Assassin’s Creed Brotherhood – Parte II: Entrevista

Tags: Arnaud Mametz, Assassin’s Creed, Assassin’s Creed Brotherhood, Assassin’s Creed Brotherhood entrevista, Gaëlec Simard, Jeffrey Yohalem

Por Clarice dos Santos e Vivi Werneck

Dando continuidade ao primeiro post com a análise de ACB, confira a seguir a segunda parte desse especial em que conversamos com algumas pessoas envolvidas na produção desse jogaço.

Gostaria de agradecer a colaboração do Diretor da Ubisoft Brasil, Bertrand Chaverot, que gentilmente nos ajudou no contato com a galera que desenvolveu o jogo. Valeu Bertrand, a gente manda uma caixa de bombom pra você depois! rs

– Sem mais blá, blá, blá, segue a entrevista:

ATENÇÃO: a entrevista pode conter spoilers!

1) A primeira coisa que o jogador costuma notar, assim que começa a jogar AC Brotherhood, é o visual incrível do jogo. Admito que pesquisei algumas imagens históricas antigas e da Roma atual para buscar semelhanças entre os cenários e realmente o trabalho final ficou muito semelhante. Como funciona o processo de pesquisa, tanto geográfica quanto histórica, para compor com riqueza de detalhes o ambiente do jogo? Vocês precisaram contratar historiadores para ajudar a compor os cenários?

Respondido por: Jeffrey Yohalem, Scriptwriter

O diretor de arte visitou Roma e tirou fotos detalhadas, e trabalhou com um historiador para garantir que o retrato histórico fosse preciso. Em termos de escrita, eu (Jeffrey Yohalem) fiz a pesquisa histórica por conta própria e depois repassei meu script com um historiador para ter certeza que o trabalho estava o mais preciso possível.

2) Brotherhood é o primeiro título da série Assassin’s Creed que já joguei até hoje (mas gostei tanto que já comprei o segundo, rs). Lembro-me que não continuei a jogar o primeiro título na época porque fiquei presa do tutorial, do qual o jogador era obrigado a jogar. Dessa vez vocês criaram um tutorial mais inteligente, menos cansativo e que ainda garante extras para os jogadores que alcançarem as melhores pontuações. Isso foi proposital? Vocês já haviam notado essa “dificuldade” no Assassin’s Creed 1?

Respondido por: Gaëlec Simard, Mission Director

AC1 era novo em tantos níveis e, por isso, fizemos as escolhas que fizeram mais sentido para nós naquele momento. Quando começamos o ACII e ACB depois, nós aproveitamos o tempo para analisar o que nós pensamos, o que nós fizemos certo e o que pensamos que poderíamos fazer melhor. Também ouvimos muito à comunidade gamer.

Armados com este conhecimento, repensamos como queríamos que o jogador aprendesse nos próximos jogos de AC. Em ACII, principalmente, eu queria os tutoriais embutidos na história para que o jogador pudesse aprender sem sentir como ele está aprendendo. Eu também queria ter certeza de que nós não apenas ensinamos o jogador uma habilidade, mas que fizemos valer a pena o que foi aprendido.

Então, eu criei o termo “validatorial”. Por exemplo: ao invés de pedir o jogador para subir, nós damos a ele um objetivo em que ele precisa subir um obstáculo para continuar. Em ACB eu queria manter isso, mas também criar um espaço onde os jogadores, que desejassem melhorar, fossem capazes de fazê-lo enquanto se divertindo e sem penalizar os jogadores menos hardcore, caso esses mecanismos fossem colocados na campanha principal [Ele se refere aqui ao tutorial opcional que pode ser acessado no menu da Animus e dá extras ao se completar determinadas tarefas].

3) Como boa apreciadora de história, fiquei particularmente emocionada ao ter a chance de interagir com personagens marcantes como Maquiavel, Copérnico e Leonardo Da Vinci. Dentre tantos nomes importantes da época Renascentista, qual o porquê de escolher estes como principais? E o mais importante, como vocês fizeram para contextualizá-los com a história de Ezio?

Respondido por: Jeffrey Yohalem, Scriptwriter

Nós escolhemos essas figuras históricas porque sentimos que eles foram muito representativos e importantes para a filosofia da Renascença. E, claro, Maquiavel, Copérnico e Leonardo da Vinci são três das personalidades mais famosas dessa época. Os jogadores querem conhecer as pessoas que eles leram nos livros didáticos sobre história.

No jogo, Maquiavel é um Assassino, Leonardo constrói novas invenções que Ezio (o jogador) pode usar em seus inimigos e Copérnico é um templário aposentado. Todos os três fatores estão fortemente vinculados à mitologia do mundo de Assassin’s Creed, mesmo assim, o comportamento dessas personalidades e suas atividades permanecem historicamente precisos. Você pode definitivamente aprender sobre suas origens jogando. [Você pode consultar o perfil desses personagens e saber mais de sua história no menu da Animus]

5) Terminar a missão principal não é o fim do jogo. A cada novo jogo da série Assassin’s Creed pode-se notar que as missões secundárias estão mais inteligentes e cativantes, como as missões do Leonardo Da Vinci que – de longe – são as mais complicadas e envolventes das secundárias. Como foi pensado o game design dessas side quests afim de que elas não se afastassem muito do conceito da campanha principal?

Respondido por: Gaëlec Simard, Mission Director

No design de missões há dois aspectos principais: a jogabilidade e história. Em ACB queríamos que as missões secundárias fossem mais do que apenas “secundárias”. Queríamos criar pequenas histórias com elas como você disse. Então, tivemos mais ou menos a mesma abordagem quando pensamos na jogabilidade e nós apenas procuramos ter certeza de que a história e a estrutura nessas missões as tornariam mais atraentes para o jogador. Tudo isso mantendo a mesma linha narrativa de alto nível. Você também pode ver esta abordagem no DLC Da Vinci Desaparecimento (que já está disponível).

6) O multiplayer do jogo está sendo muito elogiado e muitos, inclusive, chegaram a duvidar de que realmente daria certo. Quais foram as principais dificuldades de trazer o mundo singleplayer de Assassin’s Creed para campanhas multiplayers?

Respondido por: Arnaud Mametz, Lead Game Designer (Annecy)

Um dos maiores desafios foi técnico. Muitas coisas diferentes precisaram ser feitas:

– Nosso jogo precisava de uma multidão consistente e confiável para que se fosse feito o “social stealth”. Isso nunca foi feito antes e deu muito trabalho para desenvolver;

– Nosso sistema de matar é baseado em assassinatos a curta distância, combinados a animações (de várias posições diferentes): foi um verdadeiro desafio ter algo do tipo funcionando e aplicável ao online.

Quanto à parte criativa, vamos dizer que o desafio veio do fato de que tínhamos que “criar” tudo. Sem nenhuma referência ainda, tivemos o constrangimento de não diferir muito dos pilares do singleplayer (free-running, assassinato, etc). Muitas interações foram necessárias, às vezes era difícil porque olhando e tentando muitas coisas repetidamente às vezes podem criar algumas frustrações. Mas digamos que o grande desafio foi encontrar uma boa base para o jogo, para conseguirmos criar uma sensação mais natural possível de caça/predador (desenvolver a bússola, etc) e, assim colar todas as ideias juntas.

– Confira a primeira parte desse especial, com a análise do jogo, AQUI.

Vivi Werneck
Share on Tumblr
Feed do Post
10 Comentários em "Assassin’s Creed Brotherhood – Parte II: Entrevista"
  1. paulo honda
    20/03/2011

    Lendo esta entrevista,nota se a preocupação dos produtores com a qualidade visual e funcional do jogo em todos os seus aspectos.Tiveram a preocupação com a jogabilidade do ponto de vista do jogador de modo com que fique mais fácil,mas ao mesmo tempo faça o jogador pensar.
    Parabéns a Clarice e a Vivi pela matéria e espero por mais entrevistas em futuros posts.

  2. Marcelo
    20/03/2011

    Entrevista muito legal !

    Aguardando a continuação da saga do Desmond !
    (na verdade, gostaria que Ezio aparecesse de novo.. mesmo que um pouco, creio que sua história ainda tem coisas a mostrar..)

  3. Lucas Garcia
    21/03/2011

    Oi gente.Virei ontem o AC1 e vou começar hoje o 2 e quando acabar já tenho o 3 na espera.
    Estou com meu Ps3 faz 1 mes e poco e não me caiu a ficha ainda!Lindo de mais,tô feliz pa K C T!
    Abraço pra todos

  4. Douglas psn id team_piracicaba
    21/03/2011

    Bom dia galera

    nossa numca joguei esse jogo, eu tinha visto o 1 que meu amigo me mostrou mas nao joguei ainda , to pensando em comprar o 2 é bom o 2 ?!?!?, gostaria de saber como é as lutas ?!?! eu queria o3 mas somente online ? nao gosto de jogos que só é possivel jogar online , tem que ter o single player offline tmb .

    se alguem jogou o 2 e o 3 qual compensa comprar ??!! ajudem-me ae galera vlw

    • 21/03/2011

      oi douglas tudo bem? eu tenho o AC 2 e o AC Brotherhood. ambos são jogos de aventura e ação e tem lutas sim, afinal é um jogo em que o personagem principal é um assassino. os jogos são sensacionais vale a pena comprar sim! ^^

    • Lucas Garcia
      21/03/2011

      Douglas,se possivel joga o 1 primeiro e faz a sequencia.As lutas são ótimas,vale muito a pena mesmo!To bem doido pela serie!

    • 21/03/2011

      Douglas,

      Aconselho-te, se possível, a fazer a narrativa do princípio, começando com Assassin’s Creed 1 antes de ir ao 2 e depois ao Brotherhood. Todos merecem ser comprados, são excelentes jogos.

      Quanto às lutas, elas são interativas e viciantes, se é isso o que queria saber. Muito bem projetados os assassinatos.

      E tem single player offline sim, ok? Não tem desculpa para não comprar, hehe.

  5. Jhun
    21/03/2011

    Assim como AC 2 deu certo Brotherhood não tinha como dar errado, pelo menos na minha opinião. Joguei um pouco no 360 e o game realmente me convenceu. A versão PC já saiu e vou pedir a minha junto do AC 2. =D

    Creio que acima de um gameplay melhor o que relamente faltava ao primeiro AC tenha sido carisma. Altair naum é nem de perto tão carismático qto Ezio. Fora as partes do customização, contratar mercenários e talz. Não fosse pela história e pelo título, talvez nem desse pra dizer que AC2 fosse continuação de AC de tão diferentes q os games são.

  6. Aline
    27/07/2011

    To jogando Assassin’s Screed Brotherhood faz uma semana se nao me engano..e eu to na sequencia 3…quase no final..so que o meu mapa ta travado…com aquela cortina branca..sabem??
    ja vi em algum lugar as pessoas falando de missoes secundarias mas eu nao sei quais sao e nem como encontralas…as vezes eu do sorte e encontro umas no meu caminho…sera q alguem pode me ajudar??

    se souberem a resposta eu agradeço muiiito!!
    vlw!

  7. Aline
    27/07/2011

    desculpem..me confundi..estou na sequencia 4

Crie uma conta no gravatar.com para colocar sua foto nos comentários.

Sempre que comentar em algum blog com o email cadastrado, aparecerá sua imagem.