infelizmente não tive experiências com point-and-clicks, mas conhecia Myst e alguns outros da lista (acho que todo mundo conhece Monkey Island :P). Queria ter aproveitado mais essaépoca, mas enfim ^^

    Ótima matéria o/

  6. Vagner
    24/02/2010

    A desses ai definitivamente o que mais curti na época foi Grim Fandango, nossa esse está no hall de melhores joguem que joguei para o resto da minha vida…

  7. Vic
    24/02/2010

    O primeiro police quest é irado! e o spacequest V tambem!

  8. georges
    24/02/2010

    nostalg,ia total.
    Principalmente o phantasmagoria.

  9. 24/02/2010

    um q eu curti jogar foi o midnight nowhere.
    http://www.youtube.com/watch?v=5lLxkr5ovM8
    esse eh massa viw! nem soh muito fan de jogos assim mas midnight nowhere eu achei FODA!

  10. 24/02/2010

    Ah, eu amo esse tipo de jogos *_*
    Eu me lembro de uns mais antigos, bem underground para o pc que eram realmente bons

  11. 24/02/2010

    Esse é o verdadeiro tempo bom que não volta nunca mais.

  12. Murak
    24/02/2010

    Bacana, só jogos clássicos ali, bem que eu queria ver um remake de Day of Tentacle.

  13. 24/02/2010

    Ai ai que saudade mesmo viu!
    Adoro myst, jogo no ds ainda hahaha
    Adoro esses jogos point-and-click, eu adorava um do discovery channel, bem antigao haha

  14. Marcelo
    24/02/2010

    Eu acho que pode ate ter remakes, mas existem eras dos jogos adventure. Primeiro foi a era só texto, depois com gráficos estáticos (essa com varios jogos nacionais na decada de 80), depois os adventure com escrita (police quest, larry original), depois o point and click, agora estamos na era do heavy rain.

    Se bem que estou jogando um point n click relativamente recente o Secret Files: Tunguska (PC e Wii).

  15. 24/02/2010

    Grin Fandango e Full Throttle acho que foram os primeiros jogos originais em portugues (narrado e legendado) que joguei aqui no PC. Old school mesmo

    Grin fandango era surreal bagarai a historia hahaha. Era doido aquele monte de ideias filosoficas sobre vida e morte

  16. thisisbhering
    24/02/2010

    funny thing.
    eu lembro dessa matéria.

    Do 1 ao 5 joguei todos na minha infancia com exceção de gim fandango q joguei ainda ano passado.
    Não lembro o preço na época mas não eram caros como os jogos de hj em dia e a Brasoft fazia legendas em português de qualidade.

    Boas sugestões nos jogos de terror

  17. Juju
    24/02/2010

    NOssa Full Throttle, Grin Fandango e The Curse of Monkey Island eram meus preferidos! *_*

    Um otimo jogo point and click recente eh Machinarium, ADOREI o jogo, o visual(steampunk), som, dificuldade, tudo!

    http://www.youtube.com/watch?v=uwZBdWRSBRs

    • Carlos Gasparetto
      25/02/2010

      Verdade, esse Machinarium é mto bem falado, ainda quero jogar. Joguei tbm o novo Monkey Island (dividido em episódios como o Sam & Max) e achei bem bom. Tem tbm um bom adventure mais moderno, Syberia (saíram 2 jogos e parece q vem um terceiro aí). Saíram ali por 2003, 2004. Lá na Europa esse tipo de jogo ainda tem mais espaço, então é de lá q estão vindo as novidades.

      E ótima matéria, mta nostalgia com Monkey Island, Grim Fandango, Loom, Myst… parabéns.

    • 25/02/2010

      perfeito mesmo

      to até querendo comprar ele pelo steam

      joguei ele e fiquei emocionada tb hehehe tão fofis!

  18. Ruston
    24/02/2010

    Caramba, eu quase chorei de emoção quando vi o artigo. Vi boa parte dos jogos que marcaram minha infância por meus olhos :)

  19. Vic
    25/02/2010

    @juju esse adventure é irado!!!! Os graficos são lindos, trabalhados ao minimo detalhe. O bom é que tem um sistema de “dicas”. E os puzzles são bem bolados nem muito facil nem muito dificil.

  20. 25/02/2010

    Po, faltou a série King’s Quest, muito boa. Jogava o 6 no Compaq de um amigo meu (já que no da minha prima só rolava mIRC… mentira, tinha F4U Secret Sortie tb).

    The Dig foi meu primeiro jogo pra PC, que emoção! Eu lembro da véia aceitando me dar o jogo, assim do nada, só pq eu olhei com olhinhos grandes pra bela caixa =D

    Curse of the Monkey Island eu também tive, muito bom!

    Boa época que você chegava numa loja de informática, escolhia o jogo pela caixa sabendo quase nada a respeito dele em revistas e jogava até o fim. Hoje ou a gente tá mais seleto ou mais fresco…

  21. Esmerio
    25/02/2010

    Uns point-clicks divertidos também eram os da série Gobllins:
    http://en.wikipedia.org/wiki/Gobliiins

    Com vários puzzles e bastante humor! :D

  22. SuM
    25/02/2010

    Só uma curiosidade:

    Boa parte dos scripts dentro do código da série Monkey Island e Grim Fandango foram escritos em Lua, uma linguagem de programação brasileira. :-)

    Inclusive, se não estou enganado, existe um “Lua Bar” em Escape from Monkey Island. Um easter egg bem legal.

    Aposto que poucos sabiam que existia tecnologia brazuca dentro de duas das melhores séries dessa época.
    :-D

  23. Marcelo
    25/02/2010

    O Lua é usado em varios jogos atuais, entre eles World of Warcraft,
    Company of Heroes, Crysis e varios outros, veja a lista em http://en.wikipedia.org/wiki/Category:Lua-scripted_video_games

    • SuM
      25/02/2010

      Sim, esqueci de comentar isso!
      FarCry e Crysis são alguns “joguinhos simples” em que ela ainda é utilizada. :-)

      Viva Lua! :-D

  24. 25/02/2010

    Olha Dona Towers, não sei sobre isso não.

    Eu gosto do estilo desses jogos (principalmente Full Throttle, The Dig e Monkey Island) do jeito que eles são, com o mesmo estilo gráfico.

    Tenho medo dessa onda de remakes de hoje em dia, onde a konami conseguiu DESTRUIR um jogo excelente (TMNT, Turtles in Time: Re-Shelled)supostamente “melhorando” os gráficos em detrimento de conteúdo.

    Depois dessa, eu prefiro que deixem meus jogos como estão mesmo.

  25. Cabs
    25/02/2010

    o primeiro adventure que eu joguei foi grim fandago, foi muito divertido!!

    depois jogheu monkey island, e sam e max!!! faltou realmente Sam e Max nessa lista, é um ótimo jogo!!!!

  26. Bruno66
    25/02/2010

    Vale lembrar que o Grim Fandango estava dublado em português. Gostei bastante.

  27. jack_
    25/02/2010

    Acabei de voltar no tem, na epoca em que jogava com meu pentium 100.

    Joguei muito desses jogos e gostaria de voltar a jogalos.

    Que venham os Remakes

  28. Marcelo
    25/02/2010

    Esqueceram de um que era melhor que o police quest. Blue Force.

  29. Marcelo
    25/02/2010

    Por falar em adventure point n click, esta para sair um documentario sobre adventures em texto =)

    http://www.getlamp.com/

  30. zano
    26/02/2010

    Muito boa matéria, não foi perfeito porque esqueceu umas das melhores franquias e que fez esse gênero ficar famoso, King’s Quest.

    Full Throttle e The Dig são clássicos absolutos dos games. The Dig daria realmente um excelente filmes nos cinemas.

    • 26/02/2010

      Nao esqueci não, é que fiz um top 10… dai não tinha como colocar mais um

      e um top 5 de terror

      =D

  31. 26/02/2010

    Gosto muito do estilo. A série Myst tenho todos! Recomendo alguns novos:
    Art of Murder: FBI Confidential
    Memento Mori
    Dracula: Origins
    Machinarium

    • sirlei
      12/08/2010

      o que tenho que encontrar no museu e como saio dele no game Art of Murder: FBI Confidential?

  32. thisisbhering
    26/02/2010

    Alguns nem precisam de remake,podem ser jogados no Wii com um wiimote com a versão do Scumm VM própria para o console, as instruções de instalação podem ser encontradas na internet. Estou no momento jogando The Dig novamente (infelizmente meu original estáo em uma caixa em algum armazem perdido “sendo analizada por especialistas”.

    Qualquer dúvida usem a internet, se isso falhar, me peguntem.

  33. Terrivel
    28/02/2010

    To surpreso: Lembraram de Zork! Poucas pessoas sabem que essa série existiu, e eu ainda acho muito legal – fora que desde que conheço a série, sempre deixo algo acesso ou luminosos perto de mim quando durmo ;)

    O primeiro Monkey Island ganhou remake e o famigerado quinto episódio ficou bem legal nas mão da Telltale. Se sentem tanta saudade, saibam que existem toneladas de adventure games (o termo original para os games point-&-click) saindo hoje em dia: existe um editor de jogos que permite que você faça o seu próprio adventure – e tem muita gente que faz, e faz bem feito! O link é: http://www.bigbluecup.com/games.php

  34. Jenny
    02/03/2010

    Oi gente sou nova por aqui mas sempre que posso acompanho as noticias,tva lendo essa materia quando me lembrei de um outro game muito legal acho q o unico game de ”terror” do snes

    chamado Clock Tower que tem todos da serie point and click menos o 3

  35. Renan Rodrigues
    03/03/2010

    Sempre gostei de point and Clicks, mas nunca joguei nenhum desses clássicos.
    Eu até tenho o episódio 1 do remake de Monkey Island (tava de graça num dia do ano passado), mas não consigo jogar porque estou sem placa de vídeo.

  36. Rods
    06/07/2010

    Realmente esses todos dão saudade, mas recentemente ano 2009 foi lançado Machinarium e superou todas as espectativas e muito mais, o game é fantatiscom com graficos, sons, puzzles é d+

  37. victorfoll
    01/09/2010

    Vocês poderiam fazer uma matéria sobre um dos maiores jogos do estilo de todos os tempos. Black Dhalia. Eu estava com o original dublado e com 8 cds. Foi um dos melhores jogos que já joguei e um dos unicos em português com uma dublagem esplendida que já pude ver.

  38. Thaylan
    22/01/2016

    Eu tinha o cd-rom de um vagalume falante que morava num sótom e viajava pelos planetas do sistema solar, dai a gente tinha que clicar nos cenários pra ir abrindo os clip arts

    Alguém sabe qual é?

Crie uma conta no gravatar.com para colocar sua foto nos comentários.

Sempre que comentar em algum blog com o email cadastrado, aparecerá sua imagem.