O Maravilhoso Videogame

Por Clarice dos Santos

Tenho notado há alguns dias o “espanto” de alguns gamers que visitam o Girls of War por ele ser escrito não por garotas que gostam de games, mas sim, que amam e dedicam um tempo de suas vidas para curti-los. Fico feliz em saber que acabamos um pouco com o preconceito de que “videogame não é coisa de menina”.

Mas, independente disso, uma outra coisa que chama a atenção das pessoas é o videogame em si. Você, gamer, fale sobre o assunto com uma pessoa que é totalmente leiga ou que simplesmente conhece, mas não tem acesso a mais informações: a reação normalmente é a mesma, que são os olhinhos brilhando. Claro, há quem diga que videogame é “coisa de criança”.

Lembro do famoso documentário da Discovery Channel ‘A Era do VideoGame’ que nos informa como essa indústria nasceu e o porquê (me corrijam se escrevi isso errado por favor) de nos fascinar tanto – e pensar que tudo começou por motivos militares!

No Documentário foi citado que o fato de termos o controle de uma situação, fazer e ser o que quiser é o que torna o videogame tão atraente: um vampiro, uma amazona, um baixinho bigodudo, uma bolinha amarela que come tudo pela frente…tudo isso para quem vive uma rotina diária cansativa é maravilhoso, é um jeito de “desligar” um pouco do mundo real e liberar um pouco o estresse. (Particularmente, quando estou estressada adoro jogar Resident Evil, Street Fighter, God of War, Devil May Cry, Metal Gear…rs)

A sensação de jogar Penguin Adventure quando pequena e perceber que o pinguinzinho respondia aos comando que eu dava no teclado do MSX foi linda! Fiquei mais impressionada ainda com a evolução dos games: os 16 bits do SNES e do Genesis; Fatal Fury/KoF do Neo Geo; as animações e filmes do 3DO (Quando vi Dragon’s Lair e Road Rash o queixo caiu!); o surgimento dos portáteis (minha paixão era o Game Gear…tela colorida! *_*); os jogos em 3D do Nintendo 64,Saturn, DreamCast e PlayStation, e além disso ver a evolução dos personagens que surgiram nos primórdios do videogame até hoje é emocionante. Lembram do Mario que era só alguns pixels e mesmo assim já era simpático?*rs*

Nós, autoras do Girls of War, ficamos felizes por ter conhecido essa Arte desde pequenininhas e continuamos a alimentar essa paixão até hoje, o que incentivou a criação desse blog e compartilhar opiniões, conhecimentos e curiosidade com vocês leitores do GoW.

Muito Obrigada!

 

Clarice dos Santos
Share on Tumblr
Feed do Post
13 Comentários em "O Maravilhoso Videogame"
  1. Wellington Ramos
    20/08/2008

    Caiu uma lágrima depois de ler o texto do tópico :)

    A medida que fui lendo cada palavra, as lembranças de tantos jogos já jogados vinham a mente. Tanta coisa boa, supresas, jogos queridos…

    Um grande mundo mágico com tantas coisas para experimentar!!

  2. Ric
    20/08/2008

    Videogame pra mim, está além do que muitas pessoas vêem.
    Com 32 anos nas costas, ainda me junto com meu afilhadinho e morremos de dar risada jogando tudo quanto é game. Ou sozinho mesmo, até de madrugada, chutando bundas de alienígenas e zumbis.
    Desde molequinho que isso me fascina, lembro que me matava de jogar “Senhor das Trevas” no Odissey, até no famigerado TK 90X Color eu brinquei com pixels que maravilhosamente mudavam de cor ao meu comando!!!! Incrível!!!! Entrei em estado de Alfa com os games do “Amiga” (o primeiro Street fighter feito pra ele).
    Lembro de quando ví o Alex Kid… o primeiro comercial brasileiro de “Altered Beast” pro Mega Drive… nossa… não conseguia dormir de noite! Minha cabeça quase explodiu!
    Hoje continuo como aquele moleque cabeçudo, fascinado por video games. Torço pra por as mãos em cada lançamento, adoro falar sobre o assunto, entro na história, vibro, me emociono, fico furioso e tantas outras emoções que só quem tem “press start” correndo nas veias sabe como é.
    Mas hoje também vejo os games como referência. Trabalho com Design e ilustração, os games sempre foram uma grande fonte de inspiração pra mim. Sempre pesquiso “art books” dos games que acho a criação artística primorosa (atualmente estou caçando imagens dos ilustradores de Soul Calibur). Gosto das boas histórias, dos roteiros e tudo que envolve a criação dessas obras de arte.

    Agradeço a essa “coisa de criança” por me moldar no que sou hoje, meio nerd, artista, crianção e divertido. Esse é meu “Mojo”, meu “Midichlorian”, meu “Um Anel”, meu “Hadouken”, meu “T-virus”, meu “Triforce”.
    E vou brigar com meus netos pela minha vez nos controles… se Deus quiser!

    Adorei o post!
    Beijos.

  3. 20/08/2008

    Vocês ficam emocionados com o mundos games, é?

    Eu sou exatamente igual. Um gamer por natureza, um futuro roteirista e game designer e um colecionador de action-figures de jogos e art-books.

    Mas se vocês querem chorar de emoção, coloquem os fones de ouvido, apaguem as luzes e assistam isso: (É sério…não vai dar susto)

    http://www.youtube.com/watch?v=IUbyMxSfSs4

  4. luizbm
    20/08/2008

    Que coincidência mencionar o documentário da Discovery, A Era do VideoGame”, porque eu estou baixando todos os episódios que achei em sites de torrents agora mesmo.
    O mundo dos games é muito rico e diversificado, e quando vi esse blog fiquei maravilhado com o texto maravilhoso e tudo mais, mas o que mais me atraiu foi o fato de ser um blog de games feito por garotas, o que é bem raro, e reúne duas das coisas que mais amo (nem preciso dizer quais são, né?). E inclusive, Ric, os games também são uma fonte de inspiração pra mim, também baixo artbooks de games, procuro neles novas idéias de desenhos e fico fascinado com o talento de gênios como Shigeru Miyamoto e tantos outros. Também baixo álbuns de músicas de games, que eu nunca imaginava conseguir um dia, só depois de comprar um PC e ir descobrindo as coisas. Normalmente tudo o que tem a ver com games me interessa, e até fiz questão de ensinar minha mãe e minha irmã a jogar games, e aliás, a minha mãe conhece praticamente todos os personagens do Mario e Donkey Kong, também né, o que ela mais joga são esses mesmo, eu chego a dar risada quando o Mario tá caindo no abismo e minha mãe fica nervosa balançando o joystick… huahuahuauhuh!
    Vocês são demais, garotas, e é realmente uma pena não morarmos todos num mesmo lugar..

  5. 21/08/2008

    Ótimo post Clarice…

    Se a vida é um jogo, e muitas vezes ela realmente o é, tenho certeza que os games me ensinaram muito, desde minha época de moleque, e continuam ensinando até hoje.

    Aquelas coisas de nunca desistir, por mais difícil que as coisas estejam sempre haverá uma saída, um final… Nunca trapacear, saber da importância de fazer as coisas certas no tempo certo, lembrar que quando a coisa está ruim, ela sempre pode ficar maior e ocupar a tela inteira, mas ainda assim haverá um jeito de contornar a situação…

    Se tudo não passa de um game eu sou um daqueles que vai seguir em frente, ou melhor, vou seguir com meia lua pra frente e soco…rsrs.

    Filosofias de boteco a parte, os games sempre foram fonte de inspiração e tenho sorte de hoje também poder fazer com que sejam parte do meu trabalho.

    E claro, é sempre bom poder contar com um reduto de boas informações e boas conversas como este aqui, ainda mais idealizado e escrito por 3 gamers tão dedicadas quanto eu.

    Estão todas de parabéns.

    p.s.: embora concorde que seja fisicamente complicado dou um super apoio a idéia da confraternização

  6. Ric
    21/08/2008

    Rebeca!

    Valeu pelo link! Estou aqui babando até agora! E que bom saber que tenho uma colega dessa sofrida e amada profissão que também compartilha a paixão por games! :-) É bom para trocar infos e experiências profissionais! Espero podermos conversar mais!

    Grande beijo!

  7. Ric
    21/08/2008

    Arthur, também sou colecionador de Action figures cara! Legal saber que tem alienígenas da mesma espécie que a minha por aqui! kkkk… Quais os modelos que vc mais se dedica a colecionar?
    Sou fã dos actions da McFarlane e da NECA, mas em especial da série de Dragões, personagens de filmes e Video Games. (resumindo, um pouco de tudo… rs…).

  8. Clarice dos Santos
    21/08/2008

    @Arthur: Meu deus,amei esse vídeo :ó(.
    Muito Lindo!!!!

    @Rebeca: Noss,essa fase do Castlevania IV eu peneeeei pra chegar nela quando eu era pequena.Agora consigo chegar fácil,mas era tão legal o desafio antigamente xD~
    huauhahuauhahu

  9. Darth
    21/08/2008

    Seria otimo se tivessem mais mulheres como vocês ehehehhehee
    se fosse so pessoas tb seria bom, muito gente ainda acha que é coisa de criança ainda.

    Video-game is Life.

  10. 21/08/2008

    Por isso que eu sempre digo, games é coisa de menininha
    hauhauha

  11. 21/08/2008

    Gostei de ver este blog!!!

    keep going! ;)

  12. 22/08/2008

    A Clarice definiu muito bem o que todos nós gamers sentimos em relação a essa nossa paixão que são os games. Eu também acompanho essa maravilhosa indústria a mais de duas décadas (tenho 28 anos) e, mesmo não trabalhando em desing ou arte, acredito que essas anos todos de jogatina contribuíram e muito para a minha formação enquanto cidadão e profissonal. Além de ter proporcionado muitos dos meus melhores momentos…

  13. 25/08/2008

    Sensacional!
    e como citou a Rebecca..eu tbm adorava jogar o Shadow Dancer quando era criança…era mto bom o tempo que eu só estudava…jogava video-games e assistia cavaleiros do zodiaco na extinta Manchete ( e outros desenhos )… na noite que meu irmão levou o Sonic 2 em casa, eu nem consegui dormir a noite direito…o mesmo aconteceu com o World of Illusion..aquele do Donald e do Mickey XD
    pena que estes tempos não voltam mais…

    é estranho pq na época eu achava mto difícil…hj emulei no pc, e achei facinho…não sei se a gente evolui, ou os jogos de hj são mais dificeis o que nos da mais experiencia como jogadores…

    hj tenho 24 anos…nao tenho mais VG, mas se Deus quiser em breve estarei com meu XBOX 360 e a vida continua.
    Ou será “os jogos continuam” ?

    abss

Crie uma conta no gravatar.com para colocar sua foto nos comentários.

Sempre que comentar em algum blog com o email cadastrado, aparecerá sua imagem.