Assassin’s Creed Rogue: encarne um Templário

Tags: AC Rogue, Assassin's Creed, Assassin’s Creed Rogue, BGS 2014, Brasil Game Show 2014, Martin Capel, Rogue

ac-rogue-martin-girlsofwar-topo

É isso mesmo que você leu no título. Depois de anos “encarnando” personagens da ordem dos Assassinos, seguindo seus códigos de honra, tentando sempre se esgueirar pelas sombras para dar o melhor golpe e, principalmente, estando 100% focado em destruir a ordem dos Templários – que possuem a ambição de dominar e controlar o conhecimento da humanidade a qualquer custo, eis que agora você, meu caro amigo, será um deles! Essa é a proposta de Assassin’s Creed Rogue: te colocar na pele de um Templário.

Para falar melhor como isso irá funcionar, conversamos com o diretor do jogo – Martin Capel, durante a Brasil Game Show 2014. Mas antes de falar de Rogue, em específico, Capel explicou um pouco sobre a estratégia da Ubisoft em lançar dois títulos da franquia no mesmo ano.

ac-rogue-martin-girlsofwar-3“Pensamos em trazer algo de novo na franquia exclusivo para os jogadores do Playstation 3 e Xbox 360. O objetivo de Rogue é também responder algumas questões, apontadas pelos próprios fãs da série, que ficaram pendentes em outros jogos”, comenta Martin. “Então resolvemos responder essas perguntas e a maior de todas: ‘como seria jogar sendo um Templário?’”.

Martin, que tem uma carinha muito simpática (veja a foto no topo do post), contou que o game teve dois tipos de direção principal, cada uma dedicada a uma parte de Rogue. “Reiventamos completamente a parte naval do jogo, por exemplo. Estamos trazendo um tipo de navio completamente novo e equipado com poderosas armas templárias. Todos esses elementos estão combinados com um ambiente bem vasto a ser explorado”, comenta. “A outra parte da nossa direção procurou destrinchar em detalhes o que é ser realmente um Templário.  Os jogadores estavam acostumados (como Assassinos) a conseguir suas parcerias na clandestinidade, por exemplo, com ladrões, revolucionários, ex-prisioneiros, concubinas, etc. Agora, como um Templário, você terá a nobreza e os demais poderosos em seu favor”.

“Você jogou todos esses anos sob a visão de um Assassino. Agora terá a oportunidade de perceber o outro lado da moeda”. (Martin Capel)

Um dos aspectos inéditos de Rogue é em relação a alguns detalhes do gameplay. Nos jogos anteriores, caso o seu Assassino machucasse ou matasse muitos inocentes você corria o risco de ser “dessincronizado” do jogo – já que machucar/matar inocentes é contra o código de honra da Irmandade. Mas agora você é um Templário e isso, segundo Capel, não vai mais acontecer. “Agora você é um Templário e poderá atacar civis e até animais, se assim for necessário para alcançar algum objetivo. O jogo ainda reagirá de acordo com suas ações, se for muito violento – por exemplo, mas não irá mais te dessincronizar como antes”, explica Martin.

ac-rogue-martin-girlsofwar-2

PS: adorei o nome do navio! ^__^

Para terminar, Martin ressalta que AC Rogue não terá um modo multiplayer já que este está sendo trabalhado em AC Unity. Por isso, 100% dos esforços da equipe foram dedicados a entregar a melhor experiência possível no modo single player. E, finalmente, ele deixa um recado a todos que estão um pouco na dúvida entre jogar do “lado do inimigo”. “A questão principal de Rogue é mostrar que os Templários não são bons ou ruins, mas sim pessoas que também têm seus valores, mesmo que diferentes, diante de várias situações. É tudo uma questão de ponto de vista”, concluiu.

Assassin’s Creed Rogue é exclusivo para Playstation 3 e Xbox 360 e será lançado no dia 11 de novembro no Brasil.

Vivi Werneck
Share on Tumblr
Feed do Post
2 Comentários em "Assassin’s Creed Rogue: encarne um Templário"
  1. Leonardo
    12/11/2014

    Tem piada ver como em Rogue defende-se o navio enquanto que no BF se atacava navios, tal como a transição do Brotherhood para o Revelations (Borgia Towers -» Assassin’s Dens), ou seja, a Ubisoft continua a utilizar uma linha de montagem já pouco oleada. Por muito que incarnar um Templário seja bacano, já vem tarde e parece apenas um jogo para encher chouriços. Talvez jogasse este jogo se “Birth of a Nw World – The American Collection” viesse com a versão física do Liberation em vez de um código, pois é o jogo que mais me interessa, estou a borrifar-me para o III e consigo encontrar o BF mais barato, já para não falar qe a colecção não traz os DLC.

    Ubisoft sempre a fazer porcaria…Pna que ninguém tem coragem de questionar isso.

  2. Robson
    16/11/2014

    Após os jogos enjoativos de Brotherhood, Revelation e o 3. Voltei com o Black Flag pois trás uma grande mudança para o game que foi muito divertido para mim, se esse mescla os Black Flag e o 3 irei dar uma chance. Agora o Unity está com cara de mais do mesmo.

Crie uma conta no gravatar.com para colocar sua foto nos comentários.

Sempre que comentar em algum blog com o email cadastrado, aparecerá sua imagem.