Diário de Bordo: meu dia no São Paulo Game Show

Tags: Anime Friends, São Paulo Game Show, SPGS, Viviane Werneck SPGS
A fantasia do Mario mais legal que já vi! (Abstraiam a minha cara de sono, eram 6 da tarde e eu tinha acordado às 3h!)

A fantasia do Mario mais legal que já vi! (Abstraiam a minha cara de sono, eram 6 da tarde e eu tinha acordado às 3h!)

Por Vivi Werneck

Fala aê galerinha, beleza? Para quem não estava sabendo (infiéis!!!) nessa última sexta-feira, dia 16 de julho, estive na polar São Paulo para apresentar minha palestra, sobre games indie no Brasil, no São Paulo Game Show. Disse “polar São Paulo” porque para alguém que vive no Rio de Janeiro, como eu, em que o máximo de frio que faz são 20 graus, chegar e encarar uma “sutil” temperatura de 10 graus não é lá algo muito agradável.

Mas como já dizia o Jack Estripador, vamos por partes (nossa, essa é velha!): na mesma sexta-feira acordei às 3h da matina porque tinha que estar no aeroporto as 5h30 para pegar o avião. Tudo isso graças à secretária da empresa em que trabalho, que deve gostar muito de mim para marcar o cacete do primeiro voo do dia! Enfim, cheguei a São Paulo, por volta das 7h40, e juro que pensei que tinha pegado o voo errado para a Antártida de tanto frio que fazia!

Fui uma das primeiras a chegar ao evento (de imprensa e dos convidados). O SPGS aconteceu no Centro de Exposições Mart Center, próximo a antiga penitenciária do Carandiru (muito saudável), e em paralelo com o Anime Friends e outros dois eventos que esqueci o nome e estou com preguiça de procurar. Na fila de entrada da galera pude encontrar a maior concentração de emos por metro quadrado da minha vida (lamento até agora por ter deixado meu lança-chamas em casa).

Consegui entrar no evento depois de muita peregrinação para conseguir meu crachá e achar o galpão onde acontecia o SPGS. Minha primeira impressão, ao entrar no galpão do evento propriamente dito, foi algo parecido com “ok, mais um evento de games como todos os outros”, ou seja, sem nada do que eu já havia visto antes – especialmente as partes não tão legais como: palco super mal localizado (ao lado do estande monstruoso da Saga, que era mais barulhento que dragão elder no cio), um monte de videogames sempre entupidos de gente e o pobre do apresentador chamando as pessoas para as palestras praticamente no laço.

Na minha humilde opinião, o grande tiro do pé do SPGS foi achar que o público de anime é o mesmo público de quem está interessado em desenvolver games no Brasil. Pode parecer a mesma coisa, mas há um abismo de diferença entre quem só gosta de jogar videogame e quem realmente se esforça para fazer um game. Resumo da ópera: o que se via eram muitos adolescentes vestidos de Pikachu, Sephiroth, Naruto e afins entupindo os estandes com games e uns gatos pingados, nas poucas cadeiras, em frente ao palco tentando escutar alguma coisa que o coitado, que estava no palco, tentava gritar – porque falar estava impossível (eu “amo” a Saga! ¬¬).

Sobre a minha palestra [ultra jabá mode épico], que aconteceu às 13h, fiz um panorama sobre a produção independente nacional, enfatizando o porquê de ser tão difícil fazer games indie no Brasil; também discuti qual é a real vocação do Brasil do mercado de softwares; como administrar uma empresa de games e evitar conflitos entre os funcionários, dentre outros pontos. A segunda parte foi um estudo de caso e levei cinco jogos independentes, feitos no Brasil, para o pessoal conhecer. Inclusive a equipe completa de um desses games, o Futuron, esteve presente para assistir a apresentação; fiquei realmente muito feliz com a presença deles!

Na última parte, que infelizmente precisei correr um pouco por falta de tempo, dei umas dicas de como o desenvolvedor indie poderia montar o seu Midia Kit, ou seja, uma breve apresentação sobre seu game ou projeto para a imprensa, a fim de divulgar o seu trabalho.

Às 17h30 voltei novamente ao palco para participar de um debate, também sobre a produção independente nacional. A mesa redonda (sem mesa) foi mediada pela Flávia Gasi, que cuida de games no site da MTV e já é bem conhecida no cenário gamer brasileiro (um dia chego lá! ^^).

É claro que sempre tento tirar os pontos positivos de todos os eventos em que participo e nesse não poderia ser diferente: fiz muitos contatos legais, conheci gente que só falava pela internet e tive o imenso prazer de conhecer o Felipe Muñoz, que me convidou para participar do evento, o Moacyr Alves Jr, um dos maiores colecionadores de videogames do Brasil, a galera do game “1 Carnaval de Distorções”, o próprio pessoal do game “Futuron” e o “Senhor Miyagi”, taxista japinha super legal que praticamente fez o táxi virar um jato supersônico para que a gente não ficasse muito tempo preso no engarrafamento e, consequentemente, eu não perdesse meu voo de volta ao Rio.

Gostaria de agradecer também aos elogios que estou recebendo pela minha apresentação e espero que da próxima vez, e com menos barulho, eu consiga explicar as coisas de forma mais clara. Ah, a palestra foi filmada e assim que pegar o link eu posto por aqui! Só mais uma coisa: para quem quiser baixar a minha apresentação, em PDF, o link está logo abaixo. Bom, por hoje é só. Valeu! =D

– Baixe a apresentação da palestra aqui: Panorama da produção independente no brasil (SPGS)

……………………..

Atualização com fotinhos fofoletes ^^:

Eu com a galera do game Futuron: Ebbios (esq) e Persio (dir) - A cara de sono reina em todos nós! XD

Eu com a galera do game Futuron: Ebbios (esq) e Persio (dir) - A cara de sono reina em todos nós! XD

Moacyr Alves Jr do site Jogo Justo (www.jogojusto.com.br) e eu - Sim, sou um toquinho de pessoa! ^^

Moacyr Alves Jr do site Jogo Justo (www.jogojusto.com.br) e eu - Sim, sou um toquinho de pessoa! ^^

– Os vídeos da primeira parte da palestra (Valeu Moacyr ^^):

Vivi Werneck
Share on Tumblr
Feed do Post
53 Comentários em "Diário de Bordo: meu dia no São Paulo Game Show"
  1. Leandro Lamounier
    18/07/2010

    Muito legal Vivi! Tá de parabéns.
    Gostaria de ter estado lá, mas não deu =/

  2. 00Agent
    18/07/2010

    “Na minha humilde opinião, o grande tiro do pé do SPGS foi achar que o público de anime é o mesmo público de quem está interessado em desenvolver games no Brasil.”

    Agora você me deu um medo desgraçado de ir ao Rio Game Show e esbarrar em milhões de cosplayers a cada metro quadrado! Nada contra, mas, realmente, se a intenção é fazer um evento voltado a games, que pelo menos alguém tome a iniciativa de separar um pouco as coisas, se não acaba perdendo o foco.

  3. Pérsio Flexa
    18/07/2010

    Aeee Vivi, foi muito bom te conhecer pessoalmente, agradeço a força que tem dado a nós. Espero encontrar você mais vezes em eventos de jogos! =)

    Um bjão!

  4. Pérsio Flexa
    18/07/2010

    Só pra constar, concordo com você, o evento poderia ter sido mais bem separado dos outros que ocorriam ali. Existe realmente uma barreira enorme de quem gosta só de jogar e a de quem gosta de fazer jogos.

    Mas valeu, demos muitas risadas também com a Flávia Gasi que não deixava ninguém falar na sem mesa redonda, heheh

    Até a próxima!

  5. fabio
    18/07/2010

    Eu gostei do evento , adorei as palestras que vi, mas realmente o discurso da galera que faz game atualmente no brasil, para mim é o mesmo: Seja humilde comece por baixo tra lalalal, faça jogos pra celular e ganhe algum dinheiro tra lalala.
    Não é que esteja errado mas pow, será possível que não tenha um uma miserável de um empresa que já tenha enchido o rabo de dinheiro fazendo game pra celular que queira investir uma vez na vida em um game de verdade?
    Será que game de celular da grana mesmo? ou só é algo que da pra viver?
    Por que na minha nada humilde opinião, games pra celuar são pra programadores de jogos Hard Core, o que uma banda de baile é para um músico. Uma fonte de renda com alguma similaridade com o que você realmente gostaria de fazer na vida.
    Vi também que a maioria dos caras não tem intenção nenhuma de investir em em alguma coisa mais audaciosa, e todos querem investir em Caça Níqueis direcionados a donas de casa.
    Não me senti a vontade e fazer nenhuma pergunta desafiadora no debate, pra não ter que mandar ninguém tomar no …….. , por ficar me acelerando por falta de Tempo.
    Bom…o futuro do desenvolvimento de games certamente não esta nas mão daqueles caras que querem comer pelas beiradas o resto de seus dias(tirando a galera do Carnaval de distorções e do Futuron que estavam presentes).

    • 18/07/2010

      “será possível que não tenha uma miserável de uma empresa que já tenha enchido o rabo de dinheiro fazendo game pra celular que queira investir uma vez na vida em um game de verdade?”

      Resposta: não.

      O Brasil ainda não tem profissionais qualificados o suficiente para a produção de um “game hardcore”. De nada adianta ter a disposição uma mega fodástica engine sem saber como usá-la e, principalmente, sem os milhões de dólares que são investidos em games do tipo hardcore, ou seja, os Crysis, Call of Duty e Dead Spaces da vida, que imagino que seja o que esteja falando.

      O mercado de games brasileiro atual é mesmo para plataformas menores. Querer fazer mais do q isso agora é impossível e jogar o pouco dinheiro disponível pelo ralo. Sinto muito, mas essa realidade só mudará a longo prazo e isso se a galera “que come pelas beiradas” de hoje pôr mesmo a mão na massa e adquirir a experiência necessária.

      Fazer games por paixão e voltados, exclusivamente, para o entretenimento é ótimo e imagino que seja o sonho de todo desenvolvedor, mas um super game (ou mesmo um não tão super assim) não se faz só com a benção divina e necessita de investimento e pessoal capacitado. Não vejo mal algum em se produzir serious games, games corporativos e jogos para celular para arrecadar uma grana. O desenvolvedor indie é um ser humano e tem contas a pagar e precisa comer.

      Se quiser viver de fazer jogos aqui no Brasil, o cara vai ter mesmo que “jogar nos dois times”, ou seja, arrumar um ganha pão (dentro ou fora da área de games) e fazer o jogo que quiser. Não dá para viver só de sonhos e ideologias. A pessoa tem que ser sensata e realista.

      • 18/07/2010

        Jogos assim precisam de muitas coisas que ainda não temos. Na parte do som, por exemplo, estúdios profissionais para criação de efeitos, compositores para a trilha sonora.

        Além de todos os detalhes da produção. Não digo que não somos capazes. Nós somos. Mas além desses obstáculos, a não ser que um Eike Batista queira investir no desenvolvimento de jogos, ainda falta muito.

        Por enquanto, nossa solução são jogos independentes. Que podem ser sim muito mais divertidos que alguns de alta produção.

        • Raul Dipeas
          23/07/2010

          Ninguém comentou sobre trilha sonora e sonoplastia nas palestras que assisti, eu estou entrando agora nessa área, participando da equipe de desenvolvimento do Futuron, e esperava que alguém falasse algo sobre isso em alguma palestra…

          Vi o pessoal do Carnaval de distorções falando em usar músicas internacionais e pagar royalts e talz, mais sinceramente acho isso uma grande desvalorização dos profissionais que temos a disposição, infelizmente nem todo mundo sabe valorizar a plantação que tem no quintal de casa…hehehe…a grama do vizinho é sempre mais verde…

          PS: Eu devia ter levado um lancha-chamas tbm pra queimar pelo menos um pouco dos emos que tinha lá…hehehe…

          • Tom
            24/08/2010

            Teve uma palestra do pessoal da Clefbits (http://clefbits.com), que é uma produtora nacional de trilha sonora e efeitos sonoros pra games ;)

          • 24/08/2010

            Infelismente não pude assistir no dia :( mais vlw mesmo assim :D

  6. Junior (Samambs)
    18/07/2010

    Nunca postei no Blog, mas depois que vi o Mario *-* Acompanho vocês tem muito tem, acho muito legal o trabalho de vocês por aqui parabens!

    Eu tenho um foto com esse Mario também ^^

  7. Rodrigo Sarlo
    18/07/2010

    Legal Vivi.
    E ai o Copa apareceu por lá?kkkkkkk
    Tenho esperança que em breve teremos condições.

  8. Adriano
    18/07/2010

    “(…)editora dos sites nonuba games e girls of war.” Eita que moral, hein!

    Gostaria muito de ter visto essa palestra. Sou um “pseudo-programador” e grande fã de games em geral. Teria sido uma experiência interessante.

    A grande promessa dos programadores amadores no brasil agora é a Unit3D, mas aposto que vocês nem comentaram sobre ela.

    • 18/07/2010

      A Unit3D entrou na roda de discussões sim, mas com o pessoal mais técnico mesmo. Como sou jornalista e não desenvolvedora, preferi não me aprofundar em discussões sobre programação, propriamente dita, já que não domino essa área.

      • Adriano
        18/07/2010

        Vocês irão fazer algo do tipo no Rio Game Show?

        • 18/07/2010

          Aí já não faço ideia. rs. Tem que ver isso com a organização do evento aqui do Rio ^^. Mas agora o RGS se chama Brasil Game Show.

  9. Hélio
    18/07/2010

    Parabéns, Vivi!

  10. 18/07/2010

    Ótimo! E concordo plenamente na separação de otakus x gamers. Quem sabe no futuro teremos eventos que entendam isso? :D

    E sobre a palestra, vou ler em breve o .pdf. E espero ainda ver uma ao vivo!

  11. Sovereign
    18/07/2010

    Vivi, como falei no twitter, tava trampando e nao pude procurar por algum streaming na hora da palestra. Aguardo o link do video pra assistir. E se achou 10 graus frio, imagine se tivesse encarado mais o sul, como santa catarina ou rio grande do sul, com 2 negativo. E produzir game hardcore realmente gasta uma fortuna, milhoes de dolares no desenvolvimento. A pequena produtora remedy que fez alan wake afirmou que o futuro da produtora esta nas maos do sucesso de alan wake. Nos tempos atuais, quem nao tem poder de fogo, um projeto errado pode ser o fim.

  12. alex
    18/07/2010

    Parabéns Vivi!

    1O graus é frio ai? Aqui em RS isso é uma maravilha.

    • 18/07/2010

      Ahahaha… Vou ter que arrumar uma “bolha térmica” para usar se eu quiser ir cobrir a SBGames desse ano, que vai ser em Floripa! rsrs

      Ah, e obrigada ^^

  13. 18/07/2010

    Li agora o PDF e está muito bom. Simples e direto no assunto, e falando algumas coisas que ninguém tinha abordado antes. Como Desenvolvedor, vou usar isso a meu favor!

    Parabéns de novo!

  14. georges
    18/07/2010

    Parabens Vivi.
    Ja vou baixar a palestra em pdf.

  15. 19/07/2010

    Vivi!

    Adorei ter lhe conhecido. Vc é daqueçlas pessoas malvadas simpáticas (que nem a Familia Adams, sabe? rerere) Vive nos ameaçando com seu machado, mas é adorável.

    Gostei muito da sua palestra. Pena não ter sido em um lugar mais fechado e sem estandes barulhentos do lado.

    Muito obrigado por todo o apoio que nos tem dado. Tu vai ser uma das primeiras a jogar Futuron (espero que isso seja bom no fim das contas. rsrs)

    Quanto a opinião das pessoas.. Acho que a solução do nosso mercado está justamente na nossa criatividade e desenvoltura (como vc citou em sua palestra). Pegue meios como o Cinema, ou os quadrinhos por exemplos. As pessoas aqui sabem se virar com pouco dinheiro, e conseguem fazer coisas bem interessantes apesar das limitações.

    E convenhamos, os jogos AAA são feitos pensando em dinheiro tanto quanto os games de celular feitos por empresas nacionais, eles tb são empresas oras. Salvo alguns realmente bons, há muitas coisas pouco criativas. Como acontece com o próprio cinema americano. Jogos Enlatados há aos montes. Enquanto houver gente consumindo, haverá gente fazendo.Se sai algo criativo que dá certo, eles saturam a idéia espremendo-a até o caroço.

    Enfim, espero lhe ver mais vezes Vivi, quem sabe até alguma jogatina algum dia! ^^

    P.s Goxtei do sotaque!

  16. Siri
    19/07/2010

    Droga, esqueci do evento. :\

    Infelizmente a desorganização de eventos otaku está se espalhando como um câncer.

    Por um lado não há como fazer grandes eventos só de games, com maior freqüência, mas por outro não tem como fazer algo decente juntando tudo num angú doido.

    Será que um dia ressuscitam a EGS? Eu não fui. :(

    Pelo menos teria valido a pena pela palestra. ^^
    Ia ao evento só por conta disso mesmo.

  17. Demetrio Dias
    19/07/2010

    Faço minhas as palavras do Mano Leandro que como eu é gamer, fã de anime e desenvolvedor, ou seja, o evento parecia feito pra nós.. :( Imensa vontade de ter estado lá Vivi! Ancioso pra ver o vídeo da palestra. Abraço!

  18. jack_
    19/07/2010

    Parabens Vivi!!!!

    E vc esta linda ao lado do Mario!!!!!

  19. Thiago (Spectrumframer)
    19/07/2010

    Oi, Vivi

    Nossa, nem imaginava que vc era palestrante nesse evento!
    Na verdade, fui pra ver o Asia Fest que ocorria no Mart Center e acabei sendo arrastado pela multidão de emos pra dentro do SP Game Show. rs
    Mas acho que as criaturas bizarras tinha a ver com os outros eventos tb, não? Tinha alguma coisa de anime e uns stands de otaku bizarro no outro lado, não tinha?
    E concordo, tava frio mesmo!

  20. 19/07/2010

    Parabéns Vivi \o/

  21. Ice
    19/07/2010

    Queria muito ter ido, mas agora que você falou assim, me sentir menos mal. Tive uns eventos no final de semana e na sexta não consegui sair do trabalho.

    Depois posta o video que estou ansioso para ver.

    Valeu por divulgar o meu jogo, Vivi…

    Mais detalhes sobre o jogo em http://www.musicscore.com.br

  22. 19/07/2010

    Orgulhoooooooo!!!
    *.*

  23. Thyago
    19/07/2010

    Uma coisa interessante é o que vejo acontecer aqui no SANA: eles resolvem misturar games E animes. Sinceramente, o evento de games devia acontecer separado do de animes, já que o de games agora fica ocupando o salão principal da bagaça toda.

    Eu nem fui ao sana deste ano, mas de umas filmagens de lá que eu vi, deve ter sido a mesma coisa. Não fui mais pra poder ficar com meu irmão mais tempo, pois ele viajou no domingo.

    Eu gosto da parte de games destes eventos, mas as outras partes, com anime e tudo mais, eu ignoro completamente.

    Quanto à sua palestra, essa menina só nos mata de orgulho, dando palestra pra cima e pra baixo! :O Parabéns Vivi! Em breve, você estará dando palestras pro senhor Myamoto u_u

    • 19/07/2010

      “Em breve, você estará dando palestras pro senhor Myamoto”

      Menos Thy… Quase nada….

      ahahaha… bjão!

  24. Fafa
    19/07/2010

    O SP Game Show nao é da mesma organização do Rio Game Show, então não tem problema.. vlw!

  25. 19/07/2010

    Prazer em conhecer e em conversar….

    Abraços Moacyr

  26. 19/07/2010

    E aí Vivi, tudo certo?

    Muito bacana seu post! Foi realmente uma pena eu não ter ido, acho que teria dado para aproveitar bastante.
    Mas ainda vão existir muitos eventos!

    Bom galera, para quem não me conhece, sou o Adrian Laubisch, da empresa Aiyra, que desenvolveu o game Guardião apresentado pela Viviane na palestra dela!

    Se quiserem conhecer mais sobre o jogo vejam o vídeo: http://www.youtube.com/aiyrachannel#p/a/u/0/-Ti5B5l2Agc

    Podem visitar nossa página (www.aiyra.com) para conhecer nossos outros títulos!

    Quem tiver interesse, pode entrar em contato comigo pelo adrian.laubisch@aiyra.com

    Grande abraço!

  27. LuuKyK
    20/07/2010

    Parabéns Vivi, não pude estar aí, mas pelo menos compartilhei do mesmo frio (ou pior – pinhão city, vulga Curitiba, manda abraços).

    Um dia desses nas minhas noites de insônia fiquei vendo O programa do Jô e vi que dá pra sugerir entrevistas (ou se inscrever – claro), e tendo em vista que tinha um cara lá que tinha um porco (o animal mesmo) chamado Gabriel, e que ele achava que ele era filho dele (facepalm), bem que vocês do Girls of War, ou você mesmo, com sua habilidade incrível de fazer os outros rirem e a boa oratória, podia/podiam ser entrevistada(s) lá né, querendo ou não é um bom canal de comunicação, ainda mais pra mídia aberta, que ainda é meio cética quanto ao assunto (coisa de criança, violenta, etc..), só uma dica mesmo (melhor que ir no Faustão, Xuxa e outra asneiras globais, lol)…

    E o mesmo serve pro Moacyr, ele poderia divulgar o projeto dele também daí.

    Ah e sobre o negócio de misturar Anime com Games, também sou contra, nada a ver. Só pra constar: ri muito da parte do lançachamas, e da maioria dos parênteses também, uheuhuahuehuhe. XD

    • 20/07/2010

      Eeepaaa calma aê gente! Como assim meu nome já tá na roda tao fácil! rsrs e Para constar, eu acho q o programa do Jô é em SP. rsrsrs

      Vamos todas juntas! kct! rsrs

      • 20/07/2010

        oq????????? peraí rebeca nao é assim não! tô fora d televisão! rsrs

        no way!

  28. alex
    20/07/2010

    Como você é a representante do Gow em eventos nada mais justo que representar o Gow na tv.

    Se quiserem mesmo mandar a Vivi no Jô entrem no http://programadojo.globo.com/programa e depois cliquem em sugestão de pauta.

  29. Fabão
    20/07/2010

    Olha só, eu já discordo um pouco em relação a eventos gamers não terem a participação de otakus ou qlq outro grupo ligado a “cultura nerd” (rpgistas, gamers, otakus etc…). são todos consumidores em potencial com gostos em comuns na maioria das vezes. Pra um mercado que visa o crescimento (no caso, o mercado de games) não é interessante adotar pensamentos q valorizem a ramificação desse… hum… “segmento”, afinal, são essas pessoas q podem vir a comprar seu jogo no futuro… ENTRETANDO, o que eu pude entender é q o problema no caso do SPGS, foi q a falta de organização do evento ao não criar um espaço adequado, que separasse quem realmente tivesse interesse no desenvolvimento de jogos do simples jogador (otaku ou não)omprometeu um pouco a qualidade das atividades ali exercidas (chick no urtimo).
    Eu falo isso, pq já não basta a merda q é essa questão de Sonysta X Caixista X Nintendista X PCista, q ao meu ver não acrescenta em nada ao gamer ou desenvolvedor, termos uma cituação de Gamer X Otaku X RPGista…

  30. Fabão
    20/07/2010

    vivi, terminei de ver o arquivo pdf, está de parabéns e destaco a 1ª parte, q acho q é bem interessante no sentido de esclarecer ao cara q quer entrar na vida de programador de jogos, qual q é a realidade do brasil no cenário de desenvolvimento… e q além de bons programadores, tb precisamos de bons administradores…

  31. Lobo
    20/07/2010

    ô Viv! Vc conhece o Mário??

    :P

    bjim!

  32. Mateus Marvila
    20/07/2010

    Vivi, muito bom!!!
    Como disse um dos comentaristas
    em breve teremos condições

    quem sabe na próxima?
    XD
    bem louco a roupa do mário
    auhauhauahuahauhauhuahuah

  33. 20/07/2010

    Vivi !
    Eu peguei a sua palestra no final e gostaria de vela por completo tem como passar ela ?
    Mas o pouco que eu já peguei me motivou muito a fazer games independentes XD
    Thanks pelo empurrão viu XD
    Beijos !

  34. 20/07/2010

    Valeu por disponibilizar XD

  35. Renan Rodrigues
    21/07/2010

    Parabéns, Vivi!!
    Li o PDF da palestra, e está ótima!

    Orgulho!! [3]

  36. 25/07/2010

    Palestra realista, inspiradora e motivante (o que deve se encaixar no segundo elogio, mas vale).

    Tem que ser assim, com cuidado. Lá na minha faculdade, usamos algumas das ferramentas que a maioria das grandes desenvolvedoras utilizam. O que falta? Orçamento, e recursos fora da modelagem, animação e programação em si. Questões como trilha sonora, dublagem, captura de movimentos, e assim vai.

    Mas quem não acha um Sonic, Mario, Monkey Island ou qualquer outro clássico da década de 80/início da 90, que também não continham esses recursos, divertidos? Podemos seguir esse modelo.

  37. Adriano
    25/07/2010

    Algumas faculdades não devem ter gostado muito do que você disse sobre a qualificação “específica” dos professores… os indianos e chineses também devem estar chateados…

    Brincadeira. Apesar das Vuvuzelas, essa primeira parte da palestra foi muito boa.

  38. 26/07/2010

    Olha só que legal, tem uma foto sobre o meu workshop, a respeito do cenário competitivo do Brasil, que legal :)

    Parabéns pela matéria Vivi, eu pude assistir a toda sua palestra no evento, e gostei muito de todos os jogos que você apresentou. Queria ter tido a oportunidade de ter conversado com você, porém logo após a sua palestra tive que subir no palco para o simpósio 7, e depois quando saí não encontrei mais você :(

    Bom, mais uma vez parabéns pela sua palestra…

Crie uma conta no gravatar.com para colocar sua foto nos comentários.

Sempre que comentar em algum blog com o email cadastrado, aparecerá sua imagem.