Enquanto Lords of Shadow não chega…

Tags: Análises, Artigos, carrie fernandez, Castlevania, cornell, dracula, hector, leon belmont, lords of shadow, N64, Nintendo 64, ps2, ps3, psp, reinhardt schneider, sonia belmont, Trevor Belmont

Por Clarice dos Santos

Lords of Shadow

Enquanto esperamos ansiosamente pelo mais novo Castlevania (PS3 e X360) entitulado Lords of Shadow, podemos relembrar das tentativas da Konami em fazer um Castlevania 3D, a maioria frustradas e que desagradaram muito os fãs da série que preferem o estilo plataforma “de ser” da série que nasceu no NES em 1986.

Começando por ordem de lançamento:

Castlevania 64 (Nintendo 64)

Esse sim é considerada uma tentativa extremamente horrível de se criar um Castlevania em 3D. Na época, com a internet discada e lenta pra caramba, lembro até hoje da ansiedade em ver o trailer do mais novo Castlevania para Nintendo 64, totalmente 3D. Nossa, que legal, será um jogo lindo… NOT.

Fui uma guerreira e consegui jogar esse aborto da natureza até o fim. Para começar, você não joga com um Belmont (ta, Bloodlines

Essa foto pode ser um spoiler FDP!

também não era Belmont e não era ruim) mas sim com Reinhardt Schneider e Carrie Fernandez. Reinhardt é descendente da linhagem dos Belmont, podendo assim carregar a Vampire Killer, e Carrie é descendente dos Belnades, a mesma família de Sypha de Castlevania 3: Dracula’s Curse. Ta, até que tem um pouquinho de lógica, mas Fernandez? Schneider?

A jogabilidade é terrível, horrenda, odiável, nojenta, e mais um monte de xingamentos que ela merece. Trocentos botões para suas ações, a câmera nojenta que simplesmente não deixa você enxergar onde você está pulando/andando. Os gráficos até que são “passáveis”, a trilha sonora é inexistente – é gente, sem “Bloody Tears”, “Vampire Killer” e outras musiquinhas legais da série – e o enredo é TOSCO DEMAIS! O que salva é o Drácula todo saradão no fim do jogo!

Castlevania Legacy of Darkness (Nintendo 64)


Seguindo a mesma podreira do primeiro game lançado para o mesmo console, neste game você controla Cornell, um lobisomem que tem a irmã – que na verdade não é irmã coisíssima nenhuma, mas é irmãzinha do coração,vai? – seqüestrada e levada pra um imenso castelo (Duh!).

No meio do caminho ele encontra Reinhardt, Carrie, entre outros personagens, alguns presentes em Castlevania 64 ou não. Consegui jogar só uns 5 minutos desse jogo, mas pretendo um dia pegar o game emprestado para jogar no console. Mas não precisa ser muito gênio pra ver o nível da caca do negócio.

Castlevania Resurrection (Dreamcast – CANCELADO)

Quem estava com saudades de Sonia Belmont LEVANTA A MÃO.

Uma Condessa doida-varrida de Castlevania (WTF?), desejando o retorno de Drácula, cria um portal para trazê-lo de volta ao Mundo, criando assim um desequilíbrio entre o Bem e o Mal. Os poderes da Luz convocam Sonia Belmont – primeira protagonista feminina da série que perdeu seu trono para Shanoa, já que foi APAGADA da cronologia oficial – e Victor Belmont, um descendente da família dos anos 1800 que não quer saber de seu destino como caçador e tentou fugir, infelizmente em vão.

Bem, por não botarem “muita fé” no Dreamcast e nesse game – que tem um enredo HORRÍVEL por sinal – Castlevania Resurrection foi cancelado exatamente no mesmo dia em que a Sony anunciou o PS2. Ainda bem que resolveram trabalhar no game abaixo, pois o AMEI!

Castlevania Lament of Innocence (Playstation 2)

Muitos podem me apedrejar, mas eu AMO esse jogo!!! Esse sim ficou um Castlevania 3D animal, lindo, dublado e com um enredo muito bom até.

Em Lament of Innocence finalmente descobrimos porque os Belmonts querem tanto destruir Drácula ao passar dos anos. Leon Belmont e Mathias Cronqvist são grandes amigos e lutam lado a lado pela igreja, até que a esposa de Mathias adoece e acaba falecendo, fazendo com que ele fique de cama, todo deprê. Um ano após o ocorrido, Mathias sai de sua cama e avisa Leon que Sarah, sua noiva, foi raptada por um vampiro e levada pra um Castelo localizado em uma floresta chamada “Noite Eterna” (Eternal Night). Contrariando as ordens da Igreja e abrindo mão de seu título de Barão, Leon vai de mãos abanando atrás de Sarah – achou que ia dar um tapa na cara do vampiro, retardado? – e encontra Rinaldo Gandolfi (Gandalf??) no meio do caminho, que lhe entrega o Chicote de Alquimia (Whip of Alchemy).

Depois de um tempo, descobrindo algumas coisinhas sobre o véio, Sarah e Mathias – não vou contar spoiler – eis que a Vampire Killer nasce e bota tudo pra quebrar!

Os gráficos são lindos (com exceção dos dedinhos meio quadrados, mas são meros detalhes), a trilha sonora é muito boa e a jogabilidade dá umas babadinhas de vez em quando – tipo você tenta desesperadamente agarrar um “ferrinho” com o chicote pra pular do outro lado, e você acaba caindo no chão – mas o game é muito bom. Tirando um pouco a dublagem “forçada” do Leon e os cenários um tanto quanto repetitivos, até que é bem legal. Adoro!

Castlevania Curse of Darkness (Playstation 2)

Sequência direta de Castlevania 3: Dracula’s Curse, Curse of Darkness conta com Hector como protagonista, ex-servo de Drácula que se rebela ao descobrir os verdadeiros planos do Conde – como se ele não soubesse antes de ser seu servo? Dã! – e vira as costas para seu antigo mestre e também para seu amigo, Isaac-bicha-louca. Longe do vampirão, ele se apaixona por Rosaly e vive uma vida normal, até que sua esposa é morta pelo povo acusada de bruxaria, forçando-o a presenciar tudo (onde já ouvimos isso antes? Hein? Hein?).

Extremamente emputecido, Hector vai para as ruínas do Castelo de Drácula, que fora destruído por Trevor e seus amigos (título clichezãooo) e encontra Isaac, responsabilizando-o assim de espalhar que Rosaly praticava bruxaria, despertando a maldição lançada por Drácula no coração dos homens.

O game inteiro é um “gato e rato” com Hector perseguindo Isaac e sendo forçado a recuperar seus poderes maléficos de um “mestre forjador de demônios” (Devil Forgemaster… ta, eu sei, tradução porca) e no meio do caminho ele encontra ninguém menos que TREVOR BELMONT. Extremamente fodástico, ele é bem chatinho de derrotar – na primeira luta o Hector leva uma surra linda dele – mas se torna seu aliado, portando não precisa se preocupar.

Os gráficos são tão bons quanto os de Lament of Innocence, a dublagem melhorou bastante, a trilha sonora ficou lindona, mas a jogabilidade foi CAGADA! Estilo RPG, ou seja, Hector aumenta de nível, assim como os “bichinhos” que ele vai criando que evoluem conforme as pedrinhas – que parecem Rupees por sinal – são liberadas dos inimigos dependendo do tipo de arma que você os ataca.

Falando em arma, o mais chato é ter que criar armas com os itens que são derrubados pelos inimigos. Se você pega uma espada com um tamanho “normal”, ele ataca rápido, aí ta tudo belezinha. O problema é quando criamos um machado que é o dobro do tamanho do Hector, e é lento pra cacete pra atacar. Tá, o negócio dá um dano fdp no inimigo, mas também tem que compensar o monte de porrada que levamos só de tirar o bicho do chão e tacar na cabeça do monstro, extremamente LENTO. Jogabilidade ruinzinha, viu?

Castlevania: The Dracula X Chronicles

Um jogo 3D plataforma!! Aeeeee!!

Remake do lindíssimo Rondo of Blood lançado somente no Japão para PC Engine, Dracula X Chronicles reconta a aventura de Richter Belmont em resgatar Annete, sua noiva, juntamente com outras garotas, entre elas Maria Renard, que se tornaria aliada de Alucard em Symphony of the night.

O jogo manteve o estilo plataforma mas os gráficos foram feitos em 3D. O jogo ficou bonitinho, não ficou AQUELA PERFEIÇÃO, mas ficou muito bonitinho, pena que os movimentos do Richter ficaram um pouco lentos, mas depois que você acerta o tempo dos golpes, o jogo fica ótimo. Para quem não gostou do estilão 3D, pode procurar pelo game a sua versão original escondida em alguma das fases e jogá-la, assim como uma versão melhorada de Symphony of the Night, com as falas redubladas e bugs arrumados.

Gostaram de relembrar de algumas tosqueiras – ou não – nos Castlevanias em 3D? Será que ficaremos livres de algumas pérolas nesse novo Castlevania? Só o tempo nos dirá, quando tivermos uma cópia fresquinha nas mãos! Castlevania Lords of Shadow será lançado para PS3 e X360, e vai ter uma “mãozinha” de Hideo Kojima no meio. Só quero ver no que vai dar.

Clarice dos Santos
Share on Tumblr
Feed do Post
50 Comentários em "Enquanto Lords of Shadow não chega…"
  1. 11/03/2010

    “Isaac-bicha-louca”
    Concordo plenamente. Eu acho ele meio emo até

  2. 11/03/2010

    Faz sentido Beb’s hmm

  3. georges
    11/03/2010

    Nunca joguei nenhum Castlevania em 3D.
    Acho q foi por falta de vontade mesmo.
    Eu tinha ele no super nitendo mas eu nao jogava ele muito.
    Voce disse q esse lament of innocence e bom entao eu vou procura-lo.

  4. 12/03/2010

    Os castlevanias depois do SC4 sairam todos cheios de personagens bichinhas, sem falar que TODOS os personagens homens ficaram uns andróginos bizarros, coisa que podemos agradecer ao nosso “querido” IGA o qual em suas próprias palavras queria mostrar em seus jogos que: “As forças das trevas podem ser combatidas com beleza e estilo e não só força bruta e macheza” (\,,\,Ò.Ó,/,,/), e ele tambem disse: “eu não me importo com a opinião do publico, eu faço o que eu acho melhor”…

    e apesar destes detalhes os castlevanias continuaram fodões, eu me orgulho de dizer que eu só comprei o PSP pelo DXC, mesmo que as personagens femeas pareçam ET’s animestyle, o richter pareça uma garotinha, e o dracula pareça um galã de novela mexicano.

    Eu estou feliz que o IGA tenha sido posto pra fora da jogada, e que o grande mestre supremo senhor dos games de espionagem HIDEO KOJIMA tenha assumido, só estou com medo das mudanças que ele pode fazer no enredo, tipo pelo que a gente sabe, pode nem se quer ter um drácula (akumajoo sem dracula?)

    Felizmente nunca joguei qualquer um dos “projetos” do N64 (entenda eu sou pobre pulei direto do MEGADRIVE pro Playstation)

    Só vamos esperar que o nosso querido “Castelo Demonio do Dracula” não se transforme num “Caçadores da Mascara Perdida”…

    • 12/03/2010

      Caassapaba, fiquei deveras curioso… De onde vem seu nick? :P
      Só pra saber mesmo, nada de mais

      • 12/03/2010

        Bem é uma estoria enorme

        você ja ouviu falar de São José dos Campos e Taubaté
        bem entre estes dois famosos municipios há um não tão famoso, Caçapava (Caassapaba em tupi o que significaria grande area desmatada).

        como eu estudei em uma celebre escola do municipio de SJC (COLEGIO DA EMBRAER N°1 NO ESTADO DE SP MOTHAFUCKA!) e fui o unico do meu ano a entrar na escola morando em caçapava (com algumas ressalavas), eu ganhei o feliz apelido de Caçapava, então fiz até um blog clique no meu nome para ver…

        espero que isso explique…

        • 12/03/2010

          Caçapava, a Cidade Simpatia (onde? :P)

          “Caminho ou clareira na mata”, foi o que me ensinaram quando estudava.

          É, perguntei porque eu SOU de Caçapava! OMG! xD~
          Cara, coincidência demais… XD

          • 12/03/2010

            ahuhauhauhauaauhuh aê caçapava na net, é roça mas pelo menos uma Ex-Vivax da vida aiinda existe pra fazer a alegria dos computeros

  5. 12/03/2010

    Até agora to tentando imaginar o que um Castlevania by Kojima pode nos conferir… Algo absurdamente fodão ou um face palm… u_u

    Imagino o personagem principal falando com uma voz grave e rouca, e uma centena de diálogos! O_O

    É verdade que este novo Castlevânia não terá ligação de roteiro com os outros? oO

  6. 12/03/2010

    Clarice, “retrospectiva” muito boa!!

    Eu não posso nem vou te apedrejar por gostar do Lament of Innocence por duas razões: primeiro porque eu nunca joguei seriamente os Castlevanias anteriores (no máximo o Symphony of the Night) e segundo porque também gostei do Lament, exatamente por ser 3D mas lembrar o jeito de jogar do Symphony.
    Também achei muito ruim a jogabilidade RPG do Curse of Darkness, nunca joguei mais de 15 minutos.

    E assim como muita gente, sou mais um temendo o que pode sair o Lords of Shadow…

    • Alessandro
      12/03/2010

      Essa eu não entendi , a jogabilidade de Symphony of the Night também e de RPG, inclusive eu gosteis mas da Curse of Darkness por que para mim ela e a Symphony of the Night em 3D

      • 12/03/2010

        É, me toquei disso depois q eu postei tb…rs.
        O problema do Curse of Darkness é essa de criar as armas e evoluir os “bichinhos”…é um pé no saco, e terminei o jogo sem evoluir adequadamente os meus monstrinhos, ou seja, o bicho só enchia o saco no meio da luta enquanto eu apanhava horrores.
        huauhahuahuahu

        • Vagner
          12/03/2010

          Também gostei mais da jogabilidade do Curse of Darkness.
          Puto eu ficava era justamente com aquela jogabilidade do LoI, toda fez que estava com pressa o Leon insistia em não agarrar na barrinha e ferro e SEMPRE caia e eu mais puto aindatinha que repetir todo o processo… u_u

  7. Master Kim
    12/03/2010

    Castlevania é em 2D e pronto, no máximo no estilo do psp que ficou muito bom (pelos videos pq nunca joguei).
    Acredito que esse novo será um jogo ruim e se for bom, será apenas um rack & slash genérico. Torço para que eu esteja errado e esse novo seja bom, mas tenho minhas dúvidas. Caso ele realmente nao corresponda às expectativas, a konami pode desistir de levar a série para 3D e pros consoles de mesa, ficando só nos portáteis onde manda muito bem.
    Os 3 jogos do nintendo DS sao magníficos.
    e nenhum superará o Symphony of the Night.

    • Vagner
      12/03/2010

      Justamente por isso que eu estou contando com a participação do Kojima para tirar de vez essa estigma de que Castlevania só vinga em 2D.

      Mas concordo definitivamente que Symphony of the Night é sem sombras de dúvidas o melhor de todos os castlevanias e um clássico universal dos games em um geral. E como não sou fã de portateis preferia que ao menos a serie se fosse para voltar para as raizes 2D de vez que fosse lançados para consoles de mesa, mas isso é meio que impossivel até mesmo porque o estilo castlevania 2D é perfeito para aquela coisa de jogar em portateis.

  8. flavio
    12/03/2010

    Eu sempre curti Castlevania, e quando peguei meu N64, corri pra jogar o 3D, e tmbm tive a manhã e paciencia de chegar até o final huahua!!!! Lament Of Innoceence é muito bom, mas com o tempo realmente se torna cansativo, pois não há nada de muito novo, e tudo se torna extremamente repetitivo. Cheguei perto do fim quando desanimei e fui jogar Final Fantasy. Curse of Darkness eu comcei e nem quis continuar, muito cansativo. Estou ansiosissimo por Lord of Shadows, nossa grande esperança huahua!!!! Vlw, otimo post!!!

  9. 12/03/2010

    Ih lá vem um coment gigante meu. Tambem, não comento com frequência (sacrilégio), é o minimo que posso fazer. Os dois Castlevania do 64 eu joguei, e achei uma porcaria. O 3D não em convence, o estilo de jogabilidade e exploração é chato, os personagens não tem lá muito apelo. Ou seja, bola fora.
    O Lament of Inoccence joguei, e achei muito bom. Mostrou de forma convincente as origens do Clâ Belmont, e a jogabilidade é bem intuitiva, lembrando alguns Hack’n Slash famosos, alem de gostar do Leon o/.
    E enquanto lia a matéria, tava pensando “a Clá irá mencionar Dracula X Chronicles!” e não deu outra. Eu acabei de jogar ele, e mesmo sendo um remake bem fiel, eu senti certa dificuldade ao jogar ele, apesar de ter gostado. Creio que a dificuldade se dá por conta de ser o mesmo estilo imortalizado no primeiro jogo, o “Rondo of Blood” se não me engano. Senti falta do Richter poder correr =P. E a parte boa é que eu joguei ele e tô jogando um dos “jogos bonus” que vem nele, que é o aclamado “Symphony of the Night”, com as vozes em japonês.
    Gostei das menções à série, Clá. Bem no periodo onde volto a jogar o SOTN e o Arya of Sorrow, me deparo com esta matéria excelente.
    Aprendam garotas, a legitima linhagem vampiresca não brilha no sol >=(

    • 12/03/2010

      Apoiado, eu to jogando o DXC tb mas num da pra passar da 5ª fase, de qualquer modo o Edward é gayz (cintilar no sol…) e o jacob… Sharkboy…

  10. Fabiano
    12/03/2010

    Metal Gear Solid: Peace Walker, game que Hideo Kojima está desenvolvendo para o PlayStation Portátil (PSP), ganhou um vídeo com nove minutos de cenas de jogabilidade. É o primeiro de uma série. Confira:
    http://www.youtube.com/watch?v=pXmm7H18Gk0

  11. Alessandro
    12/03/2010

    Eu li que em uma entrevista David Cox produtor de Castlevania: Lords of Shadow revelou que a primeira idéia era fazer um remake da castlevania 4 do super nes mas depois ele mudaram de idéia , a a 4 ainda continua sendo inspiração para Lords of Shadow, e e essa a mi ha esperança em relação a ela pois para mim a 4 e a castlevania perfeita, 2d , só tem musicão ,e difícil e tem o simon belmont, isso sim e castlevania .

  12. Hélio
    12/03/2010

    Eu mal posso esperar pra ver o protagonista do Lords of Shadow usando um CODEC, fumando cigarrinhos, aposentando o chicote e usando o CQC e a SOCOM rsrs. Brincadeira, mas eu confio que o Kojima vai conseguir fazer um grande Castlevania.

  13. Fabiano
    12/03/2010

    Castlevania bom foi o na sua versao PLAYSTATION.no caso foi o Castlevania Nocturne in The Moonlight (q no ocidente levou um nome a frescalhado de Symphony of the Night) aquilo sim era o Castlevania q conheciamos. depois os pessoal resolveram escrotizar a franquia toda com jogos nada legais na geraçao PS2 . o bom eram suas trilhas q como sempre sao otimas. vale lembrar q as versoes portateis sao da mesma linha de qualidade do PS1 com otima jogabilidade e gaficos maravilhosos. castlevanis ficou mesmo bom home em dia só no portatil

  14. Mauricio Mayer
    12/03/2010

    Muito bom! Gostei bastante.

    Acho que faltou apenas uma análise do Super Castlevania 4 mas de resto, tá ótimo!

    Ahhh, eu curto muito o Lament of Innocence e o Curse of Darkness. Concordo com a análise de CoD mas o final do jogo é animal

  15. Walmir
    12/03/2010

    Venho no meu papel de Nostálgico de plantão pra defender o 1º Castlevania de N64… achava muito dahora, inclusive a estória…. joguei muito ele, mas muito mesmo…..
    A câmera era uma bosta mesmo, mas naquela época, todo game em 3D tinha problemas de câmera… da pra perdoar.

    Sei la, posso estar errado, deixando o sentimento de nostalgia me levar a achar o game muito bom, mas joguei a pouco empo dinovo e achei muito dahora!!!

    Jaaaaaaaaaaahhhhhhhhhhhhhhh o Castlevania Lament of Innocence achei bem chato, repetitivíssimo… lembra muito os antigos e tal… mas achei muito chato!!! u_u

    Sorry…

    • 12/03/2010

      Walmir, não tem problema algum em você discordar, afinal opinião é opinião ;)
      Seria idiotice te criticar porque você gosta de algo que outra pessoa não gosta ou vice-versa :D

      • Walmir
        15/03/2010

        Opa… por isso que curto esse Blog… a galera respeita!!! XD

        Na real o “Sorry” foi pra num passar a impressão de que eu “sou o senhor da razão”, o que realmente não sou!

        XD

  16. Darth Gama
    12/03/2010

    Joguei os 4 Casttlevania 3D já lançados, ambos até o final. Quanto aos do N64, realmente são horríveis, mas o Legacy of Darkness é menos ruim. Quanto aos do PS2, gostei de ambos, achei muito bacanas mesmo, inclusive gostei mais do Curse of Darkness do que do LoI.
    Na época, comprei o N64 só pra jogar o Castlevania 64, e a quantidade de palavrões que eu xinguei enquanto zerava o game é equivalente à quantidade de nomes existentes na lista telefônica de São Paulo. Mas hoje o game está lá, guardadinho na coleção, e não pretendo jogá-lo mais tão cedo.
    Enquanto isso, fico na expectativa do Lord of Shadows, o game mais aguardado por mim esse ano.

  17. tefao
    12/03/2010

    Cara gostei do lamment of innocence (apesar de gostar so dos castlevanias 2D SOTN rula!), joquei mesmo o lament mais por causa da historia ta certo q é chatino sim aquelas partes q se pindurar no chicote e se cair começar tudo denovo…(saco)¬¬’

    Mas como eu disse joguei ele mais por causa da historia mesmo, os do N64 sao horriveis demais para a vista humana (k pra nos N64 mesmo pra mim era so pra jogar zelda nada mais)

    Jah o CoD esse sim era um shit da vida o jogo chato viu aquela parada de evoluir os “familiares” fico parecendo coisa de pokemom Oo putz cago o jogo todo,se bem q fazer as armas do jogo achei bacana e realmente o Hector tinha q ser um kratos da vida pra carregar aquelas armas gigantes e ser mais agil (da um espinafre pra ele rs) mas é isso (ahh issac era uma bixona emo mesmo cruzes) huasuashuahsuhaushuahsuhaushuahsuhas

  18. tefao
    12/03/2010

    ahh quase esqueci do tema do post rs

    eu acho q LoS pode ser o q vai quebrar a maldição q assola a serie castlevania em 3D eu tenho fé no Hideo Kojima pq ele sempre tem ideias doidas q acabam dando certo

    agora vamos aguardar para ver!!!!

  19. zano
    12/03/2010

    Desses 3D, o melhor e o Castlevania: The Dracula X Chronicles do PSP!

  20. Carlos
    13/03/2010

    Cara depois de ver esse vídeo do Castlevania no PSP eu fui correndo encomenda-lo na net…. Agora sim tenho um bom motivo para acordar meu psp da hibernação que ele se encontra.

  21. Hélio
    13/03/2010

    O único Castlevania que eu joguei até hoje foi o Symphony of the Night. Eu gostei tanto dele (principalmente da trilha sonora radical e dos segredos super bem bolados) que eu terminei duas vezes. Mas no segundo castelo, a coisa fica feia: muito difícil, você se perde, os inimigos são fortões… Sofri à beça nessa parte.

  22. Hélio
    13/03/2010

    Uma coisa que sempre me fazia morrer de rir no Symphony of the Night era aquela conversa inicial entre o Richter e o Drácula. Maior cafonice quando ele dizia “Die, monster! You don’t belong this world”

  23. Carlos
    13/03/2010

    Cliche-a-lot tem em tudo qto é game… parece que Castlevania num escapa >=(

  24. Carlos
    13/03/2010

    Podiam ser mais criativos nos roteiros. Sei lá tipo um F$#CK You Dracula… go to hell that is your place. Se for pra meter cliches podiam ser um pouco mais criativos o.o’

  25. tefao
    14/03/2010

    ai alucard seria trocado por um metaleiro ao dizer essas palavras rs

  26. Renan Rodrigues
    14/03/2010

    Eu gostava dos Castlevanias de N64. Devo ter jogado uns 50% de cada jogo.
    Eu achava o jogo o máximo, com todos aqueles inimigos, magias, etc.
    Só não gostava da câmera, mas como naquela época até mesmo a câmera de grandes jogos era ruim, eu relevei.
    E o Lament of Innocence é realmente muito bom.

  27. Petrus
    14/03/2010

    Concordo, o Castlevania Lament of Innocence é muito bom.Espero que o lords siga a mesma linha .

  28. 16/03/2010

    Heheheh… E quem diria que o próprio Lament of Innocence me mostrou a série… Não canso de zerar… (mas o Curse… save zicada três vezes, nem tenho mais ânimo de zerar a quarta [concordo contigo, Clá!! Num gosto do Curse])

    Por pura curiosidade, acabei por gostar dela (tanto que estou perto de conseguir o lendário Symphony of the Night)…

    Não posso tirar conclusão nenhuma do Lords of Shadow, mas garanto que deu um auê em todos os fãs (eu que o diga… Quase um ano acompanhando Castlevania ^^)

    *esperando só pra ver no q vai dar*

  29. Seyfertt
    20/03/2010

    Não curti muito esses titulos da franquia, os achei muito fracos.

    Para mim o Akumajou Dracula X: Gekka no Yasoukyoku “Castlevania: Symphony Of The Night” continua sendo o melhor game EVER, ficaria muito triste se houvesse um remake, pois na pior das hipóteses sairia um fiasco.

  30. DaniPio
    11/04/2010

    Uma pergunta, o nome Gabriel é citado no trailer do Lords of Shadow, ele tem que salvar uma mulher (Gabriel, you can still save her), ele seria um Belmont ou um filho descendente de Dracula, e quem seria essa mulher, vocês poderiam clarear essa história se puderem é claro. Obrigado.

  31. Alan Lee
    27/06/2010

    Também prefiro muito mais os jogos da série Castlevania em 2D, sou fissurado no Order Of Ecclesia…Shanoa… *-*
    Também gostei pacas do Portrait Of Ruin e atualmente estou jogando três Castlevanias: Dawn Of Sorrow, Circle Of The Moon e o Castlevania III: Dracula’s Revenge.

    • leandro(leon belmont) alves
      24/08/2011

      Alan Lee zerei todos esses daí que você mencionou. Castlevania Order of Ecclesia foi o Castlevania mais dificil de zerar. e Shanoa Ruleia. ^^!!

      e concordo. Castlevania Lamment of Inocence é Fodástico. e no Curse of Darkness, jurava de pé junto que aquele na capa era o Alucard. me enganei bonito…o Hector era muito fresco. mas pelo menos o jogo era bom.

  32. 03/08/2010

    Os fans vão querer me bater mas meu favorito é os de ps2.Aquela trilha sonora nota 10,a jogabilidade,a tosquise.É perfeito.
    O segundo do ps2 tambem é ótimo,um pokémon castlevania.
    Apesar que amo os 2D mas para mim aqueles mais toscos de ps2 são os melhores.

  33. Omar Reyes Lopez
    05/03/2012

    Vou tentar escrever certo e também claro.

    1. Os jogos do Nintendo 64 são muito legales e que você tenha que mexer muito botão apenas é para ter habilidade real nos dedos. Do contrario melhor nem mexa nos video games. Os dos jogos foram ainda melhores do que os lixos da playstation 2. Um verdadero fão do castlevania pode saber isso porque joga desde o principio até o fim o jogo. Do mesmo jeito se julga um filme: você tem que ver até terminar ele.

    2. O castlevania da Dreamcast ninguém viu até agora,portanto, nimguém pode falar dele. Simplesmente o que está na internet é uma apresentação muito primitiva do jogo e foi assim porque nem sequer foi acabado para saír à venda. E além disso, sempre o produto final é diferente do que se apresenta no principio na promoção. Ninguém sabe como ia ficar na sua versão final aquele jogo.

    3.Até agora o melhor jogo é o simphony of the night e é absurdo comparar ele com o lixo chamado “curse of dakness” ou “lament of the inocents”. Ambos jogos da playstation 2 são muitíssimo chatos e a história deles dá nojo.

Crie uma conta no gravatar.com para colocar sua foto nos comentários.

Sempre que comentar em algum blog com o email cadastrado, aparecerá sua imagem.