Desabafo gamer: por que tudo tem que ter multiplayer agora?

Tags: Borderlands, Left 4 Dead, mass effect 3, multiplayer, multiplayer vs songleplayer, singleplayer, Skyrim, worms, worms game
Elrwien Englefer - Minha Dark Elf Battle Mage fodástica em Skyrim

Elrwien Englefer - Minha Dark Elf Battle Mage fodástica em Skyrim

Como estou completamente sem ideia de notícia para escrever e prefiro não fazer copi-cola, e como Skyrim está consumindo todo o meu raciocínio para algo mais relevante, tomarei como gancho o próprio game exorcizador de vida social para descrever sobre um tema que poderá fomentar o ódio empalante psicótico em alguns leitores contra o mesmo. Ódio este que ignoro por completo. ^^

Skyrim, felizmente, escapou da tendência quase que irreversível dos jogos de hoje em dia em tentar se adequar para a experiência online e/ou multiplayer. The Witcher 2 é um outro exemplo, de game que joguei recentemente, que também conseguiu driblar o “oi, vamos jogar online?”.

Antes de continuar, tenham fortemente entranhado na mente o que vou escrever depois desses dois pontos: eu NÃO estou falando mal de quem gosta de jogar multiplayer ou coop de qualquer espécie ou invalidando a importância que este modo de jogo tem na geração de games atual. Eu só NÃO gosto para mim! Ok? Continuemos…

Também não estou dizendo que nunca joguei online ou que, em nenhum momento, eu não tenha me divertido. Existem alguns jogos que simplesmente não vejo como não jogar com outras pessoas, como Left 4 Dead, por exemplo. Borderlands e Worms também curto jogar com a galera… E só…

E vocês devem estar perguntando por que raios miseráveis do universo eu não gosto de multiplayer? Tenho duas respostas para essa pergunta: uma mais direta, para terminar logo o assunto, e outra mais elaborada para parecer que sou chique.

– A resposta curta e grossa (e antipática ao extremo) seria: porque eu gosto de jogar sozinha, no meu tempo, catando o meu lixinho (o loot) em paz, upando meu personagem na tranquilidade sem nenhum pentelho ficar dando pitaco em como “poderia ficar melhor”, sem ninguém me enchendo o saco ou buzinando no meu ouvido dizendo para eu correr ou atirar em alguém. Não sou uma pessoa cooperativa jogando videogame at all e, se eu precisar usar seu corpo como jangada para atravessar um rio de ácido para me salvar, não tenha dúvidas de que o farei sem hesitar.

– Agora vamos a resposta profissional e politicamente correta: prefiro a experiência singleplayer dos jogos para melhor interagir com o que o game me oferece de forma mais aprofundada. Como crítica de games, ser atenta aos detalhes é muito importante para mim. Não estou dizendo que, com isso, não conseguiria analisar um multiplayer, mas teria que adotar uma metodologia diferenciada, que se adequasse a dinamicidade desse modo de jogo.

Sinceramente prefiro a primeira resposta, mas nem sempre dá para responder as pessoas como a gente realmente gostaria.

Agora gostaria de saber de vocês: que tipo de modo vocês mais gostam de jogar e por que? Peço que, por favor, não se matem nos comentários. Vamos tentar manter uma certa ordem e, comentários completamente fora de propósito ou fora do tema proposto, serão enviados para o Limbo da Barbie Flamejante. Nada de floodar ok? Seus lindos! ^^

 

PS que tinha esquecido: ainda estou revoltada com o multiplayer “não obrigatório” (mas que se não jogar vai dificultar muito a sua vida) em Mass Effect 3. Estava tudo lindo até agora e a BioWare tinha que trollar no último?

Vivi Werneck
Share on Tumblr
Feed do Post
134 Comentários em "Desabafo gamer: por que tudo tem que ter multiplayer agora?"
  1. 14/11/2011

    – Por que tudo tem que ter multiplayer?

    – Por que tudo tem que ter DRM?

    – Por que tudo tem que ter Online Pass?

    – Por que tudo tem que ter DLC de lançamento por, no mínimo, 5 dólares?

    – Por que tudo tem que ter épico e visceral?

    – Por que tudo tem que ter nota 9/10, 10/10 ou 11/10?

    Essas e outras perguntas não saem da minha cabeça. Ainda bem que os desenvolvedores brasileiros não gostam desta aproximação.

    • Leonardo
      14/11/2011

      Perguntou e disse!! Melhor do que estas perguntas não há. Concordo.

  2. Hélio
    14/11/2011

    Então, Vivs, eu não condeno absolutamente o multiplayer, acho q é uma maneira de prolongar a diversão das pessoas. Mas EU NÃO CURTO. Até gosto de jogar com outras pessoas, faço isso de vez em qdo com irmãs e amigos, mas não me ligo em modos online.
    Acho q o grande problema desta geração é q o multiplayer, q era pra ser um complemento, virou o prto principal em muitos casos. Aí gamers q amam história, cutscenes, um modo campanha organizado e com um mínimo de linearidade como eu se dão mal.
    Sou a favor de se criar games cada vez mais imersivos e bem feitos no Single Player, pois isso estimula as pessoas a apreciarem outros aspectos dos games ao invés de tornar tudo uma brincadeirinha de mata-mata sem cérebro. Minha opinião.

    • 14/11/2011

      “Acho q o grande problema desta geração é q o multiplayer, q era pra ser um complemento, virou o prto principal em muitos casos.”
      Ahn… Não. Eu realmente considero injusto jogos terem seu single player afetado pelo multiplayer, assim como acho injusto o contrário. Tem que haver um ponto de equilíbrio entre os dois modos – e esse é o maior problema dessa geração.

      Multiplayer é o prato principal de muitos jogos há anos (É só lembrar de Counter Strike, Unreal Tournament, Quake e de 90% dos FPS lançados para PC na década de 90). Aliás, cito como exemplo Battlefield: ninguém comprava o jogo por causa do single player. Ninguém.

      Você vai ter que concordar comigo nessa: console gamers não tinham tanto acesso à uma rede online pra jogar – isso foi aparecer consolidado depois do PS3 e do Xbox360. Os jogos de console, então tinham que oferecer uma narrativa single player à altura, algo que justificasse a compra do jogo. Aí, quando os jogos de console começaram a oferecer o multiplayer, praticamente virou uma tendência.

      Eu mesmo evito comprar jogos que tem uma experiência única de single player e não me possibilitam aumentar o tempo de vida útil dele. Óbvio que eu joguei vários jogos basicamente single players, mas quem disse que eu não me arrependi de tê-los comprados? Acho que tirando MGS4 e Mirror’s Edge, eu me arrependi de todos os jogos dessa geração que eu comprei e só me entregam o single player (e eu incluo na lista LA Noire, Yakuza 3 e Clive Barker’s Jericho). Aproveitei os jogos, curti a história, mas… Eles estão lá, encostados. E ai? Toda vez que eu quiser comprar um jogo novo, eu vou ter que desembolsar US$60? Então que a indústria passe a fazer o seguinte: Lancem duas versões de um mesmo jogo. Um jogo só com o single player por US$40, e uma versão “completa”, com o multiplayer, por US$60. Assim você compra a que você quer.

      • Hélio
        14/11/2011

        Pra mim, transformar o multiplayer em prato principal é o mesmo q dizer: “meu jogo não tem história, não tem personagens, não tem motivos pra se cumprir a missão”.
        Tudo bem q existem jogos q são exceção, Little Big Planet é um exemplo.
        Mas os games hardcore não são só uma experiência de mata-mata entre avatares genéricos. Os games são uma massa uniforme q consiste de jogabilidade + história + música + gráficos + atmosfera, etc.
        Lembre-se, pode parecer legal fazer da sobremesa o seu almoço, mas depois de algumas semanas, vc engorda. rsrs
        Posso até concordar q existam exceções, como as q vc citou, mas a história dos games está muito mais marcada pelos single players do q pelo multi. Só ver as franquias basilares da história: Mario, Zelda, MGS, FF, Dragon Quest, enfim… Nenhuma delas coloca o Multiplayer acima do SP.

        • 14/11/2011

          “Os games são uma massa uniforme q consiste de jogabilidade + história + música + gráficos + atmosfera, etc.”

          A série Battlefield, tirando o item história, sempre entregou tudo o que você citou. E ai? Só porque não tem história não pode ser considerado “um jogo hardcore”?

          Acho meio falha essa linha de pensamento. Existem, sim, franquias ótimas que são baseadas em multiplayer, assim como existem franquias ótimas que são baseadas em single player. A questão é que vai de gosto.

          E outra, vale citar que o objetivo principal de qualquer jogo deveria ser fazer o gamer se divertir. Se você se divertir com o single player, ótimo; se você se divertir com o multiplayer, ótimo também. Dizer “meu jogo não tem história, não tem personagens, não tem motivos pra se cumprir a missão” é totalmente aceitável se depois de “missão” vier um “mas é divertido pra caralho”.

          No mais, deixo esse vídeo aqui de 45 minutos sobre a série Battlefield. Se você tiver saco pra assistir, você vai entender porque não é só um jogo de “mata-mata”.
          http://www.youtube.com/watch?v=ELwO-CMoDYI

          • Hélio
            14/11/2011

            É esse o problema: vc entende games como “só diversão” e aceita essa idéia. Eu entendo como obras de valor artístico/dramático/cômico/explosivo.
            Uncharted não teria a menor graça na minha concepção se fosse focado no multi prioritariamente. O q me motiva é ver o carisma dos personagens, torcer por eles, segui-los numa escalada rumo ao seu objetivo.
            Agora, sem a personalidade deles, eu acharia q eram só NPCs sem vida q eu uso pra dar uns tiros e ir dormir.
            Sei q a diversão é importante e deve haver um lugar pra ela, mas um jogo q só é divertido não me diz absolutamente nada.

          • 14/11/2011

            “Esse é o problema”? Sério? Beleza então, dou como encerrada essa discussão.

            Peço desculpas pela minha falha em nunca ter reconhecido obras de “valor artístico/dramático/cômico/explosivo” em jogos como Sonic The Hedgehog, Streets of Rage, Super Mario Bros, Mario Kart, Mega Man e tantos outros jogos da era 8/16 bits, mas sim games que são “só diversão”.

          • Hélio
            14/11/2011

            Pior q todos esses q vc falou eu não considero só diversão. Acho genial o design de plataformas de Sonic e Mario, principalmente pela época dos seus lançamentos.
            P.S.: Eles são todos single player.

          • Hélio
            14/11/2011

            Quero dizer, não são focados em modos online na sua maioria.

          • Juliano
            14/11/2011

            sim cara, você upou os personagens só assistindo e apertando botão de ataque, sem pensar em estratégia nenhuma. E claro, isso fora do contexto da história do jogo, que não precisa de 50 horas upando pra matar o Sephiroth

          • Hélio
            14/11/2011

            Não é verdade, Juliano. Queria ver vc upar só apertando botão de ataque lá naquela dungeon do submarino perdido no fundo mar. Tem muita estratégia, rapá! Summons, combinação de materias, guardar a barra de limit pra hora certa, saber se defender contra status negativos, equipar acessórios q aumentam velocidade…

        • Juliano
          14/11/2011

          “É esse o problema: vc entende games como “só diversão” e aceita essa idéia. Eu entendo como obras de valor artístico/dramático/cômico/explosivo.”

          Acho que tu não pode dizer isso, pois não há problema algum no jeito do outro ver o estilo dele como jogador.

          Eu no caso estou colocando história do jogo em uma prioridade muito depois de jogabilidade, diversão e essas coisas. Pois jogos de rpg como FF, é praticamente assistir ao jogo fingindo estar jogando, pois o que se faz praticamente é ver a história do jogo. Por isso que esse tipo de jogo não me agrada mais. (Excluo os Tactics, esses sim se joga, se pensa, customiza, não é um jogador no piloto automático)

          • Hélio
            14/11/2011

            Acho q não me entendeu, amigo: se ele só quer se divertir, blz. Mas o problema de colocar multi acima de single seria suprimir aspectos importantes dos games q fariam muita falta pra quem gosta dos games como experiências ricas em história como eu.
            Ninguém impede ninguém de se divertir jogando no multi, mas é fato q essa modalidade é menos complexa de se elaborar do q o modo campanha, pois envolve dublagens, scripts, um planejamento muito grande, enfim…
            E não acho q FF é só assistir, tá longe disso. Passei mais de 50 horas só upando em FF7.

          • 14/11/2011

            Só vou responder porque não gosto de pessoas colocando palavras na minha boca. Em nenhum momento eu disse que jogos são “só diversão”, você que concluiu isso, Hélio. Vou até copiar o que eu tinha escrito:

            E outra, vale citar que o objetivo principal de qualquer jogo deveria ser fazer o gamer se divertir. Se você se divertir com o single player, ótimo; se você se divertir com o multiplayer, ótimo também.

            Como você pode observar, eu disse objetivo principal, e não objetivo único. ;)

        • Jhun
          14/11/2011

          “Só ver as franquias basilares da história: Mario, Zelda, MGS, FF, Dragon Quest, enfim… Nenhuma delas coloca o Multiplayer acima do SP.”

          Até o dia em que a SquareEnix resolvei cagar tudo e transformar Dragon Quest X num MMO… :(

          • Hélio
            14/11/2011

            Pois é, taí o problema de PRIORIZAR o multi acima do single. Multi não é errado, mas priorizá-lo não é o caminho, na minha opinião.

        • Juliano
          14/11/2011

          “Até o dia em que a SquareEnix resolvei cagar tudo e transformar Dragon Quest X num MMO… :(”

          SquareEnix – nem precisa falar mais nada né

          • Hélio
            15/11/2011

            Tbm acho q o objetivo principal é se divertir, Massao. Só estava dizendo q o SP deve ser o modo principal pq é nele q o jogador aprende o q é o jogo como um todo (geralmente). Muitos não conseguiriam encarar adversários humanos logo de cara sem primeiro se preparar no SP. Fora q se o MP for colocado como primeiro modo, pra onde vai a história do jogo, o carisma dos personagens, todo esse trabalho cinematográfico? É só essa a minha dúvida.

      • Lylkai
        25/11/2011

        Bruno Massao, sinceramente, não faz nenhum sentido culpar L.A. Noire por não ter um multiplayer. Como eu disse no meu post anterior, cada jogo é um caso. L.A. nunca chegou com o intuito de ser um jogo multiplayer, na verdade é um dos jogos em que você deve apreciar a história como um livro ou filme e sim, esses jogos valem a pena serem guardados como tal. Nem todo jogo é pra render anos, alguns casos – como esse – você compra exatamente pela obra em si, por ter sido bem pensada, bem feita ou você acha que foi fácil fazer, sei lá, um Arkham City? Só pq não tem multiplayer, não vale a pena?
        Se fosse assim não valeria a pena comprar HQs, filmes, revistas e livros. Que dificuldade em analisar cada jogo de forma diferente.

  3. Marco
    14/11/2011

    Melhor frase: “Ódio este que ignoro por completo. ^^”
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    E eu concordo com sue ponto de vista, não vejo muita graça no multiplayer… antes era por não ter rede (no ps3) mas agora que tenho uso mais pra visitar a ps store D:

    E “escapou da tendência quase que irreversível tendência” foi intencional? Porque se foi eu estaria cometendo uma grande gafe haha (acho que já estou fazenod isso, oh)

    • Hélio
      14/11/2011

      Juro q fiquei boiando qdo ela falou essa frase do “ódio q ignoro por completo”. :s

  4. Juliano
    14/11/2011

    forever alone ultra possessive detected

    (brincadeira)

    • Vivi Werneck
      14/11/2011

      rss.. do contrário. só nao tenho paciência de jogar coop, não é por falta de convite. meus amigos na psn, por exemplo, são de “enfeite” pq se já não curto jogar muito online no pc, na psn – que não tenho intimidade de conversar com muita gente – jogo menos ainda online! rs

  5. Lucas (Mangá)
    14/11/2011

    Depende do jogo… só gosto de jogar online qndo é um FPS do resto sou mais “forever alone” rsrs.
    Eii Vivi compartilho das msms i´deias qnto à “se eu precisar usar seu corpo como jangada para atravessar um rio de ácido para me salvar, não tenha dúvidas de que o farei sem hesitar” rsrsrs

  6. Leandro de Paiva
    14/11/2011

    Vivi, seu texto já responde a pergunta tema. Mas tipo assim, eu considero o fato de jogar online (multiplayer) a grande sacada da nova geração de jogos principalmente para nós amantes de FPS que adoramos atirar uns nos outros exaustivamente sem nunca se cansar (vicio é vicio cada um com o seu), e da mesma forma faço questão de jogar minhas queridas campanhas quietinho no meu canto e pros infernos com Final fantasy Online, acho uma heresia total contra os clássicos do RPG empurrar um game para dentro da internet apenas para seguir uma tendência $$$. Compreendo sua revolta, mas não compartilho Totalmente dela. (Ta de TPM???) ops.. brincadeira!!! Sem stress… Adoro seu jeito autentico de “meter o pau” nas coisas que você não suporta, se é que você me entende. Abração e um xero grande.. valew.

    • Vivi Werneck
      14/11/2011

      um xero? rss. como disse, não sou contra o multiplayer agora querer meter online em tudo desesperadamente para conseguir mais dinheiro acho desnecessário e até estraga o que antes era muito bom. mas como disse, isso foi um comentário bem pessoal mesmo. se eu tiver a oportunidade de evitar o online, fatalmente, o farei.

      • Leandro de Paiva
        14/11/2011

        Hhauha… mandei xero né? afff sorry, as vezes sou meio tosco assim. “Evitar o online, fatalmente, o farei” eita que tenso, e um multiplayer do Sonic como seria? rs.. brincadeira! Continuo achando que um jogo pra merecer minha confiança tem que ter um single descente, mas, se ele ofertar um multiplayer digno de me motivar a convidar os amigos para jogar então ele será ainda mais respeitado, pois vai prolongar uma experiência tão bacana(Ex: Uncharted), mas transformar uma serie de sucesso em um caça niqueis $$$ é sacanagem digna de ir à forca.

  7. 14/11/2011

    MP deveria ser bônus em alguns jogos, simplesmente p/ não jogar o DVD no lixo após termina-lo. Eu, particularmente, prefiro o modo single player em jogos como Dead Island e Borderlands, mas Left 4 Dead, Worms e Battlefield, por exemplo, são jogos que não teria a menor graça jogar no modo “Forever Alone”.

    Deveriam escolher melhor os jogos com esta possibilidade. Vejamos que Assassin’s Creed não é um jogo p/ multiplayer, concorda?

    • 14/11/2011

      Não é mesmo…
      Mas acho que Assassin’s Creed,adaptou bem a história do jogo ao multiplayer…afinal você é um agente da Abstergo e está treinado no animus,competindo com outros para se tornar um Templário de elite…
      A história do jogo foi adaptado de forma completamente aceitável…
      E ainda adaptaram a jogabilidade de uma forma muito boa,o multiplayer é Stealth(óbvio que sempre se encontra malucos correndo a matando a esmo)mas o foco é na habilidade e descrição,já ganhei partidas com a metade de mortes do 2ºcolocado e com o dobro de pontos…
      Mas sem dúvida a história ainda é o ponto forte do jogo!
      O que não me impede de jogar e aproveitar o multiplayer(após ter “sincronizado” 100% o singleplayer umas 6 vezes…)

  8. Edson Vitor
    14/11/2011

    Isso tudo pra que??? $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$.

    Single pra mim ainda é tudo alem claro do multiplayer

  9. 14/11/2011

    Ah, antigamente rolava muita jogatina em casa e na casa de outros colegas, hoje em dia é dificil acontecer isso. Geralmente é fim de balaids que vai parar na casa de alguem e olhe lá.
    O multiplayer veio justamente pra suprir isso.
    Muitos jogos de dão a opção de “solar” (eu solo, tu solas, ele sola), mas com alguem sempre fica melhor. (exceto quando tem que dividir a recompensa hehehe)
    Por mais tosco que pareça eu vejo assim:
    Masturbação esta para Single Player, assim como sexo a 2 esta para Multiplayer.
    Eu me divirto nos 2, mas prefiro a segunda opção :)

    • Hélio
      14/11/2011

      “Masturbação esta para Single Player, assim como sexo a 2 esta para Multiplayer.
      Eu me divirto nos 2, mas prefiro a segunda opção :)”

      Q comparação, meu Deus, q comparação! rsrsrrsrsrrsrss

      • leandro(leon belmont)alves
        15/11/2011

        uahauahuahauhauhauahuahau!!!!

        cê é comédia Hélio Snake.

  10. Tatsu Oni
    14/11/2011

    EU adoro MMO’s principalmente RPG’s, mais especificamente WOW, e sinceramente jogo mais como single que multiplayer sempre que dar faço minhas missões sozinho, adoro jogar PVE, mas tenho me ritmo e nem ligo de ficar para trás, jogos sigles são legais, mais ficar matando só bonecos idiotas com um padrão tosco é um saco. Qual graça de jogar um jogo aonde esta limitado ao padrões de ações que uma pessoa cria ou um grupo de pessoas que não chega a 0,01 do jogadores?

  11. 14/11/2011

    Eu jogo os dois tipos sem maiores problemas. Eu digo que há hora pra tudo, por isso jogos que permitam as duas possibilidades são extremamente “mais aceitáveis” no mercado gamer.

    Quando um jogo oferece ambos os modos, você pode simplesmente ignorar os modos multiplayers desse jogo – afinal, eles não vão interferir na narrativa. Mas aí você quer um break, mas gosta tanto do jogo que quer continuar jogando-o… E aí você pula pro multiplayer, nem que seja pra ficar umas duas partidas e cair fora.

    Ou então quando o jogo oferece a possibilidade se jogar o enredo principal cooperativamente com outras pessoas, tipo o Borderlands ou o RE5. Mas aí vem o problema técnico do jogo. Em Borderlands, por exemplo, se você jogar o single player, é você, sozinho. Se você jogar o single player do RE5, por exemplo, seu AI partner é BURRO, ele com certeza vai fazer cagada, principalmente em dificuldades elevadas, então é preferível jogar com outra pessoa. Acho que a mesma coisa aqui se aplica ao Left 4 Dead.

    O foda é quando o jogo “te obriga” a jogar num modo multiplayer pra extender a narrativa, como o Battlefield 3 fez com as Coop Missions. Isso eu acho tenso, até porque quase nunca você vai encontrar alguém pra jogar com você no random. E muitas vezes seus amigos não jogam no mesmo nível que você, então já viu… Esse era uma das minhas maiores broncas com o modo Onslaught do Battlefield Bad Company 2: eu nunca encontrava pessoas que sabiam jogar, de fato. Eram sempre pessoas aleatórias que mais atrapalhavam do que ajudavam.

  12. Carla Rodrigues
    14/11/2011

    Acho que a sua primeira resposta é muito bem justificada. Você não gosta de jogar multiplayer e pronto. Mas muito mais do que uma tendência, o modo multiplayer às vezes é o principal motivo pelo qual alguns jogadores compram determinados jogos.

    Eu jogo Gears of War com pessoas que nunca nem começaram o modo história, mas estão lá no level 30 pra cima só por conta do multiplayer. MW3 é a mesma coisa, tem gente que está pouco se lixando para a terceira guerra mundial do modo história, quer mais é ficar camperando nos mapas e chamar os amigos pra meter balas.

    Quando a gente era pequenina não existia isso de “modo multiplayer para 16 pessoas online”, mas era muito divertido jogar o co-op de Castle of Illusion com a minha irmã, então a progressão clara disso seria investir nos modos multiplayer, que além de tudo trazem um fator “durabilidade” muito maior para o jogo. Seria meio frustrante terminar o modo história de alguns jogos e pronto acabou não tem mais o que você fazer aqui.

    Claro que nem todos os jogos precisam ter um multiplayer para serem bons jogos, e é claro que nenhum jogador é obrigado a jogar o multiplayer, mas eu não reclamo quando tem. Acho que é apenas um fator que agrega mais horas ao jogo e é algo que os jogadores em geral apreciam bastante. Mas como você disse, é questão de gosto.

  13. 14/11/2011

    Eu gosto de multiplayer. Gosto de jogar com outras pessoas e tal (jogo WoW e COD). A única coisa que reclamo são dos filhos da p**** no Call of Duty que ligam seus microfones e ficam fazendo barulho desnecessário. Isso me irrita!

    • Carla Rodrigues
      14/11/2011

      Isso é mais falta de educação mesmo =]

  14. Jhun
    14/11/2011

    É por isso que nunca consigo uma partida de Borderlands e L4D2 no Steam com ela. XD

    “ainda estou revoltada com o multiplayer “não obrigatório” (mas que se não jogar vai dificultar muito a sua vida) em Mass Effect 3. Estava tudo lindo até agora e a BioWare tinha que trollar no último?”

    To pra dizer que fiquei muito puto com essa idéia cara. Não poderiam manter o formato original do game? Ainda bem que é o fim da trilogia pq a cada dia que se passa vejo Mass Effect ficando cada vez mais “povão”.

    Acho que o multiplayer deve ser algo a parte e não obrigatório. Exstem games onde ele é totalmente desnecessário. Bioshock 2 por exemplo. Gosto sim de disputar umas partidas com a galera, mas prefiro bem mais me envolver no modo Singleplayer de um game, principalmente quando tem uma história boa.

    Do mesmo modo que existem games que DEVEM ser jogados em modo cooperativo: Borderlands, L4D, Dead Island, Resident Evil entre outros.

    Curte bastante os dois modos mas o meu voto vai para o singleplayer. :)

    • Vivi Werneck
      14/11/2011

      “É por isso que nunca consigo uma partida de Borderlands e L4D2 no Steam com ela.”

      nem tenho mais instalado no meu PC, rs.

  15. Juliano
    14/11/2011

    Pois é, e meio que com valores altos dos jogos, eles merecem um replay maior, mas ficar terminando a campanha toda hora ninguém aguenta, nem seu próprio jogo favorito.

    (Quando era mais novo odiava a ideia de um amigo de jogarmos single player no street pra ver os finais, eu queria era surrar ele no vs)

    • Hélio
      14/11/2011

      Pior q EU agüento. Não em games de luta, lógico, mil vezes o versus. Mas games como a série GOW, Uncharted, FF e MGS eu já zerei o single trocentas vezes e não me canso, muito bom!

      • Juliano
        14/11/2011

        trocentas quanto? + de 10?

        • Hélio
          14/11/2011

          Sendo bem exato:

          God of War – mais de 30 vezes em GOW 2, umas 15 no GOW 1, 10 no GOW 3, 20 e tantas em cada GOW do PSP;

          Uncharted: não joguei tantas vezes assim, mas ainda tenho gás pra várias dezenas de horas nas dificuldades mais variadas do game;

          FF – tenho umas 400 horas em FFXII (se contar as 3 jogadas); terminei 4 vezes FFVII, 4 vezes FFVIII e 3 vezes FFIX; FFX foram 2 vezes e FFV foi uma só.

          MGS – O primeiro eu terminei umas 3 vezes, o segundo uma vez só, o terceiro mais de 7 vezes, o 4º uma vez só, enfim… Eu sou bem empolgado no single, já deu pra perceber, né? xD

          • Juliano
            14/11/2011

            tirei meu chapéu, vai ter saco assim no quinto dos infernos, ehueheuheuh, esse é guerreiro.
            Acho que só te passo nessas jogatinas em horas com Street Fighter 2, desde que lançou eu sempre fui jogando cada versão dele, termino uma vez ou duas por dia e nunca me enjoei, quando estava cansado de jogar videogame por estar sem saco pra entrar em algum rpg, lá estava jogando Street Fighter 2, mas se eu contar também as 300 horas que tenho no Advance Wars Dual Strike, mais o que joguei nos dois do GBA, fica ali ali com o teu FF, e falando em FF o 6 foi o que mais terminei, acho que mais de 7 e menos de dez, por aí, se contar versões do Snes e Gba

  16. Vítor Paiva
    14/11/2011

    Em primeiro lugar um jogo com campanha singleplayer é essencial na hora de comprar um jogo, por mim Demon Souls, Metal Gear e mais alguns simplesmente não tem graça de jogar com mais pessoas, perde o sentido das coisas xD
    Mas tem jogo que é indispensável um multiplayer ou um coop, como em Little Big Planet, Call of Duty e mais alguns quando o pessoal vem em casa e tudo mais…

  17. 14/11/2011

    Concordo Vivi. Parece super obrigatório um modo online/multiplayer em qualquer tipo de jogo hoje em dia..e eu também não sou muito fã. =P sem falar dos troféus, que agora sempre tem no mínimo 1 online pra lascar com sua platina aiuhuiahiuahuia… Ótimo texto! ^^

  18. Fernanda Martins
    14/11/2011

    Eu só gosto de 2 jogos online: O bom e velho Counter Strike e WoW. Gosto de CS mas não gosto de Battlefield por exemplo. Acho que shooter em multiplayer deve ser em um ambiente pequeno com um objetivo simples e não uma loucura total e completa.
    Entrei um clã da UOL de CS bem bacana uma época e jogar online pra mim foi sensacional.
    WoW é legal, mas senti falta de amiguinhos para jogar. É foda vc conseguir um grupo maduro pra jogar online (leia-se sem pirralhos que jogam 24/7 gritando e trolando) e esse é outro ponto pelo qual eu não sou fã de multiplayer.
    Entretando eu só joguei 3 jogos online na vida e gostaria de tentar jogar outros no futuro (vou comprar um PS3 em janeirro) para que eu tenha parametros suficientes para de fato ODIAR ou não multiplayers… mas de uma coisa eu tenho certeza: Se vc não consegue um grupo de pessoas para jogar um multiplayer, o jogo se torna chato.

    Eu também concordo com o Bruno Massao, mas o problema ocorre quando o jogo oferece os 2 modos e deixa um deles a desejar… dai é tenso! E querendo ou não isso acontece na maior parte das vezes…

    • 14/11/2011

      Confesso que eu jogava muito CS, até conhecer Battlefield. O estilo de jogo do Battlefield me agrada muito mais: cenários maiores, classes que, de fato, agem diferentemente, veículos e afins. No caso do Counter Strike, o que importava mais era a habilidade do jogador – às vezes seu time inteiro morria e ainda assim você, sozinho, conseguia matar todo mundo e vencer o jogo. No Battlefield, não: trabalho em equipe é levado – e muito – em consideração.

      Se algum dia você decidir tentar jogar qualquer BF, torça pra cair em um jogo com pessoas que joguem do jeito que deve ser jogado. Você vai ver que não é um “caos completo” :P

  19. Fabão
    14/11/2011

    huahuahua esse mimimi conta multiplayer é coisa de quem não ganha uma partida contra os amigos uauhauhauhahu *foge infinitamente para as colinas*

    • Vivi Werneck
      14/11/2011

      ahahaha… precisa fugir não. adimito que não sou muito boa em multiplayer mesmo justamente por quase não jogar nesse modo. em Left 4 Dead e Borderlands me viro bem e Worms eu jogo até bem melhor, mas no restante não acredito que me daria muito bem.

    • Fabiot
      15/11/2011

      Hahaha.
      Bem observado, Xará.

  20. Fabiot
    14/11/2011

    Tópico simples, mas bem interessante.
    Eu discordo da idéia que multiplayer é algo banal. Sempre gostei.
    Tem muitos jogos por aí que tem enredos fantásticos, mas acabam em 6/8 horas de jogo e o quesito multiplayer prolonga e muito a vida útil. A função multiplayer tem, em muitas vezes, o objetivo de tirar o foco de algo mais sério e levar apenas para o entretenimento sem compromisso.
    Mas concordo que nem todo jogo precisa de multiplayer. Porém já tive(e tenho) experiências fantásticas com outros jogadores.
    Como imaginar jogos como Diablo 1 e 2, Dungeon Siege 1 e 2, Portal 2, o próprio Borerlands e muitos outros jogos sem essa função.
    Na verdade, eu sempre preferi o multiplayer do tipo co-op ou MMORPG.
    A sensação de cooperativismo, com pessoas que sabem assim jogar, é algo muito excitante para mim. Por exemplo, no Resistance 2, o multiplayer co-op é fenomenal. Cada tipo de soldado tem uma função específica, então todos dependem de todos(exceto uns e outros que se acham Rambo).
    RPG co-op também é fantástico. Montar estratégias para confrontar certos inimigos e dividir itens provenientes de loots são parte da diversão. Na maioria dos RPG’s você pode contratar ou ter amigos controlados por IA para te ajudar em sua jornada. Fica muito mais interessante quando a IA passa a ser IH(Inteligência Humana).
    Porém tem jogos do estilo mata-mata que se comportam muito bem, como Kilzone 2, CS, Battlefield 1943 e Enemy Territory.

    Confesso que gostaria muito que o Skyrim tivesse multiplayer, principalmente pra jogar com meu brother. Mas, independente disso, mp ou não, o jogo tem muito conteúdo pra apreciar. No fim, não fará muita falta.

  21. Murilo
    14/11/2011

    eu gosto de qualquer modo de jogo, qualquer estilo, qualquer gráfico… eu sou gamer viciado mesmo! xD

    Mas eu acho que os 2 tem pontos positivos e negativos… no modo single-player o game pode avançar na história, nos npcs e até no cenário de um modo que o multiplayer não conseguiria (apesar do WOW estar perto disso, mas ainda não é a mesma experiência), em compensação jogar em silêncio sem ninguém perto ou falando é meio estranho as vezes… Ja o multiplayer é ótimo para conversar com uma ou outra pessoa, pedir ajuda em partes difíceis, ver como cada um desenvolveu o personagem, mas o lado negativo é que muitos jogos online são genéricos e a comunidade tem a tendência de encher o saco, principalmente a comunidade brasileira, servidor BR é insuportável!

    Eu hoje sou muito mais um “mmo player”, não sou uma pessoa sociavel nem online mas gosto de ver pessoas por perto, além disso, hoje em dia existe uma gama enorme de jogos F2P, o que é muito bom, posso testar vários estilos sem gastar dinheiro

  22. leandro(leon belmont)alves
    14/11/2011

    multiplayer tem uma desvantagem se você tiver irmão….

    a gente sempre briga quando a gente não joga cooperativo…

    é por isso que e e meu irmão Nelson quase jogamos nada mais juntos :(

  23. Matheus Filipe
    14/11/2011

    Sou egoísta, gosto de jogar sozinho, de boa…
    Se quisesse interação social, iria jogar aquelas porcarias de jogos do facebook de vila-do-caralho-a-quatro.

  24. The Punisher
    14/11/2011

    Pra mim depende do jogo, alguns não têm mesmo o porquê/cabimento o multiplayer já outros já não tem cabimento ou o porquê só single ou até poder só jogar multi online e não off no mesmo console como se via muito em Beat’em up, hoje em dia normalmente/geralmente multiplayer off-line só jogos de luta e futebol. Agora jogos que são obrigatórios jogar on-line que nem se quer tem campanha single como o caso de MAG, pra mim é o mesmo que pegar o dinheiro jogar na privada e dar descarga comprar um game desse.

  25. Carcaju
    14/11/2011

    Eu gosto dos dois… single e multiplayer. Se não gosta de multiplayer, é só não jogar, rs…

    Eu me divirto bastante com o multiplayer do Brutal Legend, do RE5, sem contar outros mais óbvios, como Mortal Kombat, Street Fighter e Tekken, e acho legal ter. Mas não tenho muito tempo para jogar os “exclusivamente multiplayer”, como o WOW. Baixei o DC Online para tentar jogar algo assim, mas nem curti muito…

  26. Carla Rodrigues
    14/11/2011

    PESSOAL, uma pergunta diferente sobre o mesmo tópico então:
    Um jogo NÃO ter modo multiplayer é um ponto negativo?

    • Leonardo
      14/11/2011

      Há jogos que tentam agradar a gregos e troianos, leia-se, multi e single. depende da posição sobre a própria matéria. Para mim, que não curto, não o torna negativo mas para quem goste, talvez.

    • Shaka
      14/11/2011

      Imagina worms, left4dead, MW, borderlands… Sem multiplayer, iam ser no máximo jogos razoáveis. Agora querer fazer multiplayer de Final Fantasy, Mass Effect, eu já acho heresia. Tem jogo que nasceu pra ser multi e tem jogo que nasceu pra ser ‘singuiplayer’.
      Rpgs em geral não devem ter Multi, e se tentarem fazer MMO, vão ser engolidos pelo WOW, então, não adianta tentar. FPS dinâmico tem que ter Multi, se não está fadado ao fracasso.
      Tendencias de mercado!

      Eu gosto dos dois modos então não tenho problemas com isso.

      É questão de gosto, tem gente que consegue jogar FPS em console, tirando halo, pra mim é muito escroto. Da mesma forma tem gente que gosta de jogar Multi sem nem encostar na campanha… Cada doido com sua mania.
      Alguns jogos eu acho os 2 modos foda; Modern Warfare, Warcraft, starcraft, eu amo as campanhas e os modos online.

    • Murilo
      14/11/2011

      Depende, Bioshock ou Assassins Creed ter ou não multiplayer é irrelevante, agora, sendo a série COD tão focada no multiplayer, não ter é meio que insanidade

    • leandro(leon belmont)alves
      15/11/2011

      aí vai depender do jogo. eu acharia interessante um multiplayer num rpg. como Diablo…

      • Fabiot
        15/11/2011

        Acharia, Leandro ?
        Os 2 Diablos tem multiplayer e o terceiro que está pra sair também tem. Caso nunca tenha jogado Diablo multiplayer, saiba que vale muito a pena. Aproveita e compra o 3 pra dar uma experimentada.

  27. Leonardo
    14/11/2011

    Antes de mais, uma pequena referência histórica (não sei se alguém falou mas ler tanto post é demais!) mas o que hoje chamamos de multiplayer online era o antigo “ir a casa de amigos para jogar”. Na altura, tinha piada jogar com uma prima minha e amigos mas mesmo assim, tal como a Vivi, simplesmente não estou para aturar o saco hoje em dia- sou um “antisocial vidogamer”-adoro jogar no meu canto, explorar com calma e apreciar os cenários, ficar a ouvir as próprias músicas. Hj em dia temos o multiplayer e ainda a opção de 2 ou mais comandos numa só consola/jogo e é desta última que eu gosto verdadeiramente. Não odeio o multiplayer mas simplesmente não é para mim e odeio sim jogos que poderiam ser bons mas que enfatizam o multiplayer para prolongar o jogo e, em parte, para impedir o mercado em 2ª mão (essa de querer probir 2ªmão também é estúpida pra caralho).

  28. 14/11/2011

    O fato é que:Existem jogos focados na História,singleplayer enfim…
    E outros que são focados no multiplayer,como a maioria dos FPS,MMO…
    Qualquer um que adora um bom FPS,enjoa de atirar em NPC’s e precisa de um “desfio” a altura de suas 99999999horas de treino,então encara um multiplayer e descobre que ele não é tão bom assim,isso irá aumentar a vida útil do jogo pois você sempre encontra alguém melhor,e isso te estimula a jogar ainda mais…jogos de corrida também conseguem adaptar bem o jogo para uma experiência online…
    Já um Metal Gear,Devil May Cry,Dead Space,Skyrim,Resident Evil e outors por exemplo,tem uma história incrível e não há como adaptar um multiplayer realmente bom,pois ficaria fora de contexto,seria quase um outro jogo,com o mesmo título…porém por outro lado as vezes alguém gosta tanto do jogo que joga o muliplayer para aumentar a vida útil do jogo,mesmo que ele seja bem fraco…
    Existe sim uma tendência perigosa das desenvolvedoras de “EMBUTIR” multiplayer em tudo!
    Mas dificilmente um jogo essencialmente solo será bom no multiplayer.
    Sempre é divertido jogar com amigos,a adaptação disso são os jogos online(que na verdade não substitui o “jogar com toda a galera em casa!!!!”)
    Por isso cada vez mais jogos oferecem essa opção,a questão é que as vezes falta bom senso…

  29. Leandro (Shady)
    14/11/2011

    Eu adoro multiplayer, o jogo vive por muito tempo por causa disso igual os COD’s da vida e BF’s, tem aquela coisa de “só compro original se tiver multiplayer” eu penso um pouco assim também mas o Skyrim valeu a pena mesmo sendo single, o jogo é muito bom, isso é mostrado nas pontuações que ele teve em cima de muito jogo que tem multiplayer.
    Nao to jogando BF3 por causa desse maldito jogo se eu soubesse nem teria comprado o Battlefield ><

  30. Nicola
    14/11/2011

    Eu só condeno o multiplayer em jogos q não fazem sentido ter , Mass Effect, Dead Space, gosto d jogar FIFA e Magic na live, ms não é nem d longe meu modo d jogo favorito, eu nuc ajogo online antes d fazer tudo oq posso fazer offline, tem joog meu q eu nunca experimentei o online, prefiro muito mais jogar sozinho, multiplayer só se for com tela dividida, e se não for futebol, cooperativo.

  31. 14/11/2011

    Post para reflexão? Eu vou filosofar aqui. E, quando digo isso, revelo que vou escrever um comentário enorme, daqueles que eu adoro fazer. E vou responder a pergunta. Tudo tem que ter multiplayer agora porque essa é a resposta dos games atuais aos problemas encontrados no passado.

    Um game costuma ser analisado por diversas maneiras, de acordo com o ponto crítico de cada um. Mas fatalmente a grande maioria recai nas mesmas coisas (até eu critico games assim): gráficos, jogabilidade, som, diversão, e… E… Qual é o nome daquilo lá mesmo… Ah, sim, replay. Ou, se preferir, longevidade.

    Um game tem de possuir longevidade para ser reconhecido como um bom game pela maioria dos críticos. Claro, tem gente que joga um jogaço uma vez só, fecha em oito horas e tem uma experiência incrível, a ponto de não precisar de mais nada para considerá-lo um jogo bom e ruim. Conheço gente que fechou Heavy Rain uma vez, o achou incrível e nunca mais jogou o game. Certo. Só que tem uma parcela de jogadores que, para conseguirem achar um game bom, eles têm e mantê-lo “grudado” na frente da tevê (ou do monitor) por muitas e muitas horas.

    E como um jogo possui longevidade? Bem, tem vários jeitos, que variam com o estilo. RPGs costumam possuir boa longevidade por serem realmente longos e repletos de coias para fazer, como sub-quests, chefes secretos e itens escondidos. Games como Zeldas, Final Fantasies, Marios e Dragon Quests mantinham as pessoas jogando por meses até fazerem 100%. Jogos de ação também podem tender para essa questão do tamanho, como podemos incluir GTA, jogos realmente grandes e extensos e com muitas coisas extras para fazer. Mas o que um jogo do tipo FPS precisa ter para manter um carinha jogando-o sem parar por semanas e semanas? Como um jogo FPS desses que se fecha em 10, 15 horas (ou bem menos), pretende agradar aquela parcela de gamers que querem se sentir presos aos seus brinquedos por muito e muito tempo? Colocando extras? Fases secretas? Áreas secretas? Armas escondidas? Tudo isso foi tentado, com Doom, Quake, Castle Wolfenstein e outros, e surtiu efeito por um tempo, mas hoje não agradam muito mais. É fácil ver um crítico de hoje criticar um game porque ele é “curto demais”.

    Isso perdurou até que os games começaram a apresentar um modo multiplayer. Aí, sim, estava a resposta mais do que bem solucionada para os games de hoje em dia no quesito longevidade. Afinal, já havia métodos de se conseguir arrancar boas notas de gráficos, som, jogabilidade e diversão, e agora eles sacaram a mina de ouro para o quesito longevidade. As produtoras não precisam mais fazer games gigantescos, de mais de 50 horas, para agradarem àqueles críticos citados anteriormente. Eles podem continuar fazendo os mesmos games de antes, de 8, 10, 12 horas de jogo, que tá tudo bem. Basta incluir ali um modo multiplayer bacaninha que ele será jogado por muitas e muitas semanas.

    Eu tenho diversos amigos que se matam de jogar Uncharted 2. Lógico, eles curtiram o game, e, tal, mas, se eu perguntar a eles o que eles mais curtem no game, é claro que eles não vão responder “a história”, ou “os controles”, e sim, “o multiplayer”. Basicamente, porque eles passaram 99% do tempo jogando o game no multiplayer. Se não tivesse modo multiplayer, eles teriam deixado de jogar esse game faz tempo. Mas, por causa do multiplayer, eles jogam esse game até hoje (ou melhor, evoluíram para o Uncharted 3).

    Enfim, é isso. Eu acho que a maioria dos jogos de hoje TÊM de apresentar uma alternativa multiplayer, ou, caso contrário, serão rebaixados pela crítica. São poucos os que não tem multiplayer e não recebem críticas por serem curtos demais, e blá, blá, blá. Ou o jogo é um Zelda ou GTA da vida, com dezenas e dezenas de horas de gameplay, ou será apenas um “joguinho de fim de semana” para a maioria dos jogadores de hoje, se não tiver multiplayer.

    Boa noite a todos.

  32. Lu Gimenez
    14/11/2011

    eu nun curto multipalyer at all,d vez em quando jogar algo com uns amigos é legal,+ nun sinto falta d multiplayer,prefiro jogar sozinhu,sem risco d lags,quedas d conexão,sussegado,e eu acredito q se ultimamente os jogos nun fossem tdos focados no multiplayer eles seriam realmente incriveis,por exemplo battlefield 3,o multiplayer é divertido pra jogar com uns amigos d vez em quando,+ o single player é realmente ruim na minha opinião,a campanha d battlefield 3 só foi criada para propositos: 1- exibir graficos e 2 ter oq fazer caso seus amigos nun estejam online, pra mim multiplayer é só qndo for extremamente divertido
    e uma coisa q eu vi em um review sobre Batman arkhan city q me deixou puto era q o unico e maior ponto negativo no jogo inteiro era q ele nun tinha multiplayer.até no Batman as pessoas qrem abrir o jogo,jogar o multiplayer e dpois nun jogar + pq lançou um jogo com multiplayer melhor(igual aos 47 amigos meus q eu assassinei no decorrer da semana passada por comprar MW3,jogar varias horas online e me dizer q o single dele é uma bosta)

  33. Shaka
    14/11/2011

    [Off]Se tivesse um prêmio dos blogs com comentários mais longos o GoW ganhava fácil….

    • 14/11/2011

      huahuahua, com certeza. Cada comentário é um discurso por aqui. XD

    • Leandro (Shady)
      14/11/2011

      kkkkkkkkkkkkk aqui devia ter um fórum.

      • Vivi Werneck
        14/11/2011

        boa, vamos pensar em como implementar isso. ^^

      • Fabiot
        15/11/2011

        Eu vi um camarada sugerir no Facebook uma vez e achei legal.
        Colocar um chatzinho daqueles de web pra galera trocar umas idéias.

    • Shaka
      14/11/2011

      Prevejo uma grande disputa pelo usuário 01 do fórum.

      Ai vcs colocam uma parte VT-(Vale tudo) no fórum, pra ficar igual o Uol VT (Quem já frequentou o VT sabe que a chance de freakisses aparecerem é grande hehehe).

      • Leandro (Shady)
        15/11/2011

        Shaka

        primeiro user do fórum teria que ser eu que dei a idéia =\

        justo!

        • Leandro (Shady)
          15/11/2011

          Vixi falto um Eu ali no meio >.>

  34. Adriana
    14/11/2011

    Para mim, multiplayer só se for em jogos de esporte e de luta, o que, em regra, eu raramente jogo. Nos RTSs só vale a pena quando tenho um grupo de conhecidos para jogar, pois não tenho paciência com maus perdedores, nem com veteranos que, ao invés de me ensinar a jogar, ficam reclamando e xingando. Em regra gosto de jogar sozinha, pois sou explorer, gosto de explorar no máximo de detalhes o cenário, curto cada evento, leio a descrição de cada item, magia, arma.

  35. André Slompo
    15/11/2011

    Respeito quem joga single apenas, mas usando a liberdade poética para resposta curta, eu ACHO (enfase em uma opinião) que é um tipo de autismo, eu não suporto. Todos os single players que joguei foram com gente olhando jogar ou revesando controle, sozinho não jogo nada. Por isso eu mal compro jogos sem multiplayer.
    Claro que multiplayer tem problemas, mas gosto de desafio que IA não pode fornecer :/. Arenas (dota, hon e afins), fps, luta (mk e street).
    A dificuldade de single se resume a boss da mais dano, vc tem menos vida, ia tem mira perfeita, menos recurso, necessita de mais farm para passar, etc… nada comparado a jogar contra alguém melhor que vc, battlenet de star que o diga. Um bot pode te xingar mas não vai mecher com vc mais que um folgado online.
    Vi vários argumentos de história prender… Tem histórias boas em games, mas sinceramente, sou mais livros, quando procuro histórias.
    Acredito que multiplayer cooperativo estimula trabalho em equipe, jogar no acido pra passar ? pode fazer, mas vai sentir falta do time depois.
    é por ai o q eu penso.

    • Vivi Werneck
      15/11/2011

      rsrsrs… essa é a minha questão. não gosto d trabalho cooperativo em jogos. odeio quando me mandam um personagem para ir comigo numa missão, ou pior, quando tenho que proteger alguem. isso atrasa a minha vida. como havia dito, nao tiro o mérito do multiplayer. longe disso, mas não curto muito mesmo. ^^

      • Shadow Moon
        15/11/2011

        Vivi fiquei com uma duvida agora.
        E em Fallout 3 ou New Vegas voçe recrutou todos os companheiros ?
        Ou voçe fez como eu e mandou todos as favas e terminou esses jogos sem ajuda ?

    • Juliano
      15/11/2011

      “Vi vários argumentos de história prender… Tem histórias boas em games, mas sinceramente, sou mais livros, quando procuro histórias.”

      Eu vejo bem por aí também e poderia adicionar séries e filmes onde se ver boas histórias.
      No caso de videogames eu gostei de jogos da Bethesda, pelo simples fato de ele ser livre, me atira lá no mundo muito bem criado por eles e o resto quem faz sou eu. Por isso não tenho saco pros outros tipos de rpg que estão me contando história, não ligo mais pra história, quero é jogar. Seguir uma linearidade pra ver uma história e depois abandonar o jogo(muitas vezes umas histórias de merda) não é o que vai me fazer começar um jogo.

      P.s.: Comentei o comentário e nem falei nada sobre single ou multi player hehehehhe

  36. Fabio Zaguetto
    15/11/2011

    Bom eu até jogo alguns jogos multiplayer como left 4 dead 2, Modern Warfare 3 e tenho muita vontade de zerar a campanha de gears of war 3 com amigos. Maasss tem jogos que na minha simples opinião não deviam ter multiplayer, simplesmente não encaixa em certos jogos e as vezes costuma estragar a produção do mesmo, já que você tem que dividir sua equipe pra desenvolver o single e o mutiplayer e acaba perdendo o foco de um ou outro.
    É muito complicado, forte abraço a todos e até mais

  37. André
    15/11/2011

    Eu sou como a Bebs, prefiro um single com uma excelete estória, IA aprimorada e uma extensão bem grande. Não sou muito fã de multi.

  38. Lipe!
    15/11/2011

    prefiro multy ou jogar versus…jogar sozinho é chato.
    gosto de jogar só quando tô com meu ds lite jogando the dark spire.

  39. Júlia Oliveira
    15/11/2011

    Pra mim single player e multiplayer depende do jogo. Jogos de esportes e shooters na minha opinião combinam mais com o modo multiplayer que virou modinha (temos que admitir isso, igual ao 3D depois de Avatar ¬¬).

    Já jogos que no single player requerem do jogador estratégia e/ou possuem como caracteristica principal o enredo e deu desenrolar pra mim o multiplayer se torna completamente desnecessário. Não consigo imaginar jogos de histórias tão elaboradas como MGS4, Mass Effect, Uncharted, Silent Hill, etc com multiplayers, que não poderão acrescentar mais profundidade a história. Para tais acho inútil entrar online, num meio de uma correria e tiroteio para, sei lá, capturar uma “bandeira”!

    Concordo que o multiplayer aumenta a vida útil de um jogo, concordo também que é bem divertido, mas pra mim ele não funciona com todos os tipos de jogos.

  40. Fabiot
    15/11/2011

    Caramba, impressionante o pessoal dizendo que jogo de RPG não necessita ou não fica bem com modo multiplayer.
    Não acredito que vocês nunca tenham experimentado nenhum jogo de RPG(não estou falando de MMO não), RPG mesmo, como:
    Baldur’s Gate, Diablo 1 e 2, Dungeon Siege 1 e 2, Neverwinter Nights 1 e 2.
    A experiência multiplayer desses jogos é fantástica. É o melhor gênero pra multiplayer existente(na minha opinião).
    Você pode pegar por exemplo o Borderlands que tem elementos RPG e já pode imaginar como pode ser divertido jogar um jogo como Skyrim, que é essencialmente RPG.
    Só acho que vocês deveriam jogar, antes de falar que não fica bom.

  41. Flavio
    15/11/2011

    Eu sempre fui de jogar single player. Nunca liguei pra MultiPlayer, mas depois de jogar Gears of War online mudei de opinião. Ainda sou meio Noob, mas as vezes jogo umas quedinhas online pra passar o tempo após ter terminado a campanha principal. Mas tem games que combinam com essa experiencia e outros não. Games de luta online são bem melhores, os de tiros são divertidos, mas querer inserir online em tudo é desespero sim. Tem games que não combinam com essa experiencia. Assassin´s Creed por exemplo, tem um modo online interessante, mas que enjoa após algumas partidas. Mass Effect como vc falou estava indo muito bem sem esse modo. E o que dizer do multiplayer de Dead Space 2? São coisas que acabam prejudicando a experiencia do gamer com aquele jogo. Gosto do online, mas só para alguns games, os que carregam essa modalidade na sua essência, e não para aqueles que tem isso inserido a força(ui) em seu conteúdo pra extrair mais alguns trocados do pobre jogador.

  42. 15/11/2011

    Sempre preferi Single Player, adoro Fallout e Elder Scroll, mas a falta de tempo me impede de desfrutar desses jogos. Por isso hoje jogo mais multiplayer de Call of Duty ou jogos casuais.

  43. 15/11/2011

    Bom, preciso representar bem o meu companheiro de Melhor Final João Paulo e tentar responder com um texto original, de opinião própria, e sem muita formalidade, por quê não ? …

    O modo multiplayer hoje se faz necessário justamente por possuir o elemento interativo quer “puxam” jogadores de todo o mundo em qualquer game que você encontrar: o elemento “longevidade” … Já leram isso nos post’s anteriores ? Pois é, isso definitivamente se faz necessário e soa muitas vezes como “supérfluo” para alguns e a “mina de ouro” para outros.

    Vejamos, sou uma pessoa que ama jogar Resident Evil 5: Gold Edition, Uncharted 2: Among Thieves, Call of Duty: Black Ops, Resistance 3, Killzone 3 e Dead Nation nos modos multiplayer, imaginem esses jogos sem essa possibilidade … Será que teriam a mesma crítica ? A mesma reação, as mesmas vendas, a mesma visão de mercado ? Acho que não.

    Eu concordo quando a Vivi diz que o modo single-player se faz muito necessário nos games atuais, provando com Skyrim e The Witcher 2 isso, eu também sinto muita falta de games competentes nos modos single-player em certas franquias atuais, e isso me deixa muitas vezes furioso ao pensar que o modo multiplayer, por muitas vezes é prioridade para várias softhouses do mercado, é uma tendência perigosa, chamo de “o LADO NEGRO” dos games multiplayers.

    Pegar elementos infinitos, elaborá-los de forma a consumir meses e meses, até mesmo anos de jogadores, eu ainda acredito que sim possa ser uma solução, se os games seguirem a tendência de Skyrim por exemplo, e unirem isso a um modo multiplayer competente, claro, pode ser que ambas as partes se entendam como uma “miscelânea perfeita”. Eu tenho esperanças de que ainda surgirão games assim como uma forma básica de mercado, um “padrão”.

    Imaginem o jogador single-player ter uma imersão infinita e uma experiência offline marcante em alto nível, enquanto que o game ao mesmo tempo oferece uma experiência online única ? Não imagino isso como a “mais difícil” coisa de se fazer com games … Sinceramente.

    Ainda temos aquela parte meio que “esquecida”, mas que abrange milhões de gamers online … Os MMORPG’s … Games como World of Warcraft, Perfect World, Combat Arms, Grandchase, Ragnarök, StarCraft 2: Wings of Destiny, Dragon Age, enfim, é a parcela que deve ser respeitada, e que encontram nos modos online, compartilhar evoluções de forma mútua, e é por isso que muitas vezes sofrem um pouco de preconceito por se focarem exclusivamente na maioria dos casos, nesses tipos de games.

    Bom, tentei se o menos formal possível … Por isso “imaginar” é viver, o futuro está ae …

    O tema da Vivi é dos mais interessantes, dá pra abrir vários leques de opiniões, basta ler os vários post’s do tópico e pegar as partes mais interessantes de cada um que ainda sim tem muita coisa bacana pra se refletir e analisar. Muito bom, Vivi !

    Abraços à todas da Girls of War, e continuem com esse sucesso maravilhoso ! ^^

    • 15/11/2011

      Ei! Milton é um dos que eu citei no parágrafo do meu comentário sobre Uncharted 2. Esse é viciado no modo online multiplayer. Só perde em vício pro irmão dele, é claro. Agora, tira o modo multiplayer do jogo e pergunta pra ele se seria a mesma coisa, se ele gostaria do jogo do mesmo jeito ou se jogaria até hoje!

  44. 15/11/2011

    Uncharted 2: Among Thieves tem uma experiência offline maravilhosa, e é sem dúvidas um dos melhores games do PlayStation 3, mas me pergunto se muita gente se lembraria dele depois de quase 2 anos de lançamento sem as várias opções do modo online …

    Não, possivelmente. Por que uma coisa leva à outra e vice-versa. Cansei de ver gente iniciando não só Uncharted 2 mas muitos outros games pelo modo online, pra só depois jogar a história do game em si no modo offline, isso também acontece bastante, comigo não foi diferente.

    Ainda existem aqueles jogos que tentam passar uma longevidade interessante depois de fecharmos por cerca de 8 ou 10 horas … Os famosos “extras”, esqueci de citar isso … Em alguns games ás vezes, soa como uma “falsa” longevidade por quê simplesmente não passa algo novo na prática, soa bastante “forçado” em muitos exemplos próprios, vocês já devem ter se deparado com isso, com certeza.

    A Vivi citou Left 4 Dead … Este sim é um game que até mesmo offline passa uma boa longevidade, no modo coop idem, já no modo multiplayer a coisa se eleva ao infinito, é mais um daquele games que considero essenciais para vingar por um tempo extra no mercado.

    A sim, veio a parte que eu mais queria comentar e também acabei esquecendo …

    Lançou seu game favorito, e ele não é falado mais que uma semana ou duas … Já viu isso ? Nessa geração tem de monte, de monte mesmo. Posso até fazer uma listinha:

    L.A. Noire, Gears of War 3, Prince of Persia: The Forgotten Sands, Bayonetta, Vanquish, Shadows of the Damned, Resistance 3, Saint’s Row: The Third, Enslaved, … E tem muitos e muitos outros.

    Agora responderei com uma pergunta: Por que será que foram tão pouco comentados, hein ? …

    Hahaha, pois é, talvez, talvez, sempre na base do talvez, mas não há como negar que é uma possibilidade … Respondam você mesmos …

    Abraços ! ^^

  45. Hélio
    15/11/2011

    Ironicamente, a única série de FPS criada nesta geração q eu gostei foi Bioshock. Justamente uma das poucas q não tem multiplayer online.
    O Massao ali em cima até se irritou com as minhas réplicas, mas o fato é q MP deve sim existir pra prolongar a vida útil do jogo, mas não deve jamais ser o foco principal, exceto em um ou outro caso específico como a série Battlefield, por exemplo. E pq? Pq qdo o MP é o principal, o single fica em segundo plano, e daí todo o brilhantismo de idéias vai por água abaixo. A narrativa do jogo vai por água abaixo (pois o single não seria o foco do jogo), o design de puzzles, plataformas, o sentido geral do jogo, a sua identidade. Qdo jogo Bioshock, por exemplo, eu sei q estou lutando pra escapar de Rapture, salvar ou condenar as Little Sisters, desvendar os mistérios e tal. Mas pra onde isso tudo iria se o foco do jogo fosse o multi? Eu pergunto: qual produtor se preocuparia em criar alguma coisa de intelgente pro jogo se o q o fizesse vender fosse o modo “capture the flag”? É aí q entra a necessidade de colocar o single como experiência inicial e o multi pra quem quer jogar depois de conhecer o game. Ou, em alguns casos, a pessoa até joga o MP antes, mas o problema seria suprimir a genialidade dos elementos q eu citei acima só pra se focar em tiroteios pelos cenários com outros jogadores.
    A fórmula perfeita de um jogo na minha opinião seria: “single perfeito e memorável acompanhado por MP SE O JOGADOR QUISER).

  46. Nero
    15/11/2011

    Na verdade,sou bem equilibrado.
    Em rpgs em geral,eu costumo fazer uma partida em single player,zerar o jogo e me equipar primeiro e depois pensar em talvez ir fazer alguma coisa envolvida com co-op.
    Será basicamente isso que irá acontecer comigo quando eu colocar minhas mãos em diablo 3.Irei jogar(durante muuuuuuuuuuuito tempo),me adequar ao jogo,me esfolar tentando matar boss(pq em diablo,vc tenta matar os miseraveis boss de cada ato umas 666 vezes e com muitas pots)e depois irei fazer aquelas arenas pvp que criaram apra o jogo(soh para destrair) e talvez faça os eventos pve do jogo(tipo o pandemonium event de diablo 2)

  47. Fabiot
    15/11/2011

    Interessante como as coisas se inverteram.
    Antigamente, poucos jogos tinham estórias e quando tinham não eram grandes coisas. Era só pegar o controle, ligar o console e desfrutar do gameplay.
    O multiplayer sempre esteve presente, claro que dentro da limitação de cada geração. Até no Telejogo tinha multiplayer.
    Jogos classicos, como Contra e Battletoads(Nes), Simpsons, Final Fight, X-Men e Tartarugas Ninja(Arcade) tinham narrativa fraca, mas jogabilidade excelente e o multiplayer divertidíssimo.
    Hoje, parece que as pessoas importam-se mais com a estória do jogo, do que com a jogabilidade em si.
    É claro que eu gosto de uma boa estória, como a série God of War, Metal gear, Uncharted, Gears of War, etc., mas jogos que, muitas vezes tem narrativa fraca, mas jogabilidade incrível são constantemente crucificados pela falta de uma boa estória, tiro como exemplo Demon’s Souls e Dark Souls(foram aclamados pela crítica, mas muitos não gostam por falta de uma boa narrativa).
    Agora o foco é sobre a necessidade do multiplayer; o multiplayer sempre esteve presente, só passou por movimentos evolutivos e agora, com a popularização da internet veio o BUM.
    Pessoalmente, vejo mais necessidade de um bom gameplay do que de uma boa estória.

    • Hélio
      15/11/2011

      Um game sem história ainda é um game. Mas com história ele se torna um produto bem melhor.

    • Giovanni
      15/11/2011

      Você tocou num ponto interessante quando disse que no passado não existia tanta cobrança por um enredo bem elaborado. Isso na verdade expressa a evolução pela qual a indústria de jogos passou. Se a ambição dos produtores permanecesse a mesma e ainda hoje a maioria dos jogos se resumisse à uma boa jogabilidade, sem grandes pretensões com a narrativa, certamente eu já teria abandonado a indústria. O que me fascina e me faz apostar cada vez mais em jogos eletrônicos é justamente o rumo que as coisas estão tomando. Um jogo com uma ótima jogabilidade, mas sem uma base narrativa, é puro entretenimento. E isso não é necessariamente ruim, mas é algo que eu busco em momentos casuais. Se um jogo quer ser visto como algo a mais, com maior profundidade, mais respeito e principalmente como um potencial expressivo, então pra mim é imprescindível que a atmosfera, o enredo, a narrativa e outros fatores que geralmente são deixados em segundo plano na experiência multiplayer, sejam levados a sério.

      • Hélio
        15/11/2011

        Se estivéssemos no facebook, eu curtiria seu comentário. ;)

      • Juliano
        15/11/2011

        E porque será que tentam transformar jogos de videogame em versões para o cinema?

      • Fabiot
        15/11/2011

        Mas aí é que está, o multiplayer é basicamente isso, entretenimento despretencioso. É por isso que eu toquei nesse ponto de narrativa. Se curtíamos jogos sem absolutamente estória nenhuma, por que não podemos continuar curtindo ? É o multiplayer, cujo único objetivo é diversão. Desnecessário ? Eu diria que não.

        PS: Concordo com tudo o que você falou.

        • Hélio
          15/11/2011

          Eu já penso q podemos contnuar curtindo as partes de ação sem capar a história praqueles q a curtem.

          • Fabiot
            15/11/2011

            Então, Hélio, creio que o enredo não seja capado. Acredito que na maioria dos jogos, a primeira coisa que deve ficar pronta é o script. Deve ser dificílimo manter uma mesma estória interessante por mais de 8/10 horas de gameplay. O multiplayer é um complemento, um espaço físico de mídia que não seria utilizado com o foco principal da estória. Poucos são os jogos estruturados absolutamente para a experiência multiplayer.
            Agora, em jogos de mundo aberto de grande escala, aí sim o espaço de armazenamento da mídia deve ser ocupado em quase sua totalidade, talvez por isso que jogos como Fallout, Oblivion e Skyrim não tenham multiplayer.
            Mas a grande meta das desenvolvedoras é “agradar gregos e troianos”. Agradar quem só gosta do single player, agradar quem só gosta de multiplayer e agradar quem gosta de ambos.
            O que seria da vida se todos tivessem os mesmos gostos, né ?
            Tem espaço pra todo mundo. :D

      • DavidPaulo
        16/11/2011

        Ótimo comentário! totalemnte de acordo!

  48. Georgina
    15/11/2011

    Com certeza o jogo multiplayer aumenta em muito a diversão e a longevidade do jogo, jogar Gears of War com 4 amigos o modo campanha ate as três da manha não tem preço. Já só da opinião de q se puderem façam todos os jogos multiplayer , se quiser jogar alone Ok sem problemas fica off-line, se quiser jogar com os amigos e só conectar e aproveitar. Agora obrigar vc a jogar multi uma franquia q sempre foi alone e sacrilégio, mais acredito q eles vão fazer de um modo q vc decide se q jogar coop ou não(espero do fundo do meu coração). E quanto a fazer vc tomar conta do personagem q precisa ser protegido senão as portas do inferno se abriram se ele não fizer o ritual da dança da fechadura (q só ele saber fazer) e claro o local pra fazer o ritual e do outro lado do mundo e vc só tem um caminho a escolher e repleto de coisas mimosas mais sacanagem ainda, odeio ter q proteger alguém, se lembram da filha do presidente em residente Evil , pois é tinha horas q dava vontade de usa-la como escudo. As produtoras tão percebendo esse veio e acho q não tem mais volta veremos mais e mais títulos multi com certeza, só podemos esperar q eles usem o bom senso pois apesar de gostar de jogos multi ainda prefiro um Dragon age, Oblivion, Fallout, Mass Effect e etc bem alone explorar cada cantinho não sossegar em quanto não descobrir tudo, sou daquelas q tem q achar todos os baús e quinquilharias e claro todas as quest.

  49. Soldado Rock
    15/11/2011

    O modo single player do MW3 é curtissímo, eu não quis acreditar que o jogo já estava terminando quando começei a lutar com o makarov, claro que jogando no nível veteran você demora mais tempo, mas ainda assim é curto.

    Eu curto muito o modo online dos MW da vida, mas o problema é que parece que as produtoras por causa dele, deixam o single player cada vez mais sem atrativos.

  50. 16/11/2011

    Retomarei esse post porque eu acabei de ler um comentário no Kotaku e que tem a ver com esse tópico que discutimos aqui.

    Há alguns comentários atrás, eu afirmei que a diversão deveria ser o principal objetivo de qualquer jogo, seja ele single player ou multiplayer. O Hélio discordou, e disse que “games = jogabilidade + história + música + gráficos + atmosfera”.

    Volto ao comentário que li no Kotaku. Nele, o autor disse o seguinte – tomei a liberdade em traduzi-lo:

    “Eu sei que você ainda está aí, Sega, liberte-se e traga de volta aqueles dias em que os games não precisavam de narrativas profundas e reviravoltas malucas totalmente previsíveis. Apenas pura diversão.”

    Eu parei pra pensar e isso é verdade. Enquanto o SNES recebia jogos com enredo elaborado (principalmente os RPGs), o Mega Drive tinha jogos com um enredo “bla bla bla” e que, mesmo assim, prendiam seus jogadores por horas e horas.

    Quando a coisa passou para a geração 32/64-bits, e então começava a se pensar em como aprimorar os enredos. Disso saíram jogos com enredos memoráveis (Xenogears, por exemplo).

    Agora, coloco uma outra questão: quem aqui teve um Sega Saturn? Pois bem, eu tive um. E sabe o que eu mais jogava? Daytona USA. Sim, um jogo de corrida, sem roteiros, sem reviravoltas, apenas pura diversão. Digo que, por esse mesmo motivo, a série Burnout cativou tanta gente quando foi lançada: em um momento em que 90% dos jogos de corrida tentava apresentar carros reais, a série chegou trazendo apenas a “pura diversão” de volta. Outro jogo que eu adorava jogar no Sega Saturn era House of the Dead. Roteiro elaborado? Pra quê? Just shut up and shoot these zombies! Avançamos mais um um pouco no tempo e eu afirmo que nunca precisei de um roteiro elaborado pra me divertir com Jet Grind Radio ou Crazy Taxi no meu DreamCast.

    Agora, eu deixo as seguintes questões:
    – Será que Super Mario Bros seria realmente divertido se tivesse um roteiro extremamente elaborado?
    – Será que Streets of Rage teria o mesmo fun factor ao se jogar multiplayer caso tivesse uma história aprofundada?
    – Será que God Of War seria uma saga tão boa assim se não tivesse o enredo que tem?
    – Será que uma série igual Battlefield, focada primeiramente no multiplayer, teria melhorado inúmeros aspectos no multiplayer (inclusive de outros jogos) se os caras da DICE simplesmente enfiassem um single player porque “é obrigação”?
    – Será que 007 GoldenEye de N64 teria feito todo o sucesso que fez sem o multiplayer?
    – Será que Diablo (sim, o primeiro) continuaria sendo jogado até hoje se não tivesse multiplayer?
    – Será que Daytona USA faria tanto sucesso se fosse um jogo totalmente single player?

    Volto a defender o ponto que eu já havia defendido: o ideal é que haja equilibrio.

    – Eu acho sacanagem colocarem partes importantes do enredo de um jogo single player no multiplayer só para obrigar as pessoas a jogarem (aka Mass Effect 3);
    – Eu acho sacanagem jogarem uma campanha single player mequetréfe só pra agradar a galera que fala “OLHA MAS QUE REVIRAVOLTA TOTALMENTE PREVISÍVEL MAS QUE AINDA ASSIM É AWESOME” e que, por justamente ser mequetréfe, acaba saindo um tiro pela culatra (não joguei a campanha single player do BF3, mas acho que ela se enquadra aqui);
    – Eu acho sacanagem criarem um roteiro hiper-mega-blaster elaborado pra um jogo que, no final, ninguém vai nem se lembrar de como foi (sim, eu estou olhando pra você, Need For Speed: The Run);
    – Eu acho sacanagem enfiarem um enredo extremamente bem trabalhado, mas cujo jogo não tem um approach fácil para todo mundo jogar e com isso acaba tornando a experiência frustrante (Metal Gear Solid 4, alguém?).

    Ao meu ver, o objetivo principal de qualquer jogo deve fazer o jogador, antes de tudo, se divertir. Se você prefere uma campanha bem trabalhada, você deve se divertir com o single player. Se você prefere ir pro campo de batalha com seus amigos, você deve jogar o multiplayer. Fim de papo.

    • Leandr0 Snow
      16/11/2011

      Realmente é um forum, Massao tô contigo e não abro. falow.

    • Juliano
      17/11/2011

      “Eu sei que você ainda está aí, Sega, liberte-se e traga de volta aqueles dias em que os games não precisavam de narrativas profundas e reviravoltas malucas totalmente previsíveis. Apenas pura diversão.”

      Gostei muito disso, que frase do caralho. A parte do “narrativas profundas e reviravoltas malucas totalmente previsíveis” certamente é a melhor.
      O que acho chato nessa história toda é que só se vê algo como grandioso se ter uma história cinematográfica, eu não vejo por esse lado. Histórias enjoam, jogatina por diversão não.

  51. DavidPaulo
    16/11/2011

    Também prefiro singleplayer. gosto de descobrit as tramas do jogo sozinho. Sei lá… é como se a história do jogo fosse mais detalhada, como se houvesse mais o que desvendar… portanto, mais divertido :)

  52. xxx
    17/11/2011

    eu também penso como a bebs: se a história for compatível, é muito bom colocar outras pessoas na aventura; A aventura espera hehee, mas tem games que o roteiro já é bem fechado como heavy rain, mas é legal chamar a galera pra ver e todos jogarem (um por vez , claro;p) mas eu sou a favor de mais games co op, só vejo nessa geração fps, e games hack slash e rpgs , todos singles…cadê aquele fighting force e outros do gênero ?os consoles das outras gerações eram menos poderosos e possuiam mais coperatives.Por que nao fazer um streets of rage com jogatina mundial com até 4 ou mais jogadores?pra mim, o que vale é a experiência como um todo, história , jogabilidade e diversão.Gostei muito do resident coperative e espero que o 6 seja assim . O raccon city operations já tá comprado heheh Só faltam mais legendas em português

  53. xxx
    17/11/2011

    aliás, o sonic generations , só faltou o tails e outros personagens. Se tivesse o knucles, amy, cream e outros seria um dos games do ano.

    #tails_and_sonic!!!!

  54. Leonardo
    17/11/2011

    É por isto que, apesar de não ser “Nintendista”, ela continua a ser uma das melhores:
    http://www.eurogamer.pt/articles/2011-11-17-nintendo-explica-porque-nao-esta-interessada-nos-dlcs-pagos

  55. 17/11/2011

    Minha resposta pode ser inutil depois desse excesso de informação que vi nos comentários, mas eu simplesmente só gosto de multiplay quando é FPS. Se não eu prefiro jogar offline, e fazendo os ups dos meus personagens “lentamente” (eu aprecio jogar qualquer tipo de game devagar e costumo subir bastante de level antes de ir para um boss). FPS é legal multyplay pelo o caos, e fora que na maioria das vezes se for um Team Fortress 2 as pessoas não vem lhe dar pitaco sobre a maneira noob e desorganizada que você joga :/

  56. Gabi
    22/11/2011

    assim, Eu prefiro os jogos singleplayer, com certeza tem historias bem mais elaboradas, sao bem mais detalhados, menos limitados, etc… mas como eu soh tenho um Xbox 360 em casa e tenho um irmão queridinho, soh da pra jogar direito se for um jogog multiplayer ^^ [ex: RE5], por isso to feliz com os dois

  57. Lylkai
    25/11/2011

    Cara, se não tem o que escrever, não escreve. Falar merda pra um monte de gente com um texto fraco é a pior coisa possível. Vale mais a pena poucos textos decentes do que… isso.

    Pra começar, cada jogo é um caso. Witcher e Elder Scrolls não tem multiplayer, pq se tivessem tiraria toda a imersão deles. Os personagens interpretam, você responde à eles da mesma forma, interpretando, o que os torna bons RPGs. Diferente de um moleque chegar e “awe lek tem gold???”. Sendo que da mesma forma existem jogos em que é quase obrigatório um multiplayer, tipo Battlefield 3, ou que simplesmente não pedem single, como L4D. Você reclama do excesso de multiplayer na geração atual, mas se você notar, a maioria dos mps são online e tem jogos que pecam exatamente por não terem um local, como GRID, por exemplo (PURE também se não me engano). A questão não está em diminuir ou aumentar o multiplayer, mas sim em saber como usar, como balancear.

    Enfim, acho estupidez, ficar nessa “prefiro multiplayer” mimimi “prefiro singleplayer”, não teria nenhuma graça jogar Street Fighter ou Smash Bros sozinho sempre. É estúpido também, analisar superficialmente um mercado inteiro e anos de jogos por causa de uma insatisfação com UM jogo. Recomendo pesquisar melhor antes de sair soltando opiniões full of hate ao vento.

  58. Samuel Gallo
    26/11/2011

    Eu nunca vi o modo multplayer como algo principal em um game . pra min e apenas mais um extra.

  59. Mr Hertz
    27/11/2011

    Acho a premissa desse texto ta bem egoísta.

    Nao porque voce queira jogar sozinha, mas sim por reclamar de jogos que trazem essa opcao, como que eles “NAO TIVESSEM QUE VIR ASSIM, E PONTO FINAL…. dane-se quem quiser multiplay”

    O multiplayer cooperativo hoje basicamente é uma mudança natural do 2 player mode no mesmo aparelho, ou mais de 2 players… para a internet.

    É simplesmente uma atualizacao, uma evolucao. Nao era nem pra voce questionar isso, simplesmente é so nao jogar multi e pronto, como sempre fizemos ao escolher a opcao de 1 jogador.

    Com a chegada do modo coop, nao somente as pessoas podem interagir e trocar opinioes sobre o jogo, gerando feedbacks que antes nao seriam possíveis, e assim abrindo espaço pra que os jogos se transformem e passem a evoluir ao ponto em que se molde ao jogo de mais de um jogador, portanto passando a ser mais flexiveis e admitindo a entrada de novos conceitos ao gameplay geral.

    E pra fechar… nem vem que nao tem com a Bioware trolando, pq elea nao trolaram NINGUEM….

    Essa historia de multi no mass effect ja vem de antes, so que apenas foi executada agora no 3, porque justamente o 3 abre espaço pra isso, pois é o fechamento da serie em uma batalha intergaláctica, onde ha possibilidade de incluir jogadores coop sem quebrar o clima de historia fechada que a serie tem (palavras dos desenvolvedores do jogo).

    E quem foi que disse que voce terá de jogar coop pra facilitar sua vida? Por acaso voce joga tão ruim assim que deseja tudo facil em single player?

    Até onde vejo, os jogos coop estão se flexibilizando para aumentar a dificuldade na proporcao de jogadores em cena, entao se a vida será ruim, vai ser com ou sem coop.

    Eu ja quero é que os jogos piorem minha vida. Se tu quer uma coisa fácil demais de chegar ao fim, veja um filme, que nao tem erro e é garantido de voce chegar ao fim sem qualquer esforço.

    Todo jogo hoje eu so jogo no hard de cara, porque a dificuldade dos jogos de hoje é:

    1 – molinho
    2 – mamão com açúcar
    3 – muito facil
    4 – facil
    5 – normal

    infelizmente é assim q a coisa corre hoje, e tu ainda reclama de vida dificil? po….

    • Juliano
      27/11/2011

      “Se tu quer uma coisa fácil demais de chegar ao fim, veja um filme, que nao tem erro e é garantido de voce chegar ao fim sem qualquer esforço.”

      Baita mentira essa daí, minha irmã disse que foi ver Atividade Paranormal e pediu pro namorado dela desligar o dvd, porque ela tava com medo do filme. Ahaahahaahahah,
      muito tenso

    • Lylkai
      27/11/2011

      Concordo plenamente.

    • Vivi Werneck
      27/11/2011

      em nenhum momento eu disse q o multiplayer é desnecessário nos dias de hoje (isso está bem explícito no texto). apenas refleti sobre uma opinião pessoal de que prefiro jogos single player. o que reclamei em relação ao multiplayer é em relação do jogo, que antes não tinha essa premissa, por exemplo, e agora te “obriga” (estou usando aspas ok?) a jogar o multiplayer para que você consiga progredir no gameplay de maneira mais dinâmica no modo single player. acho q um modo pode até complementar o outro desde que não seja uma “obrigação”, para progredir em um, ter que jogar o outro. foi o que eu quis dizer.

      em relação a BioWare, amo os jogos dela e, na MINHA opinião, realmente não gostei da forma como eles colocaram o multiplayer. Mas como disse, essa é a MINHA opinião e você tem todo direito de discordar. Assim como discordo com vc.

      “Por acaso voce joga tão ruim assim que deseja tudo facil em single player?” (disso isso para Demon’s Souls… rsrs)

      Sinto que magoei seus sentimentos… rsrs. Acontece… XD

      PS: se vc ler um pouco mais do Girls of War, vai saber que sou super fangirl fervorosa da BioWare. Não estou falando mal da desenvolvedora – de jeito nenhum, apenas estou expressando a minha opinião sobre uma série que amo. Todos temos esse direito não é? Não me odeie.

      Bjs

    • Fabiot
      27/11/2011

      Não sei de onde tiram a idéia de que multiplayer é algo recente.
      Até no Telejogo, console de primeira geração, já existia multiplayer.
      O que temos hoje é só a evolução do que foi criado lá atrás.
      Abaixo, alguns jogos que ajudaram a expandir o modo multiplayer em massa(internet e ethernet):
      Diablo – 1996, Duke Nukem 3D – 1996, Quake – 1996 e Ultima Online – 1997.
      Todos eles em meados de 90, durante o processo de popularização da internet.
      É o curso natural das coisas: o que agrada a maioria, evolui e sobrevive.
      É questão de opinião mesmo. Eu não gosto de jogos de luta, pra mim, a jogabilidade é sempre igual. Mas sempre vai existir, pois é algo que o povão gosta.

  60. Lylkai
    27/11/2011

    Com o Mr Hertz, claro.

  61. Rodrigo
    27/11/2011

    Isso ae Vivi, apoiado…..concordo plenamente, multiplayer deve ser uma opção para o gamer não uma obrigação, se a pessoa tiver conexão discada como fica? multiplayer da uma “durabilidade” maior para o game sem falar que é legal mas ter isso imposto é uma falta de sacanagem, vou xingar muito no twitter….uhhuhuuhuhhuhuuhaaaaaaaa onde fica meu livre arbítrio?

  62. 30/11/2011

    Battlefield sempre teve seu modo multiplayer e prova que é um grande game sem precisar do Single. Se o gamer sabe que é multiplayer, porque compra então? Assassins Creed é o tipo de game que é muito mais bacana o Single, o Multiplayer já acho desnecessário, mas acredito que enriquece o conteúdo do game. Essa é a minha opinião.

    Fabiot, concordo com você em tudo que disse, inclusive, também não curto game de luta, é questão de gostos mesmo.

    “Jogar Dark Soul é muito mais bacana single player, este tipo de game só é legal para pklizar all” #ficadica

  63. RBfslr
    02/12/2011

    Sou um gamer das antigas, comecei com meu “phantom system” jogando Super Pitfall e mario com adaptador do NES. Conforme a indústria evoluiu eu fui junto (sempre em consoles). No SNES joguei Chrono Trigger (infinitas vezes), Mario World e cia. No N64 são poucos os títulos que não joguei (até mesmo os tenebrosos Mischief Makers e Hybrid Heaven) e mais infinitas vezes que terminei Zelda Ocarina of Time. Os RPGs foram o carro chefe junto com MGS e resident evil enquanto jogava ps1. Na era do ps2 mais MGS, Shadow of the colossus, RPGs e katamari. Na atual geração encontrei as series call of duty, battlefield e Souls(demons e dark).
    Sim quanto a narrativa embutida (obrigado Ludobardo) esses jogos perdem, e muito, para a maioria dos jogos antigos. Mas a experiencia de MP aumenta e muito a narrativa emergente, pois aumenta a porção do jogo que depende apenas do jogador e do que acontece com ele. Achei incrivel platinar MW2 e Black ops com a ajuda de um amigo através da psn, uma diversão e uma vibração maior do que quando derrotei o sephiroth a primeira vez. Agrega um valor maior ao jogo. Battlefield é incrivel controlar tanques e aviões e fazer o circo pegar fogo. Demons e Dark Souls fazem uma imersão no universo incrivel e mesmo sem explicação nenhuma da história ou de qual o seu objetivo fazem você querer explorar cada vez mais aqueles mundos inóspitos. E matar aqueles chefes gigantes com ou sem um camarada é ótimo (e atacar e ser atacado em seu mundo faz o coração disparar de uma maneira que nunca me aconteceu antes em um game).
    Mas não me entendam mal, eu não abandonei os jogos SP. Também adorei platinar L.A. Noire (um dos melhores jogos da rockstar), acabar com a saga do Kratos foi ótimo, batman: AA foi o melhor jogo que já vi do cavaleiro das trevas, foi muito legal esmagar as little sisters em bioshock e a serie assassins creed tb é legal (nunca joguei como MP, acho que nao combina).
    O que quero dizer é EVOLUA! A indústria não vai voltar atrás. A diversão está cada vez maior com os MP. E a parte artistica está tentando inovar (vide bioshock e LA). O que não adianta é ficar preso no passado com uma idéia de ódio de tudo novo que faz sucesso (isso é a “sindrome da carne de vaca”). Claro, nunca mais teremos a expectativa por um jogo como foi Zelda Ocarina of Time e suas mágicas horas de jogo, mas isso porque eram outros tempos da indústria e éramos crianças (pelo menos eu era) e a percepção do mundo era outra.

  64. Lucas
    01/01/2012

    nuss que pergunta mais obvia.

    se a pessoa compra um jogo TRAVADO com certeza ela vai querer o modo multiplayer. que praticamente sempre é melhor que o modo single player.

    nem tem como querer comprar jogar contra o Cpu e jogar com os amigos online ¬¬’

    por isso que eu comprei um ps3 travado, é muito mais divertido jogar online.
    destravado é para os fracos. nao tem como fala que é por falta de dinhero, é so arranja um emprego e ja éra, assim como eu fiz

  65. Luiz
    12/02/2012

    Me parece que tudo é muito simples, alguns começam a trabalhar para jogar play3, porque são “baratinho” os jogos, fácil de comprar, se eu não morasse no Brasil claro. Mas eu sou pobre então jogo pirata, dessa forma meus jogos são limitados por não usa-los online. Bom resposta porque tudo é online hoje? Porque Sony, Microsoft e sei lá mais o que, “quase que nos obrigam” a gastar em suas lives. Isso virou tendência, é dessa pra pior! Enquanto isso uso o pirata, mas jogo pela metade e muitas vezes sem sentido, ou com um sentido estranho, diferente do que estou acostumado, começo , meio e fim como já fora antes, agora é tudo picado e tenho que dividir minhas horas de divertimento com outros que como a autora do texto colocou, enchem o saco. “EU NÃO GOSTO DE JOGAR COM OS OUTROS, E ACHO UM CUMULO TER QUE PAGAR CARO POR JOGOS QUE AS VEZES DURAM APENAS 15 DIAS ATÉ ZERA-LOS DAI PERDE O INTERESSE!” Senhoras e senhores só trabalhando muito pra sustentar tal vício.

  66. Diogo
    27/03/2012

    Eu gosto de jogar online mas gosto de me divertir jogando e geralmente nao tem como se divertir jogando com essa pirralhada que tem hoje em dia, e uma disputa de ego danada nos jogos, aquele negocio de “sou foda, sou melhor que voce” que me enoja, gosto muito de mmorpg mas parei de jogar por conta daquelas pessoas que nao tem vida e fazem do mundo virtual sua vida, se estressam vivem enchendo o saco e se sentindo superior, eu jogo pra me divertir e nao pra passar raiva, raiva ja tenho a vida real que me proporciona bastante. Bom essa e minha opiniao, hoje em dia tenho jogado multiplayer do mass effect 3 to achando legal mas ainda to meio perdido e jogo dota com alguns amigos apenas.
    Teclado esta com defeito por isso ta tudo sem acento hehe

  67. Ricardo
    14/07/2013

    Muito interessante esta matéria! Eu também não sou fã de jogos multiplayer, o único que jogo online e offline até hoje é o Área-51 da Midway (2005). Tenho o COD1 e o COD2 e por causa dos mal intencionados que usam de ‘cheats’ e trapaças neles é que me fez desgostar mais ainda de multiplayer. A grande vantagem de jogos Single-player é que mais de 90% deles tem enredos fantásticos em cada avanço das fases e de todos que conheço o “melhor” foi *Half-Life 2, HL-Ep1 e HL-Ep2* que pra quem gosta muito de entender o jogo sabe que este chega a mexer com a emoção da gente. Contudo os multiplayers são os que mais dão lucro para os desenvolvedores e quando tem a opção single podemos fazer uso do console, criar Mods e modificar mapas,etc…, onde isso servirá de inspiração para os desenvolvedores para a criação das continuações ou outras versões. Além do mais, apenas uma pequena parcela dos internautas tem uma boa internet e pra aqueles ‘como eu’ que ainda tenho uma de 1Mb sofro demais nos jogos online por causa de atrasos,etc…!
    Sou a favor de jogos “originais” porém imaginem no meu caso com minha internet de 1 Mb, pagar R$60,00 por um Orange Box da Steam que leva pouco mais de “1 dia e 3 horas” pra baixá-lo e por fim “não conseguir” jogar porque só tem opção Multiplayer…??? É muito constrangedor e creio que este é um dos principais motivos que levam muita gente a baixar ‘pirata’. Pena que na minha região não existe lojas onde tem mídias físicas de jogos pra se comprar, pois prefiro a elas do que os da Steam pelo motivo que citei anteriormente. Alguns a Steam disponibiliza a versão DEMO onde podemos certificar se é bom, se o PC roda, se é SP ou MP, pra somente depois decidirmos em comprar, mas eu também em particular prefiro jogos que tenham a opção Single Player.

  68. DJ _X_ leitinho
    17/04/2014

    Eu poderia escrever um livro pra explicar porque eu não gosto de multiplayer assim como vc Vivi, mas vou resumir com uma única frase.

    “A emoção de se salvar um game individualmente no Single Player com suas próprias forças não se compara à disputa entre jogadores no Multiplayer.”

    TODOS os jogos que eu considero bons, TODOS possuem modo SP, e APENAS no modo SP que eu acho que são bons. Porque eu gosto de entender a HISTÓRIA de cada jogo, eu me envolvo totalmente.
    Nada contra quem joga Multiplayer, reconheço que tem sua importância. Mas eu não gosto e pronto.

    Abraxx a todos!

    _X_

  69. DJ _X_ leitinho
    21/05/2014

    Vejam isso!

    Será o início do fim do Multiplayer nos consoles?

    Eu ESPERO QUE SIM!!!

    http://www.arkade.com.br/acabou-festa-nintendo-vai-encerrar-conexao-wifi-wii-ds-maio/

    Abraxx a todos!

    _X_

  70. Matheus
    05/12/2016

    Chegando na parada aqui em 2016 pra comentar, porque sim, esse é um tema muito bom à ser discutido.

    Mas acho que antes de tudo devemos separar bem as coisas: Existe modo Cooperativo (o que eu amo), que é nada mais nada menos do que o mesmo que jogar com seu irmão ao lado num Super Nintendo. E o modo multiplayer (o qual eu odeio), aberto para tudo e para todos.

    A diferença é que no Cooperativo você joga com seus amigos e com quem você quer. É como desfrutar um jogo Single Player com as pessoas que mais gosta! Eu acho isso sensacional e sinto falta dessa possibilidade no Skyrim, por exemplo. Seria demais poder jogar algo assim com 1 ou 2 amigos!

    Eu não gosto muito do Multiplayer porque na medida em que fui ficando mais velho, fui odiando cada vez mais MMO’s (e outros games multiplayer aberto). As quest’s repetitivas e sem conteúdo, as pessoas extremamente desagradáveis, a sensação eterna de competitividade (que na minha opinião mata completamente a graça de qualquer jogo), e por aí vai.

    Eu sou o tipo de pessoa que prioriza muito mais a experiência de jogo do que o resultado final dela. Eu não quero saber se ganhei, se perdi, se fui quem matou mais, se meu time jogou certo, se sou o mais forte do servidor, qual build é a melhor, etc. A única coisa que quero saber é de me divertir e aproveitar o jogo da melhor forma possível, de me ambientar, me sentir lá dentro. Se tiver alguém junto? Melhor ainda!

    Bem, fica aqui minha opinião. 5 anos atrasado. (:

Crie uma conta no gravatar.com para colocar sua foto nos comentários.

Sempre que comentar em algum blog com o email cadastrado, aparecerá sua imagem.